10 de março de 2016

Pro Gold Coast 2016, sem ondas

As condições das ondas fizeram a organização do Quiksilver Pro Gold Coast e do Roxy Pro  adiar a chamada para o início do World Surf League Championship Tour, nesta quinta-feira na Austrália, em Snapper Rocks.  O primeiro dia da janela do evento vai até 21 de março em Queensland. A decisão foi anunciada na segunda chamada do dia, às 11h30, com a próxima marcada para às 7h30 da sexta-feira em Gold Coast - 18h30 desta quinta-feirab pelo fuso horário de Brasília, com transmissão ao vivo pelo www.worldsurfleague.com
Foto Divulgação - evento de 2011 / Credit: © ASP / SCHOLT
O Brasil estreia na temporada logo na primeira bateria, com o potiguar Italo Ferreira, vencedor do prêmio de melhor estreante do ano passado, enfrentando o havaiano Keanu Asing e o australiano Ryan Callinan. Na terceira etapa Filipe Toledo começa a defender o título, contra o potiguar Jadson André e o australiano Stu Kennedy. Esta primeira rodada não é eliminatória. Os 36 participantes são divididos em doze baterias e os vencedores avançam direto para a terceira fase, mas os perdedores têm outra chance de classificação na segunda fase. Depois de Filipinho, entra Gabriel Medina junto com uma das novidades na "seleção brasileira" deste ano, Caio Ibelli, além do havaiano Sebastian Zietz.

Na disputa seguinte, Mick Fanning, vice-campeão mundial nos títulos brasileiros de Medina e Mineirinho, faz um confronto australiano com Matt Banting e Wade Carmichael, que venceu a triagem disputada na quarta-feira em Snapper Rocks. A outra vaga de convidado ficou para o também australiano Mikey Wright, que completou a sexta bateria do cabeça de chave número 1, Adriano de Souza, e do norte-americano Kolohe Andino. Depois de Mineirinho, o próximo brasileiro a competir será um dos novatos na elite deste ano, o paulista Alex Ribeiro, que vai fazer sua primeira apresentação entre os melhores surfistas do mundo na nona bateria, do norte-americano Nat Young e do australiano Kai Otton. E outros dois brasileiros vão disputar a penúltima classificação direta para a terceira fase com o sul-africano Jordy Smith, os paulistas Wiggolly Dantas e Miguel Pupo.

2015 - Os brasileiros dominaram o circuito no ano passado, que começou e terminou com bicampeonatos inéditos do Brasil na World Surf League. Primeiro, Filipe Toledo ganhou com nota 10 na final a segunda vitória verde-amarela seguida no Quiksilver Pro Gold Coast. E no Havaí, Adriano de Souza sacramentou a conquista do título mundial com vitória na final brasileira com Gabriel Medina no Billabong Pipe Masters. Mineirinho e Filipe repetiram os feitos do fenômeno Medina em 2014. Dessa vez, é Adriano quem vai competir com a lycra amarela de número 1 do Jeep Leaderboard em Snapper Rocks. Medina terminou em terceiro no ranking de 2015 e Filipe em quarto, sendo o único a vencer três etapas na última temporada.

Por João Carvalho

Nenhum comentário:

Postar um comentário