28 de outubro de 2015

Prancha mágica do Medina

Muita gente ficou impressionada com a atuação do Medina na etapa francesa do campeonato mundial. Seu surf foi forte, preciso e com aéreos perfeitos. A WSL foi atrás do Johnny Cabianca para entender o que está por traz, ou melhor, o que está nos pés do campeão mundial Gabriel Medina.

Esse texto é uma tradução livre, realizada pela equipe do comSurf, da entrevista original publicada no site da WSL - clique aqui para ver o original.

O shaper Johnny Cabianca vem fazendo as pranchinhas de Gabriel Medina (BRA) na maior parte de sua carreira como surfista. Ele tem visto o garoto prodígio se desenvolver de “rei” dos “moleques” (King of the groms) até o título mundial, crescendo tanto em talento quanto fisicamente. A parceria entre os dois tem claramente se mostrado uma formula campeã. Ao longo dos anos, Cabianca disse, além de aumentar as dimensões em sua prancha para aguentar o power crescente do Surf do Medina, pouca coisa mudou no modelo que ele mais usa, a DFK (Da Freak Kid). Essa formula serviu Medina bem no Quiksilver Pro France, onde ele ganhou seu primeiro evento do ano. Cabianca que antigamente shapeava para a fábrica Pukas, conta essa vitória do Medina como a primeira da sua própria marca: Cabianca Surfboards. Aqui ele divide alguns insights sobre a pranchinha mágica do Medina e como ele tem visto o goofyfooter de Maresias se desenvolver até se tornar o primeiro brasileiro campeão mundial de Surf:
World Surf League: Quais são os modelos e dimensões da prancha que Gabriel usou na França?
Johnny Cabianca: Essa prancha que foi usada no Quiksilver Pro se chama DFK (Da Freak Kid), ou algo como “ o garoto aberração”. Ele tem usado muito esse modelo desde que foi campeão do King of Grommets em 2009. Apenas as dimensões mudaram em função do seu biótipo atual. A prancha que ele usou na França é uma 5'11 x 19 x 2 7/16 (28.7 litros) com a rabeta round. Gabriel tem 180 cm e pesa 80 kg.

WSL: Além do seu talento, você poderia explicar o que tem no shape dessa prancha que ajuda ele a atingir alturas incríveis em seus aéreos?
Cabianca: O foco é desenvolver uma prancha que crie muita velocidade. Não existe aéreo sem velocidade. Para um surfista médio, essa prancha pode parecer um pouco dura, mas Gabriel surfa de maneira a deixar a prancha sempre em movimento. Portanto, ela funciona muito bem para ele. Gabriel Medina estava inspirado na França, conseguindo muitas ondas acima de 8 pontos, incluindo dois 10 perfeitos.

WSL: O que você mudou nas pranchas do Medina para essa temporada de 2015?
Cabianca: Apenas as dimensões. O que mudou é que eu estou fazendo as pranchas 100% sozinho. Shapeando, fazendo o glass e finalizando. Esse ano estou trabalhando na minha própria fábrica. Eu posso me preocupar com todos os detalhes da construção da prancha pessoalmente. Eu amo fazer isso, mas isso também significa muito mais trabalho. Acredito que no próximo ano isso vai mudar de novo (estou planejando construir uma fábrica grande na Europa). Mas por ora, eu acho que fazendo todos os detalhes, pode fazer uma grande diferença.

WSL: Parece que ele está usando menos pranchas com a rabeta swallow que ele costumava usar. Pôr que isso?
Cabianca: Verdade. Seu pé traseiro está mais forte e ele tem colocado mais pressão na rabeta. A rabeta round tem dado a ele mais conforto.

WSL: Gabriel tem tido uma tempora difícil mas teve alguns bons momentos de genialidade. Em suas conversar com ele, como ele encara os momentos difíceis que teve após o campeonato Mundial?
Cabianca: Vamos olhar a situação: seu freesurfing (Surf fora das competições) tem sido incrível desde o começo do ano. Mas algumas vezes ele não conseguiu mostrar isso em algumas baterias antes que a competição acabasse. Falando com o Charles (padastro do Medina) eu senti que eles foram para todas as competições com a mesma confiança de bom resultado.

WSL: Para Pipeline, que pranchas você vai mandar para ele usar?
Cabianca: Para a tríplice coroa (Haleiwa, Sunset e Pipeline) e especificamente para Pipe, eu preparei pranchas de 6´0 a 6´4. Além disso, estamos pedindo algumas pranchas para o Wade Tokoro. Ele tem ajudado a gente no Havaí desde 2011. Há sempre pouco tempo para se treinar em Pipe e poder usar as prachas do melhor shaper local da a Gabriel a confiança que ele precisa.

WSL: Na sua opinião, como o título mundial mudou o Surf e a personalidade do Gabriel?
Cabianca: Eu sinto que as pessoas (principalmente no Brasil) tem enorme expectativas agora em relação ao campeão mundial. Trazer esse título ao Brasil trouxe muita atenção para ele e o esporte como um todo. Agora, até meus pais estão assistindo e entendendo de campeonatos de Surf. Eles não tinham idéia sobre isso antes. Agora, a ESPN no Brasil tem passado ao vivo os eventos do WCT. No começo isso parecia ser difícil para o Gabriel, entretanto, ao mesmo tempo ele parecia lidar super bem com isso. Ele é uma celebridade no Brasil e eu acho que demorou um pouco até ele se acostumar com isso.

Fonte SurfCam

Nenhum comentário:

Postar um comentário