.

.

22 de junho de 2015

12º Desafrio Urubici Caixa

Uma das mais tradicionais corridas de montanha do Brasil, o Desafrio Urubici Caixa chega a sua décima segunda edição em 2015, no dia 27 de junho. Como em todos anos, os atletas terão pela frente 52km, nas categorias Solo e Dupla, encarados em baixas temperaturas na Serra Catarinense. Com largada no centro da cidade de Urubici, o Desafrio tem início em aclive até o ponto mais alto do percurso, na Pedra Furada. Os atletas podem fazer o percurso individualmente ou em duplas, sendo que é neste ponto da Pedra Furada onde acontece a troca das duplas. A volta desafia os atletas em quase 26km, percorridos todos em declive, até a conclusão do percurso, também no centro da cidade, próximo a Igreja Matriz.
Desafrio Urubici Caixa 2015 / Foto Gabriel Heusi
Durante o percurso, os atletas percorrem trechos de asfalto e trilha, passando por montanhas, cachoeiras, e outras paisagens exuberantes, que tornam a prova uma das mais bonitas do país. Durante os 52km do Desafrio Urubici Caixa, a altimetria da prova varia de 900m a 1826m. Além das provas Solo e Dupla de 52km, os corredores têm opção da corrida de 10km e o Mini Desafrio, com 2km de percurso para crianças entre 10 e 14 anos.

Inscrições até o dia 12 de junho: centenas de corredores já confirmaram presença, mas ainda restam poucas vagas. Os atletas que ainda não confirmaram presença têm até o dia 12 de junho para garantir vaga, através do site www.ecofloripa.com.br/desafrio.

Por Danilo Caboclo

15 de junho de 2015

Meia Maratona Internacional abre inscrições

Uma das provas mais tradicionais do calendário de corridas de rua do Brasil, a Meia Maratona Internacional Caixa de Porto Alegre abriu inscrições para o evento que acontece no dia 05 de julho. A largada e chegada serão no Parque Marinha do Brasil e a expectativa é de que 3.000 corredores participem do evento.
Prova acontece no dia 05 de julho - Foto: Fábio Falconi/Latin Sports
Os corredores têm a opção de escolher os percursos de 21km, que podem ser feitos individualmente, em duplas ou quartetos, além da prova de 5km. Os interessados têm até o dia 01º de julho, ou até que o limite técnico de 3.000 pessoas seja alcançado, para realizar a inscrição através do site:  http://www.sportpass.com.br/Meia-Maratona-Internacional-Caixa-de-Porto-Alegre--

A Meia Maratona Internacional Caixa de Porto Alegre chega ao seu sétimo ano consolidando-se como uma das principais provas do país. A prova é uma das mais democráticas do país, abrindo espaço para todos os níveis de corredores. A formatação da corrida em dupla ou quartetos é um atrativo que chama bastante atenção por atrair equipes para o evento.

Por Danilo Caboclo

13 de junho de 2015

Tudo pronto para a 5ª Meia Maratona Internacional

Neste domingo, 14, milhares de corredores se reúnem em Salvador para as disputas da 5ª Meia Maratona Internacional Caixa da Bahia. A prova, que terá largada às 06h45 da manhã, no Jardim dos Namorados, reúne alguns dos melhores corredores de elite do país que terão pela frente a missão de acabar com a hegemonia dos últimos anos imposta pelos africanos na prova. Uma das principais corridas de rua do Brasil, a Meia Maratona Internacional Caixa da Bahia atrai grandes nomes do atletismo brasileiro e estrangeiro. Em 2014, os quenianos dominaram a prova com Stanley Koech e Delvine Meringor.
Quenianos venceram prova em 2014 / Foto Divulgação/Latin Sports
Neste ano, mais uma vez a expectativa é de que a prova conte com um alto nível e os brasileiros precisaram se sobressair para brigar com os africanos. Entre os homens, Romário Calixto, campeão da Maratona do Paraguai, e Michael de Paulo Passos, já estão confirmados no pelotão de elite. No Feminino, a capixaba Marcia Casagrande Matos é uma das esperanças brasileiras na prova.

Além do tradicional percurso de 21km, os corredores têm também a opção de 5km e 10km na Meia Maratona Internacional Caixa da Bahia. Inclusive, os atletas inscritos já podem se preparar para a retirada de kit. A partir dessa sexta-feira, 12, até o sábado, 13, a entrega acontece no Sam´s Clube, localizado na Avenida ACM, das 10h às 20h. Para retirar o kit, basta levar RG ou outro documento original com foto.

Por Danilo Caboclo

12 de junho de 2015

Itacoatiara recebe o Circuito Mundial de Bodyboarding 2015

Após mudanças no calendário da APB (Association Of Professional Bodyboarders), o circuito mundial terá seu início em águas brasileiras. Pelo quarto ano consecutivo, a cidade de Niterói, no Rio de Janeiro, sedia o Itacoatiara Pro, que neste ano acontecerá entre 02 e 12 de julho. Essa será a primeira vez que a etapa inaugura o Circuito Mundial e por se tratar de um evento “Grand Slam”, com premiação e pontuação mais altas, a largada para a corrida ao título Mundial será bastante intensa, oferecendo aproximadamente R$ 150.000,00 aos competidores. Além das disputas na categoria masculino professional, a APB terá pela primeira vez a disputa do circuito mundial Pro-Junior, onde atletas até 18 anos poderão competir entre sí, em busca do título. Segundo a entidade que rege o esporte à nível global, o circuito para jovens atletas é importante para a renovação do esporte e fomento das categorias de base que são responsáveis pelo futuro da modalidade.

Wellington Imbuhy aproveitando os tubos de Itacoatiara / Foto Tony D´Andrea
Mas a principal novidade, que foi muito comemorada pelos tops do esporte, é que pela primeira vez na história da competição, o Itacoatiara Pro terá um segundo centro técnico, onde os atletas poderão escolher onde competir. Originalmente as disputas acontecem no meio da praia, onde fica a estrutura principal, mas a organização do evento decidiu incluir um novo ponto de observação para os juízes, e caso as condições estejam favoráveis, as disputas podem acontecer no lado direito da praia, nas famosas direitas do Pampo.

Complementando a competição, o Itacoatiara Pro 2015 terá uma vasta programação noturna, com festas e atividades programadas para todos os seus doze dias de duração. Rumo ao quarto ano consecutivo de sua realização, o mundial de bodyboarding se consagra como principal evento esportivo da cidade de Niterói, trazendo atletas de mais de 30 países e uma grande movimentação econômica para toda a região.

O esporte é febre entre os frequentadores e moradores da praia, que segundo os especialistas oferece ondas grandes e tubulares, condições ideais para a sua prática.  Uma pequena multidão de fãs é esperada em Itacoatiara e quem não puder comparecer poderá assistir o evento ao vivo pela internet. “A realização de um evento global com tecnologia de ponta dentro de uma área de preservação ambiental como Itacoatiara e a Serra da Tiririca, comprova a possibilidade de um evento esportivo unir dois dos principais pilares do mundo contemporâneo que são a sustentabilidade e a tecnologia”. Comemora Bruno Souza Secretário Municipal de Esporte e Lazer de Niterói.

Por Danilo Caboclo

11 de junho de 2015

Bruno Jacob conquista pódio no Mundial de Freeride

O piloto baiano Bruno Jacob acaba de registrar mais um feito inédito para o Brasil no Mundial de Freeride, disputado em Fistral Beach, na Inglaterra. O atleta de 28 anos garantiu o 3º lugar no pódio em uma prova desafiadora em grandes ondas ao lado dos melhores do mundo.
Com o notável resultado, Bruno sobe para 4º no ranking da modalidade e se aproxima do tão sonhado título Mundial, nunca conquistado por um atleta brasileiro. "Tenho trabalhado duro pra isso, muita dedicação e apoio de minha família, amigos, equipe, e patrocinadores, que foram essenciais para eu chegar até aqui. A batalha continua, estou agora em 4º do ranking geral mundial chegando perto cada vez mais do topo, que é minha meta esse ano", afirma Bruno Jacob.

Até o momento, quatro etapas do Mundial de Freeride 2015 foram disputadas. Na primeira, na Austrália, ficou em 9º lugar e garantiu o prêmio Biggest Air, com a manobra mais radical. Na segunda, em Portugal, ficou em 5º e agora, na França, terminou em 5º lugar. Agora na Inglaterra, Bruno Jacob melhorou ainda mais e terminou em 3º lugar. "Objetivo alcançado. Vamos para a próxima etapa". A próxima etapa do Mundial de Freeride será em Pacific Beach, no Oregon, Estados Unidos, na primeira quinzena de setembro.

Por Michele Barcena / Fotos John Baker

Hang Loose Surf Attack começa em Ubatuba

O Hang Loose Surf Attack inicia mais uma edição nos próximos dias 13 e 14, na Praia de Itamambuca, em Ubatuba. O campeonato é o responsável por “preparar” e impulsionar ninguém menos que os três grandes nomes no momento, Adriano de Souza, Filipe Toledo, líder e vice-líder do Tour, e Gabriel Medina, que fez história ao ser o primeiro brasileiro campeão mundial. Os três não só passaram como foram multicampeões no circuito paulista das categorias de base, já demonstrando futuro certo. Além deles, Miguel Pupo, Wiggolly Dantas e Jadson André (que é potiguar, mas morou no litoral paulista) foram destaques. “O Hang Loose Surf Attack é uma escola na prática. E os resultados do WCT mostram que o caminho está certo. Que estamos fazendo um ótimo trabalho”, diz o presidente da Federação Paulista de Surf, Silvio da Silva, o Silvério.
Organizador do Circuito desde a sua criação em 1988, junto com Marcos Bukão, destaca a qualidade técnica e estrutural voltada para a formação da base. “A meta é a competição de alta performance. Temos um trabalho na parte técnica qualificado, atualizado, inclusive fora do Brasil, com objetivo de trazer para cá o melhor julgamento possível. Mantemos um padrão de qualidade, para que os atletas se adaptem ao formato internacional”, afirma. Disputado nas categorias júnior (até 18 anos), mirim (limite de 16 anos), iniciante (no máximo 14 anos), estreante (12 anos para baixo) e petit (sub10), o Hang Loose Surf Attack terá quatro etapas. Em Ubatuba, o “palco” será a tradicional praia de Itamambuca, com suas longas direitas, que nos últimos anos vinha fechando o ranking. Nos dias 4 e 5 de julho será a vez do Quebra-Mar, outro famoso “pico”, em Santos. A terceira etapa está marcada para os dias 8 e 9 de agosto, na Praia do Tombo, em Guarujá, e a grande final nos dias 24 e 25 de outubro, na Praia da Baleia, em São Sebastião.

Desde a sua criação, quando o surf ainda “engatinhava”, o evento nunca deixou de ser realizado. Inicialmente contava com as categorias júnior e mirim e foi crescendo até o formato atual. Desde 95 conta com o patrocínio da Hang Loose, sobretudo pela iniciativa do empresário Álfio Lagnado, sempre um grande incentivador da modalidade, como foi com Fabinho Gouveia e Teco Padaratz, ainda na década de 80. “Por mais que já tenhamos feito muitos campeonatos, de todos os níveis, esse não abrimos mão, pela importância que tem para a formação de base dos surfistas brasileiros. É nossa prioridade. É onde o atleta amador é realmente testado, colocado à prova para seguir na carreira. Basta ver os resultados no WCT”, argumenta o empresário.
Wesley Dantas Hang Loose Surf Attack Ubatuba / Foto Munir El Hage
Mais uma vez, o Hang Loose contará com uma estrutura voltada ao público jovem, com tendas com diversões, como pebolim e ping pong, slackline, além de várias gincanas educacionais e recreativas, também abertas ao púbico, com brindes durante todo o dia. “Na premiação, teremos aos primeiros colocados o novo modelo de relógio da Hang Loose Tide Watch, com tábua de maré, além de kit Hang Loose e Reef. Os segundos colocados ganham um bloco Rhyno Foam, além de kit Hang Loose e Reef. Os terceiros e quartos lugares terão kits Hang Loose e Reef”, anuncia Tom Toledo, do marketing da Hang Loose.

No ano passado, o Hang Loose consagrou atletas que já são considerados promessas para um futuro próximo. Na categoria júnior, Weslley Dantas, de Ubatuba, foi o campeão, mantendo sua sequência de conquistas (já levou títulos nas demais categorias, incluindo a mirim no ano anterior). Entre os mirins, Samuel Pupo, de São Sebastião, ergueu a taça, depois de uma disputa acirrada com Weslley Dantas. Entre os caçulas, o carioca Raphael Castro foi o único a garantir 100% de aproveitamento e como é de outro estado, o santista Yuri Beltrão foi declarado o campeão paulista. Na estreante, o também sebastianense Kauê Germano levou a melhor. O mesmo Kauê também ficou com o título paulista da iniciante, que teve como campeão geral, Mateus Herdy, de Santa Catarina. Por equipes, São Sebastião manteve a hegemonia (venceu as últimas oito etapas) para sagrar-se bicampeã, faturando o prêmio da Federação Paulista de Surf de R$ 2 mil para ajudar no custeio da equipe.

Por Fábio Maradei

10 de junho de 2015

Rony Gomes é o 4º melhor do mundo na MegaRampa

O brasileiro Rony Gomes esteve presente representando o skate na modalidade MegaRampa e terminou a competição bem perto do pódio, em quarto lugar. Rony passou para a bateria final depois de liderar as eliminatórias durante boa parte do tempo e terminar a fase em terceiro. As disputas aconteceram no Circuito das Américas, na cidade texana de Austin, nos Estados Unidos. A competição aconteceu na noite de quinta-feira (5) e teve a lenda do skate Bob Burnquist no lugar mais alto do pódio. Os americanos Elliot Sloan e Tom Schaar completaram o pódio em segundo e terceiro, respectivamente. O evento aconteceu entre os dias 4 e 7 de junho. 
Rony e Bob foram os únicos representantes brasileiros na final, que também teve o americano Jono Schwan, em quinto lugar. "Mais uma vez consegui chegar na final do X Games e isso me deixar muito feliz, mas vou continuar perseguindo essa medalha. Sei que minha hora vai chegar, o sonho não acabou. Tenho certeza que estou treinando as minhas linhas e quando acertar vou ser reconhecido", disse o brasileiro de 23 anos.

Das nove descidas que Rony fez na MegaRampa (quatro na eliminatória e cinco na final), duas foram completas, e garantiram duas notas 86 (sendo a máxima 100). O primeiro na eliminatória foi Tom Schaar, com 88 pontos. Bob Burnquist fez 93,33 na final. Além de Rony e Bob, representaram o Brasil os skatistas Ítalo Penarrubia (6º) e Edgard Pereira ´Vovô’ (7º).

Agora o campeão mundial Rony Gomes retorna ao Brasil onde vai focar o treinamento nas modalidades Vertical e Bowl, em seu complexo esportivo na cidade de Atibaia, no interior de São Paulo, aguardando a definição do calendário de competições nacionais no segundo semestre.

Por Fernanda Gonçalves

Pedro Nogueira quer vitória no Hang Loose

Em 2014, ele surpreendeu na etapa final no Hang Loose Surf Attack, em Ubatuba, vencendo na categoria mirim, justamente sobre os dois grandes nomes do Circuito, Samuel Pupo e Weslley Dantas, para garantir o importante quarto lugar no ranking. Isso com apenas dois anos de surf. De volta ao mesmo cenário, desta vez na abertura do campeonato, Pedro Nogueira aparece como um dos favoritos, querendo repetir a vitória. A competição na Praia de Itamambuca, no sábado e domingo (13 e 14), marca a sua estreia na categoria júnior e o surfista de Guarujá mostra confiança. “Espero altas ondas, que eu possa mostrar o meu surf e, se Deus quiser, continuar com o título desta etapa, com o desafio sendo maior, por ser na júnior. Adoro aquela onda, com direitas longas e esquerdas cavadas e rápidas”, afirma o surfista de 16 anos.
Pedro Nogueira / Foto Munir El Hage
Antes de aparecer como destaque nas ondas, Pedro Nogueira fez bonito em outro esporte radical, mas totalmente diferente e longe do mar. Chegou a aprender a surfar aos cinco anos, na Praia de Guaecá, mas aos sete seguiu os “passos” do pai, Umberto Nogueira, como piloto de motocross. “Cheguei a ficar entre os três melhores do Brasil na minha categoria, mas depois de um acidente em uma etapa, a minha família resolveu parar e voltar para o litoral e resolvi surfar para competir”, conta. A mudança foi em 2013, quando tinha 13 anos, sabendo que estava atrasado em relação aos rivais. “Por isso, sei que tenho que me esforçar mais para tentar recuperar o tempo perdido”, argumenta. “Estou feliz e acredito estar indo bem, pois alguns resultados mostram que estou no caminho certo. Comecei forte este ano. Fiz uma temporada de treinos na Costa Rica e participei do Pro-Júnior no Peru e na Argentina e, mesmo sendo uma categoria sub20, passei algumas baterias e sei que posso ir mais longe”, complementa Pedro.

No ano passado, ele “estourou” justamente na etapa de Ubatuba. Na final, enfrentou Samuel, Weslley e ainda Théo Fresia, vencendo para ser carregado nos ombros pelos amigos. “Foi meu grande momento até agora. Sair do mar carregado pelos meus amigos era uma imagem que sempre desejei, me emociono até hoje quando lembro. Surfei aquela final sem pressão e consegui achar as ondas e fazer o meu surf”, relata. Com o resultado, Pedro ganhou mais do que a etapa e o reconhecimento dos amigos. “Percebi que tenho condições de surfar com os melhores e conquistar mais vitórias”, diz Pedro, enaltecendo o apoio familiar para essa evolução. “Meus pais me dão toda a estrutura que preciso para desenvolver o meu surf, mas sem dúvida, a ajuda emocional é que faz toda a diferença”, explica.

Para o futuro, o surfista já tem planos para voar mais alto e como todo jovem no surf, o caminho será o Circuito Mundial QS, para tentar integrar a Geração Brazilian Storm. “Tenho viagem marca para a Califórnia em julho, que consegui graças ao Bolsa Atleta, da Prefeitura de Guarujá, para continuar a minha evolução”, revela o surfista, agradecendo seus apoios: “A Long Island, pranchas Akiwas, Liive Vision, Farking Equipamentos, F3 Studio e Fuwax”. As disputas serão transmitidas ao vivo pela internet, pelo site www.hangloose.com.br.

Por Fabio Maradei

Renan Faccini encara swell no RJ

Um dos maiores ícones da nova geração do bodyboard brasileiro, o atleta Renan Faccini tem trabalhado muito nos últimos meses para colocar em prática um antigo sonho. Free surfer, o atleta encarou um swell pesado no Rio de Janeiro e aproveitou para falar um pouco de sua trajetória no esporte, cenário do bodyboard no país, vida de free surfer e um ambicioso projeto que deve vir à tona no segundo semestre de 2015. Confira a entrevista:
Renan, o que você tem feito nesses últimos meses e quais são seus projetos para o ano de 2015?
Estou desde o começo do ano passado, junto com a produtora Toob Toobs, em um projeto que acredito passar a verdadeira identidade e o lado profissional do bodyboard. Tem sido difícil segurar todo esse material por tanto tempo. Minha vontade é anunciar logo, mas estamos em processo de finalização. Existe uma equipe enorme trabalhando neste projeto, então queremos que saia tudo o mais perfeito possível.

Você é um atleta free surf que consegue viver do bodyboard sem competir, como você vê isso? Acha que é possível ter uma carreira consolidada no esporte sem ser atleta de competição?
Tudo é possível quando você gosta muito do que faz. Eu já competi em vários eventos, já me dei bem competindo, mas chega um momento que você tem que escolher entre o free surf e a competição. É muito difícil você fazer os dois profissionalmente e se dar bem. Eu me dedico 100% para os filmes e para as revistas e isso tem funcionado melhor para mim.
Você é um dos ícones da sua geração. O que isso representa para você?
Isso representa um trabalho que tem sido feito ao longo dos anos e está se tornando real. Eu sempre quis viver e ser profissional de bodyboard. Já deixei muitas coisas de lado para viver do que eu gosto. Fico feliz em ser considerado um ícone do bodyboard. Quero incentivar o máximo de pessoas possível a conhecer o bodyboard, mostrar uma linha de onda e fluidez impecável.

Como você enxerga o atual cenário do esporte no país e no mundo? O que acha que pode ser melhorado?
O bodyboard no Brasil tem crescido muito. Na minha última viagem para o Rio de Janeiro foi incrível ver a quantidade de pessoas pegando onda de bodyboard. Acho que o que falta são marcas grandes apostarem no esporte. Temos um número muito maior do que vários esportes que atualmente têm mais exposição. Talvez a falta de informação e projetos viáveis seja o fator que pode atrapalhar um pouco. É um mercado enorme que está ali só esperando ser melhor explorado.Fora do pais também tem crescido demais, talvez por ter mais informação, mais eventos, mais filmes e mais entrevistas. Eu participei de uma produção em 2013 do filme mais esperado do ano, o Passing Through, que teve estreias na Austrália toda e Europa. São coisas assim que a gente precisa aqui no Brasil.
Quem são os grandes nomes do esporte na sua opinião, tanto no Brasil quanto lá fora!?
É difícil colocar aqui todos, têm muitos atletas bons hoje em dia, mas vou colocar o nome de três que estavam comigo gravando nas últimas semanas: David Barbosa, Gabriel Blanco e Filipe Malek. Esses caras estão surfando muito e estarão no projeto que venho trabalhando há anos com a produtora. No cenário de fora, Nick Gornal, Ben Player e Jase Finlay continuam elevando o nível também.

Como foi encarar esse swell pesado no Rio de Janeiro?
A viagem para o Rio foi muito boa. Tentei aproveitar o máximo do swell que entrou. Não foi muito de qualidade, mas deu para pegar altas na laje de Ipanema, rendeu um material muito bom. Não surfei o quanto queria, pois estava nos eventos de work shop da MCD, mas devo voltar para o Rio nas próximas semanas, e vou estar presente no mundial de Itacoatiara.

Por Danilo Caboclo / Imagens de água: Nani Jackson / Foto Diego Villamarin

Vai começar o De Lucca AST de Surf Amador 2015

Estão abertas as inscrições para o De Lucca AST de Surf Amador 2015, que conta com a apresentação da Juicy CO, e será realizado no final de semana de 13 e 14 de junho, na Prainha, em Torres. O evento é válido como segunda etapa da Copa Rio-grandense de Surf Amador, e terá 11 categorias em disputa, em busca de uma grande premiação.
Para se garantir na competição é preciso realizar a inscrição através de um depósito bancário para a Associação dos Surfistas de Torres (Banco do Brasil – Agencia 0778-1, conta corrente 15991-3) com os valores para cada uma das categorias que pretende disputar. Para competir na categoria Open a inscrição custa R$ 70,00 (setenta reais), na Iniciantes, Mirim, Júnior, Sênior, Máster, Feminino, Universitário, Longboard e Surdos, o custo é de R$ 60,00 (cinquenta reais). Com o objetivo de incentivar novos atletas, a AST não cobrará inscrições para a categoria Grommets. Após efetuar o depósito, é necessário enviar o comprovante identificado com o nome do com o nome do Surfista e a categoria desejada para o e-mail do Tour Manager da Liga Rio-grandense de Surf (LRS), Jéferson Rabassa, através do e-mail lab.rs2@daruma.com.br. Não haverá reservas de vagas, que são limitadas em todas as categorias.

Outras informações a respeito das inscrições, das baterias e do cronograma podem ser obtidas diretamente com Jéferson Rabassa, através do telefone 51 9968 5817. Todos os detalhes da competição podem ser conferidos também no site da AST (www.astsurf.com.br). A organização do evento está preparando duas grandes festas oficiais para que os atletas possam confraternizar e interagir com o público. Uma delas será na sexta-feira (12) produzida pelo El Cholo, enquanto a segunda será no sábado (13) na tradicional casa noturna Bora-Bora. Em breve teremos outras informações relativas as festas.

Por Gabriel de Mello

9 de junho de 2015

Itamambuca recebe os melhores surfistas da GSP

Os melhores surfistas da Grande São Paulo já tem dia e hora para se encontrarem para um final de semana com muito surf, e confraternização. Nos próximos dias 20 e 21 de junho, acontece a primeira etapa do tradicional circuito Surf Trip SP Contest na praia de Itamambuca, Ubatuba (SP), com disputa nas categorias Open, Master (1979), Grand Master (1969), Longboard, Júnior (até 18 anos), Feminino e Stand Up Paddle.
Pedro Oliveira, campeão Master / Foto Divulgação
O evento chega a sua 14ª edição, com desafio de crescer mais ainda e sem perder a identidadee. O circuito para moradores da capital e Grande São Paulo é revelador de talentos da região. As inscrições custam R$ 120,00 e devem ser pagas na conta corrente da Event Tools LTDA, CNPJ: 04.954.136/0001.91, Banco Bradesco, agência 2451 e conta 10336-5. Feito o depósito, envie o comprovante para eventtools@hotmail.com . Inscrições serão validadas e confirmadas após o pagamento. É imprescindível que o competidor também faça o cadastro no site www.spcontest.com.br

A parceria com a Surf Trip (pelo segundo ano consecutivo) rendeu uma premiação ainda mais recheada ao evento, reunindo as melhores marcas do mercado, tais como: Oakley, Quiksilver, Hang Loose, Reef, Rusty, Volcom, Hurley, Freesurf, Lost, New Era, além de Widex Travel e BHS. “É muito importante para o evento ter a Surf Trip como parceira, viabilizando a entrada das principais empresas de surf do Brasil e do mundo. Neste ano, também estreamos um novo formato com três etapas, valendo as duas melhores. O critério de desempate será o melhor resultado na última prova”, explica Dadá Nascimento, organizador e idealizador do circuito.

No ano passado, os campeões do ranking foram Gregório Mota (Open), Alex Miranda (Longboard), Freddy Jacob (Grand Master), Pedro Oliveira (Master), Thiago Meneses (Júnior), Roger Marques (SUP) e Luara Diamante (Feminino). Para obter mais informações acesse www.spcontest.com.br  .

O Surf Trip SP Contest tem patrocínio oficial da rede de lojas Surf Trip. Apoio: Oakley, Quiksilver, Hang Loose, Reef, Rusty, Volcom, Hurley, Freesurf, Lost, New Era, além de Widex Travel e BHS. Realização: Associação de Surf da Grande São Paulo, Federação Paulista de Surf, Associação Ubatuba de Surf, Prefeitura de Ubatuba por intermédio da Secretaria de Esportes.

Por Nancy Geringer



Bruno Fontes encara novo desafio na Inglaterra

Após semanas de intensas preparações e um grande intervalo entre a última competição, realizada no fim do mês de abril, na França, o velejador Bruno Fontes retorna aos eventos internacionais. A partir dessa quarta-feira, 10, acontece a etapa da Copa do Mundo de Vela em Weymouth & Portland, com presença dos principais velejadores do mundo da classe Laser. O local foi sede dos Jogos Olímpicos de 2012, em Londres, da qual Bruno participou como representante brasileiro na classe Laser. “É muito bom poder voltar a essa raia. Conheço bem o local e estou preparado para buscar um ótimo resultado”, explica o velejador.
Bruno Fontes encara mais um desafio na temporada / Foto: Berni 
Bruno vem de duas campanhas abaixo de sua média de resultados, mas após quase dois meses de intensa preparação espera voltar ao topo nas principais competições à nível mundial. “As etapas da Espanha e da França não foram muito boas para mim, mas quando se veleja no alto nível é de se esperar que isso aconteça uma hora. A gente trabalha para ser o melhor sempre e estou bem focado para esse evento. Fiz uma preparação muito boa e agora é hora de melhorar os resultados”, comenta Bruno Fontes.

A competição seguirá o mesmo formato da etapa de Hyères, na França. Serão oito regatas na fase de classificação, disputadas em quatro dias. Os dez melhores classificados avançam para a Medal Race, que será disputada no dia 14 de junho, domingo, valendo pontuação dobrada. O velejador Bruno Fontes tem os patrocínios da Unimed, CBVela, Marinha do Brasil, Governo do Estado do Paraná e AGE do Brasil e conta com o apoio do COB – Comitê Olímpico Brasileiro e Vita Essência.

Por Danilo Caboclo

Associações do Sul criam a LRS

As Associações dos Surfistas das praias de Torres (AST), de Arroio do Sal (ASAS), de Capão Novo (ASCN), Capão da Canoa (ASCC), Tramandaí (ASTRI), Pinhal (ASPI) e Associação Gaúcha de Árbitros (AGA), fundaram a Liga Rio-grandense de Surf (LRS), que nasce com a missão de promover, e desenvolver o Surf no estado. A LRS, que foi fundada em 15 de março de 2015, terá como presidente, representante de Torres, Carlos Augusto Gomes de Freitas, o CDV; o vice-presidente, representante de Pinhal, Fernando Paraguassú; o secretário, representando Capão da Canoa, Gustavo Bertotto; e o tesoureiro, representando Tramandaí, João D`avila. Esta associação realizará a Copa Rio-grandense de Surf Amador e também competições profissionais no Rio Grande do Sul. A LRS já solicitou sua filiação e reconhecimento junto a Confederação Brasileira de Surf (CBSurf), e a Associação Brasileira de Surf Profissional (ABRASP).
Segundo o presidente da LRS, Carlos Freitas, a Liga surgiu devido a necessidade de promover o apoio ao Surf. “Nosso estado precisa de união e ação para que o Surf cresça de verdade. Temos de aproveitar o momento em que os brasileiros estão obtendo excelentes resultados no cenário do surf mundial e desenvolver o esporte local. A LRS vem para somar esforços em prol deste objetivo, queremos que os surfistas possam contar com a realização de competições com julgamentos corretos, estrutura voltada aos atletas, e uma organização que quer o melhor para o surf”, comentou.

A primeira competição de surf de 2014, o Tramandaí Surf Festival, realizado em 24 e 25 de janeiro, já contabilizará para o ranking da Copa Gaúcha de Surf 2015. A próxima competição será realizada em 13 e 14 de junho na Prainha, em Torres. A equipe que auxiliará a Direção da Liga possui a experiência necessária para desenvolver o trabalho. O Tour Manager que atuará será Jéferson Rabassa, o Pica-pau. Já o Diretor Técnico, responsável pelos julgamentos, será o ex-surfista profissional, Marcel Miranda. O livro de regras já está pronto e estará à disposição em todas as competições.

Fonte  GDMC Comunicação 

8 de junho de 2015

A "dança" da Lycra Amarela no WSL

Com a segunda vitória do ano conquistada no Oi Rio Pro na superlotada Barra da Tijuca, Filipe Toledo agora briga fase a fase pela lycra amarela do Jeep Leaderboard, que Adriano de Souza tirou do australiano Mick Fanning com o título no Drug Aware Pro Margaret River na Austrália. Depois do inédito título mundial de Gabriel Medina no ano passado, os brasileiros continuam dominando o cenário, decidindo as quatro primeiras etapas da World Surf League em 2015. Filipe ganhou o Quiksilver Pro Gold Coast, Adriano só perdeu no desempate a final do Rip Curl Pro Bells Beach para Fanning, mas na sequência venceu a última prova da perna australiana nas grandes ondas de Margaret River.
Filipe Toledo, Rip Curl Bells Beach 2015 / Foto Kirstin WSL
Outros também se destacaram neste ótimo início de temporada da "seleção brasileira", que já começou com três disputando as semifinais na Gold Coast. O australiano Julian Wilson acabou impedindo uma inédita final verde-amarela no Quiksilver Pro ao derrotar Miguel Pupo na primeira semifinal e Filipe Toledo ganhou a outra vaga no duelo brasileiro com Adriano de Souza. Até as novidades do Brasil na elite dos top-34 estrearam bem nas direitas de Snapper Rocks, com Wiggolly Dantas ficando em quinto lugar nas quartas de final e Italo Ferreira em nono na fase anterior.

O campeão mundial Gabriel Medina defendia o título do Quiksilver Pro Gold Coast, mas perdeu a lycra amarela de número 1 do ranking com a derrota prematura para o irlandês Glenn Hall na terceira fase. Em Bells Beach ele reagiu e despachou Kelly Slater na briga por vaga para as quartas de final, quando foi barrado por Adriano de Souza em mais uma bateria verde-amarela na Austrália. Filipe Toledo também ficou em quinto lugar nesta fase, sendo batido pelo norte-americano Nat Young. A sua liderança no ranking foi decidida na grande final do Rip Curl Pro Bells Beach, que terminou empatada. A definição ficou para a maior nota e Mick Fanning acabou levando a melhor sobre Adriano de Souza.

Adriano de Souza com a lycra amarela no Oi Rio Pro 2015 / Foto João Mattos
Nas grandes ondas de "power" havaiano de Margaret River, só Mineirinho passou pela terceira fase e carregou a bandeira brasileira até o alto do pódio do Drug Aware Pro. Mick Fanning também ficou na terceira fase e Adriano garantiu a ponta do ranking quando passou por Kelly Slater nas quartas de final. Depois, ele ganhou uma disputa bem mais acirrada contra o local de M-River, Taj Burrow, seguindo confiante para bater a fera havaiana John John Florence na decisão do título do último desafio da "perna australiana".

No Brasil, foi a vez de Adriano de Souza ser surpreendido na terceira fase pelo neozelandês Ricardo Christie, no entanto a lycra amarela do Jeep Leaderboard foi mantida quando Mick Fanning perdeu o duelo australiano para Owen Wright na quinta fase. Nas ondas do Postinho da Barra da Tijuca, quem brilhou foi Filipe Toledo com seus aéreos nota 10, como o que acertou em sua primeira onda na final contra o australiano Bede Durbidge. Os brasileiros acabaram se enfrentando nas fases decisivas. Italo Ferreira ganhou o duelo potiguar com Jadson André nas quartas de final e depois foi batido por Filipe Toledo em sua primeira semifinal na divisão de elite da World Surf League.
Gabriel Medina (SP) / Foto Kirstin Scholtz / WSL
Com o terceiro lugar no Rio de Janeiro, Italo Ferreira passou a ser o terceiro brasileiro mais bem colocado no ranking, abaixo apenas dos líderes Adriano de Souza e Filipe Toledo, mas à frente de campeões mundiais como Gabriel Medina, Kelly Slater, Joel Parkinson e C. J. Hobgood, que ainda não conseguiu vencer nenhuma bateria nas quatro etapas da temporada. Ialo divide o 11.o lugar com o australiano Matt Wilkinson, depois tem Jadson André em 14.o, Miguel Pupo em 17.o, Gabriel Medina em 19.o e Wiggolly Dantas na 22.a e última posição no grupo dos top-22 que serão mantidos na elite dos top-34 para o ano que vem.

Por João Carvalho

Fiji Pro só deve começar no fim de semana

O prazo do Fiji Pro começou no domingo, mas o início do quinto desafio do World Surf League Championship Tour é adiado para aguardar a entrada de um novo swell na ilha de Tavarua que pelas previsões só deve chegar no próximo fim de semana. Porém, a rotina diária continua com a comissão técnica se reunindo para analisar as condições do mar e anunciar a decisão na primeira chamada do dia, às 7h, da terça-feira, nas Ilhas Fiji, às 16h, da segunda-feira, pelo fuso horário de Brasília.
Foto Steve Robertson/WSL
Esta etapa acontece com o Brasil vivendo o seu melhor momento na história do esporte das ondas, com Adriano de Souza e Filipe Toledo liderando a corrida do título e o campeão mundial Gabriel Medina defendendo o título do Fiji Pro conquistado nos tubos de Cloudbreak no ano passado.

Dos sete integrantes da "seleção brasileira", Wiggolly Dantas será o primeiro a competir no Fiji Pro, na terceira bateria contra os australianos Josh Kerr e Jay Davies. O vice-líder Filipe Toledo estreia na disputa seguinte, contra o australiano Adrian Buchan e o convidado desta etapa, o norte-americano Dane Reynolds. Depois tem Adriano de Souza com a lycra amarela do Jeep Leaderboard contra o australiano Kai Otton e o fijiano Inia Nakalevu na sexta bateria. E na sétima, Gabriel Medina faz a sua primeira defesa do título do Fiji Pro contra o francês Jeremy Flores e o norte-americano C. J. Hobgood. Os outros três brasileiros da elite vão disputar as últimas vagas diretas para a terceira fase.

Miguel Pupo foi escalado na nona bateria com o norte-americano Nat Young, vice-campeão na final contra Gabriel Medina em Fiji no ano passado, e o irlandês Glenn Hall. Jadson André entra na seguinte com os australianos Julian Wilson e Adam Melling. E Italo Ferreira na última com o campeão mundial Joel Parkinson e o havaiano Fredrick Patacchia. Além de fechar a primeira fase, o Brasil também vai abrir o Fiji Pro com Alejo Muniz enfrentando os norte-americanos Kelly Slater e Kolohe Andino na primeira bateria. O catarinense é um dos substitutos dos quatro ausentes nesta etapa por contusões, o havaiano John John Florence, o sul-africano Jordy Smith, o taitiano Michel Bourez e o norte-americano Brett Simpson. O Fiji Pro será transmitido ao vivo pelo www.worldsurfleague.com .

Fonte WSL

Sally Fitzgibbons é bicampeã no Fiji Women´s Pro

A australiana Sally Fitzgibbons, 24 anos, conquistou o bicampeonato no Fiji Women´s Pro e entrou na briga pelo título mundial do World Surf League Championship Tour. Sally atacou as esquerdas de 6-10 pés em Cloudbreak na última quinta-feira (4), com manobras potentes de backside para derrotar a sul-africana Bianca Buitendag, 21 anos, que também foi vice-campeã no Oi Rio Pro, com duas notas na casa dos 9 pontos. A havaiana Carissa Moore, 22, continua em primeiro no Jeep Leaderboard, mas a disputa na próxima etapa será fase a fase com a norte-americana Courtney Conlogue, 22, e Fitzgibbons passa a ter chance matemática de liderar o ranking com outra vitória em Huntington Beach, de 27 de julho a 2 de agosto na Califórnia, Estados Unidos.
Pódio / Foto Kirstin Scholtz / WSL
Para competir com um tímpano estourado nas séries pesadas de 6-8 pés em Cloudbreak, Fitzgibbons procurou escolher bem as ondas e manobrar forte porque não tinham muitos tubos. Em sua quarta tentativa na bateria final, a esquerda abriu a parede para mandar uma série de três manobras explosivas de backside e ganhar nota 9,23. Bianca Buitendag reagiu com 6,90 e 7,50 em duas ondas seguidas, mas a australiana pegou outra onda boa para repetir o ataque de três manobras fortes com pressão e velocidade para receber 9,33 que selou a vitória por 18,56 a 14,40 pontos.

O Fiji Pro será transmitido ao vivo pelo www.worldsurfleague.com e pela Fox Sports para a Austrália, com coberturas especiais também pelo MCS Extreme na França, EDGE Sports na China, Coréia do Sul, Malásia e outros territórios, com a TV Globo sendo a nova parceira da World Surf League no Brasil.

Por João Carvalho

Gabriel O Pensador, Makua Rothman e Samuel J no Festivalma

O Festival Quiksilver de Música traz para a edição de 2015 importantes nomes do cenário como o havaiano Makua Rothman, o cantor, compositor e produtor inglês Samuel J e como atração nacional, Gabriel O Pensador. Os três músicos - todos surfistas, farão um verdadeiro laboratório musical no dia 11 de junho no Parque do Ibirapuera (São Paulo) e no dia 13 de junho no Parque Mário Santini (Santos).
Makua Rothman
O Hawaiian Reggae de Makua, com a musicalidade européia de Samuel e o rap rock de Gabriel, farão história no palco do Festival Quiksilver de Música, agitando e compartilhando boas vibrações com o público presente. O Festivalma XI Novas Conexões é uma realização do Ministério da Cultura e da Almasurf. Tem apresentação da Netshoes e patrocínio Quiksilver, New Era, Mormaii, Bic, Lorenzetti, Almap BBDO e Yogini. Captação e co-produção da Infinito Cultural.

Makua Rothman: Além de seu talento para surfar ondas gigantes, o havaiano Makua Rothman também sabe fazer música. Com total domínio sobre o ukulele, o Campeão Mundial de Ondas Grandes de 2015 transmite a energia da praia com suas canções. "Sound Wave" é o mais recente disco gravado pelo big rider.
Gabriel O Pensador
Samuel J Músico: Compositor e produtor, Samuel J mistura o som tranquilo do violão com as batidas do hip-hop, do eletrônico, com a pegada do folk, do soul music. O artista britânico acredita na força da música para unir e conectar pessoas. "Colourful Vibration" é um dos álbuns de destaque de Samuel, que já tocou com Ben Harper, Jack Johnson, Marcelo D2, Gabriel O Pensador, entre outros. Confira o site do músico: www.samueljmusic.com

Gabriel O Pensador: Afiado nas rimas e surfista de alma, Gabriel O Pensador conquistou seu espaço com letras criativas e, ao mesmo tempo, críticas. O carioca surgiu no cenário musical, no início dos anos 90, quando lançou a música "Tô feliz (matei o presidente)". Ao todo são sete álbuns gravados em estúdios, destaque para "Quebra-Cabeça", que vendeu cerca de 1,5 milhão de cópias. Confira o site do músico: www.gabrielopensador.com.br
Samuel J
Serviço:
Festival Quiksilver de Música - Festivalma XI
Data e local: 11 de junho no Parque do Ibirapuera, em São Paulo;
13 de junho no Parque Roberto Mário Santini, em Santos.
Entrada gratuita
www.festivalma.com.br

Por Daniela Vinci

Skatista Mikey Taylor assina linha de tênis

Em parceria com o skatista profissional Mikey Taylor, a DC Shoes apresenta mais um tênis para os amantes do skate, o Mikey Taylor 2 - "MT2". O lançamento continua com a silhueta simples e elegante da edição anterior. A novidade fica por conta dos novos materiais e tecnologias empregadas, que fazem do calçado um dos modelos mais tecnológicos e progressivos no mercado.
O MT2 possui estabilizador de calcanhar para diminuir o risco de torção do tornozelo, palmilha com a tecnologia Unilite™ para maior conforto e proteção contra impacto, além do Super Suede™, aumentando em até 50% a vida útil devido ao atrito da lixa do board com o calçado ao executar as manobras. Design inovador, conforto e durabilidade encontrados em um único tênis.
O novo modelo "MT2" estará disponível nas cores cinza/verde a partir do mês de junho, nas melhores skate shops do Brasil. Aperte o play e assista a vídeo parte do Mikey Taylor com o novo DC Shoes MT2.

Por Daniela Vinci

Campeonato Brasileiro de Wake Park 2015

Um dos eventos de esportes radicais mais aguardados do Brasil, o Campeonato Brasileiro de Wake Park 2015, será garantia de adrenalina para o público. O evento com etapa única está marcado para o dia 27 de junho no Naga Cable Park, em Jaguariúna. Os melhores atletas de Wakeboard do Brasil estarão presentes para disputar o título de Campeão Brasileiro de Wake Park, e tudo com transmissão ao vivo para web. A competição homologada pela ABW – Associação Brasileira de Wakeboard será disputada pelas categorias: Profissional, Open, Avançado, Intermediário, Iniciante, Wakeskate Pro, Feminino Open e Feminino Amador. Entre os atletas confirmados estão: Pedrinho Caldas (Doca), Marcelo Guiardi (Marreco), Luciano Rondi, (Deco), Eduardo Martins (Jovem), Felipe Miyamoto e Bruno Ulott (Justin).
O Naga Cable Park é famoso por viabilizar manobras radicais incríveis em obstáculos, é como se fosse uma pista de skate na água. Cada atleta dará uma volta completa no lago principal, passando em até 6 dos 12 obstáculos disponíveis, definindo assim a sua linha. A competição e as notas serão transmitidas ao vivo por telões no local e pela internet. “Finalmente organizamos um evento em que a transmissão ao vivo será dinâmica, com câmeras de corte e ação nos intervalos. Além disso, shows de bandas locais, entrega de prêmio “Wake Brasil Video Contest”, estandes de empresas do setor e estrutura extra para público farão o dia 27 ser especial para todo mundo que participar” conta Igor Boito, diretor do evento.

O evento ainda terá shows das bandas Delight Inn e Valquiria para fechar o dia. Além de outras atrações visando a interação do público. Os sistemas de duas torres estarão  abertos pra quem quiser praticar o esporte e os visitantes poderão visitar estandes com vendas de produtos com descontos especiais para o evento (até 20% off) das marcas: Bolovo, Vibeboard e Brasil Inline.

Serviço
Data: 27 de junho (sábado)
Horário: 10h00 às 22h00
Local: Naga Cable Park
Endereço: Avenida Pacífico Moneda, 349 – Guedes
Jaguariúna – SP (100 km da capital)
Entrada: R$ 30,00 (crianças de até 7 anos não pagam; todo menor de idade deve estar acompanhado por um responsável)

Por Alline Juscelino

Robertinho e Kauê a postos para o Hang Loose Surf Attack

Roberto Alves, o "Robertinho", local de Santos, e Kauê Alohinha, da Praia Grande, estão motivados e ansiosos para a disputa do Hang Loose Surf Attack 2015, que inicia nos próximos dias 13 e 14, na praia de Itamambuca, em Ubatuba. O campeonato é uma vitrine para o circuito paulista das categorias de base, e também teve sua importância na vida dos surfistas Adriano de Souza, Filipe Toledo, e Gabriel Medina, que fez história ao ser o primeiro brasileiro campeão mundial.
Robertinho Alves treina forte para o Hang Loose Surf Attack 2015
Já o sonho dos novos surfistas em alcançar um lugar ao sol não para. Kauê, no último final de semana, participou do Campeonato Salva Surf, na Praia dos Pescadores, em Itanhaém. Foi barrado na Sub12, e na categoria sub 10, fechou com a 3ª colocação. Robertinho já foi o campeão na sub 10, e ficou com o 4º lugar na sub 12. "Estou dando o meu máximo nos treinos diários para ter uma boa colocação no Hang Loose, este campeonato é muito importante", disse Robertinho. Já Kauê, que também se prepara nas ondas da Praia Grande, não vê a hora de chegar o final de semana. "A vontade de estar na água é mais forte que tudo na minha vida. Estou ansioso para esta competição", finaliza Alohinha. Desde a sua criação, em 1988, o O Hang Loose Surf Attack  nunca parou. Começou com as categorias júnior e mirim, e hoje abrange outras categorias.

Em 2014 o Hang Loose Surf Attack destacou Weslley Dantas (Ubatuba), na categoria Júnior; Samuel Pupo (São Sebastião), na Mirim; Mateus Herdy (SC), na Iniciante; Kauê Germano (São Sebastião), na Estreante. Na Petit deu Raphael Castro (RJ) e na disputa por cidades São Sebatião se deu bem. Nos primeiros quatro meses de 2015 o surfista de apenas 9 anos, Roberto Alves, local de Santos/SP, já subiu cinco vezes em pódios. Foi 1º no Surf Treino Lugar ao Sol, e 1º no festival Lendas do Surfe 2015, que ocorreram na Praia do Tombo, no Guarujá. No Municipal de Itanhaém foi 1º na categoria Petit, e 2º na Estreante. Na primeira etapa do Municipal da Praia Grande ficou em 2º lugar na categoria estreante. Robertinho conta com o apoio da Innerwaves, Brazilian Crest Surf.co., Shaper Éder Oliveira e Kalawa.
Kauê Alohinha em mais um dia de treino
Kauê é local da Praia Grande, e mesmo com a pouca idade já acumula o 3° lugar no Praia Grande Assereco; no Mongaguá Pier terminou na 4ª posição. No Salva Surf II, em Itanhaém, ficou novamente na 4ª posição. Já no Salva Surf III terminou em 3º lugar. Conquistou a 2ª posição no Vicentino de Surf e recentemente terminou em 2º lugar no CT Lugar ao Sol Surf Treino, na Praia do Tombo. Alohinha conta com o apoio do Jornal Gazeta do Litoral e da Innerwaves.

As disputas estão entre a júnior (até 18 anos), mirim (limite de 16 anos), iniciante (no máximo 14 anos), estreante (12 anos para baixo) e petit (sub10), o Hang Loose Surf Attack terá quatro etapas. Em Ubatuba, será na praia de Itamambuca. Nos dias 4 e 5 de julho será a vez do Quebra-Mar, em Santos. A terceira etapa está marcada para os dias 8 e 9 de agosto, na Praia do Tombo, em Guarujá, e a grande final nos dias 24 e 25 de outubro, na Praia da Baleia, em São Sebastião.

Redação InnerSport

7 de junho de 2015

Igor Amorelli mira o Ironman no Havaí

Primeiro brasileiro a vencer o Ironman Florianópolis, no ano passado. No último final de semana, o triatleta catarinense marcou 7h59min36seg, tornando-se o primeiro atleta do Brasil a completar os 3.8m de natação, 180.2km de bicicleta e 42.1km de corrida abaixo de oito horas. A marca garantiu o quarto lugar na prova e pontos importantes no ranking, que praticamente selaram sua ida para o Mundial de Ironman, em Kona, no Havaí. O Mundial de Ironman acontece no mês de outubro.
Igor Amorelli voltou a gravar seu nome na história do esporte.
O feito de Igor o coloca em um rol de atletas muito seleto. Desde que passou a ser disputado, apenas 28 atletas conseguiram completar a distância do Ironman em menos de 8 horas, sendo que no ano de 2015, apenas quatro conseguiram superar a marca, todos em Florianópolis. Amorelli foi o primeiro sul-americano a quebrar a barreira das oito horas. O ano do catarinense tem sido muito consistente. Campeão do Ironman 70.3 de San Juan, Igor conquistou ainda dois importantes resultados. Melhor brasileiro nas etapas de Latino-Americano, tanto no 70.3, disputado em Brasília, quanto no Ironman de Florianópolis, ambos chegando na quarta posição geral, o triatleta mostra que está no caminho certo, competindo de igual para igual com os melhores do mundo na modalidade.

As competições em solo brasileiro foram as mais fortes da história desde que o circuito Ironman veio para o país. Por ter status de campeonato regional, as provas contaram com pontuação e premiação dobrada, o que atraiu atletas de alto nível para Brasília e Florianópolis. Apesar de não estar com o calendário fechado, Igor Amorelli já tem uma ideia do que vem pela frente. Após o Ironman de Florianópolis o triatleta retorna a Balneário Camboriú para seguir sua preparação e também para planejar os próximos passos rumo ao Havaí. “Com a pontuação conquistada em Florianópolis a vaga está praticamente garantida, então agora dá para planejar tudo mais certo. Devemos fazer mais umas provas de 70.3, talvez umas quatro, e quem sabe mais um Ironman completo. O foco está todo no Havaí. Queremos chegar lá no melhor da forma para melhorar os resultados dos anos anteriores”, projeta.

Por Danilo Caboclo