10 de dezembro de 2014

Brasil conquista pódios no mundial de Longboard 2014

A decisão masculina valia o segundo título mundial para os finalistas e o carioca Phil Rajzman chegou bem perto de repetir sua conquista de 2007, mas foi o campeão de 2009, Harley Ingleby, quem festejou a vitória nas boas ondas de 3-4 pés nas esquerdas de Riyue Bay. O Brasil novamente foi bicampeão como no ano passado, quando Rodrigo Sphaier perdeu a final sul-americana para o peruano Piccolo Clemente. A carioca Chloe Calmon também representou bem o país com o terceiro lugar nas semifinais, sem conseguir impedir uma quarta decisão consecutiva entre a bicampeã Kelia Moniz e Chelsea Williams na China. Desta vez, a australiana derrotou a havaiana para comemorar o seu primeiro caneco de campeã mundial de Longboard profissional.
Pódio Masculino: Phil Rajzman (BR) e Harley Ingleby (AUS)
Phil Rajzman começou o dia vencendo por pouco uma disputa acirrada contra o australiano Jared Neal pela última vaga nas quartas de final. O placar foi encerrado em 16,75 a 16,20 pontos. Depois também teve que mostrar toda a sua habilidade na execução das manobras mais clássicas do longboard, como o hang five e o hang ten, surfando a onda com um pé ou os dois pés, respectivamente, no bico do pranchão. O francês Antoine Delpero chegou a tirar a única nota 10 na apresentação mais perfeita nas ondas de Riyue Bay, mas Phil Rajzman foi melhor nas duas computadas para vencer por 17,50 a 16,00 pontos.

Nas semifinais, o carioca surfou muito bem de novo para não dar qualquer chance para o norte-americano Justin Quintal, ganhando por uma larga vantagem de 15,50 a 9,50 pontos. Já na bateria que decidiu o título mundial, o brasileiro só achou uma onda boa que valeu nota 7,75 e acabou somando 4,40 no resultado. O australiano Harley Ingleby teve mais sorte na escolha e faturou o prêmio de 10 mil dólares da vitória no Go Pro World Longboard Championship com notas 8,35 e 6,85 no placar encerrado em 15,20 a 12,15 pontos. Phil Rajzman ficou com 4 mil dólares pelo vice-campeonato na China.
Phil Rajzman (BR)
Os dois melhores brasileiros no Go Pro World Longboard Championship passaram o ano viajando para surfar em vários países, com a aventura sendo filmada para uma série de programas de longboard. O resultado dos treinamentos que acabaram fazendo juntos já apareceu agora na China, com o vice-campeonato mundial de Phil Rajzman e o terceiro lugar da também carioca Chloe Calmon contra as duas competidoras que vem decidindo os títulos mundiais nos últimos anos. As performances de Phil Rajzman foram elogiadas até pelo novo bicampeão mundial Harley Ingleby.

Alívio mesmo quem sentiu foi a australiana Chelsea Williams, que finalmente conseguiu ganhar uma decisão de título mundial contra a havaiana Kelia Moniz nas ondas de Riyue Bay, em Wanning, na Ilha Hainan. E a vitória foi sofrida, definida por menos de meio ponto de diferença no placar encerrado em 16,90 a 16,70 pontos. O título valeu o mesmo prêmio da categoria masculina, com a campeã faturando 10 mil dólares e a vice ficando com 4 mil dólares. O mais impressionante é que só as duas decidiram o título feminino nas quatro edições do Mundial de Longboard da China completadas esse ano.
Pódio Feminino:  Chelsea Williams (AUS) e Kelia Moniz (HW)
A única vitória da australiana na China tinha sido em 2011, mas a etapa fazia parte de um circuito e a campeã mundial daquele ano foi a norte-americana Lindsay Steinriede, que ela derrotou nas semifinais com o maior placar do último dia da competição feminina encerrada na terça-feira, 18,35 pontos. Já em 2012 e 2013, Kelia Moniz festejou o título mundial com vitórias sobre Chelsea Williams na Ilha Hainan. O último triunfo da havaiana esse ano foi contra a brasileira Chloe Calmon na semifinal vencida por 17,75 a 15,10 pontos. A carioca já havia despachado uma campeã mundial, a norte-americana Jennifer Smith, na abertura das quartas de final e terminou num excelente terceiro lugar no ranking mundial de 2014.

Além de Chloe Calmon, que faturou 2.000 dólares de prêmio pelo terceiro lugar, mais três brasileiras representaram a América do Sul no Go Pro World Longboard Championship 2014 na China. A pernambucana Atalanta Batista, tricampeã brasileira que conquistou o título sul-americano da ASP South America esse ano, e a catarinense Karina Abras, venceram uma bateria na China e ficaram em 13.o lugar na terceira fase, com cada uma recebendo 1.000 dólares. Já a carioca Cristiana Pires não ganhou nenhuma e terminou em 25.o lugar com 750 dólares pela participação.
Chloe Calmon (RJ)
Já o time sul-americano masculino foi composto por cinco competidores, o peruano Piccolo Clemente que defendia o título mundial e os brasileiros Rodrigo Sphaier, vice-campeão na final sul-americana do ano passado, Phil Rajzman, Jefson Silva e Halley Batista. Dos cinco, o único que não venceu nenhuma bateria foi o irmão mais velho de Atalanta Batista, que ficou em 25.o lugar com 750 dólares. Já Piccolo Clemente, Rodrigo Sphaier e Jefson Silva perderam em 13.o lugar na terceira fase e ganharam 1.000 dólares, mas Phil Rajzman levou o Brasil e a América do Sul para mais uma decisão de título mundial de longboard na China.

Por João Carvalho / Fotos Hayden-Smith / ASP

Nenhum comentário:

Postar um comentário