6 de novembro de 2014

Filipe Toledo surpeende e recebe um 10 em Maresias

O paulista Filipe Toledo arrancou a primeira nota 10 do O´Neill SP Prime em um aéreo full rotation perfeito de backside. Ele ainda trocou uma nota 9,63 pela 9,33 da sua primeira onda para se tornar o recordista absoluto com 19,63 pontos de 20 possíveis. Além dele, o potiguar Italo Ferreira também já passou direto para as oitavas de final e mais sete brasileiros ainda podem se classificar na repescagem que ficou para abrir a sexta-feira, inclusive o número 1 do mundo, Gabriel Medina. Dependendo das previsões das ondas para o domingo na Praia de Maresias, a etapa do ASP Prime pode ser encerrada no sábado em São Sebastião. "Estou amarradão, fazia tempo que eu não surfava uma bateria assim, descartando notas altas", disse Filipe Toledo, que descreveu o aéreo que arrancou a primeira nota 10 unânime do O´Neill SP Prime.
Filipe Toledo arrancou o primeiro 10 no O´Neill SP Prime com um aéreo full rotation
Filipe Toledo já havia brilhado na terça-feira, quando conseguiu a maior nota - 9,93 - do O´Neill SP Prime com um aéreo 360 full rotation de frontside e o primeiro dez do campeonato foi num voo de backside nas esquerdas de Maresias, rodando de costas para a onda. Ele ainda repetiu a nota 9,93 no último confronto do dia, quando ganhou a última vaga direta para as oitavas de final utilizando outra modalidade do seu arsenal de aéreos, um "kerrupt flip" que tirou 10 de três dos cinco juízes, com dois achando que não valia nota máxima. Nesta bateria, o cearense Heitor Alves e o australiano Jack Freestone foram mandados para a repescagem com uma "combination" de 19,00 pontos, segundo maior placar do dia e do campeonato.

O recorde de 19,63 pontos Filipe Toledo registrou no último confronto formado por quatro competidores, com o italiano Leonardo Fioravanti ganhando a briga pelo segundo lugar na bateria do brasileiro Jessé Mendes e do argentino Santiago Muniz. Jessé foi o quarto surfista que defendia posição na lista dos dez indicados pelo ASP Qualification Series para o WCT do ano que vem a ser eliminado nas baterias restantes da segunda fase que abriram a quinta-feira na Praia de Maresias.
Filipe Toledo voando alto em Maresias
O paulista permanece em décimo no ranking que está garantindo até o 13º colocado, Ricardo Christie, neozelandês que foi o primeiro a cair, sendo barrado pelo paulista Caio Ibelli e o australiano Nathan Hedge no segundo confronto do dia. Depois, o sétimo Tomas Hermes cometeu interferência e ficou em último na bateria que classificou outros dois brasileiros para a primeira batalha por vagas nas oitavas de final do O´Neill SP Prime, o paulista David do Carmo e o cearense Heitor Alves. Também em último terminou o representante da ilha Guadalupe, Charles Martin, sendo superado pelo costa-ricense Noe Mar McGonagle e o australiano Jack Freestone.

A única mudança de nomes no G-10 com os resultados da sexta-feira em São Sebastião foi o francês Joan Duru, quando ganhou a disputa pela quarta vaga direta para as oitavas de final surfando ótimas ondas contra os australianos Julian Wilson e Brent Dorrington. Com os 2.400 pontos que já garantiu no ranking, Duru saltou da 19ª para a 11ª posição no ranking, ultrapassando Charles Martin e o neozelandês Ricardo Christie, que continua fechando a lista dos dez que estão se classificando para completar a elite dos top-34 que vai disputar o título mundial no ano que vem.
Ítalo Ferreira
A vitória do francês aconteceu logo após o confronto verde-amarelo da primeira rodada classificatória para as oitavas de final. A praia lotou de novo para assistir o número 1 do mundo competindo em sua casa, mas Gabriel Medina acabou cometendo uma interferência no pernambucano Ian Gouveia e ficou fora da briga. Ele chegou até a sair antes da bateria terminar, quando o potiguar Italo Ferreira ultrapassou os 14 pontos nas duas ondas computadas. Medina só somaria uma nota com a penalidade da interferência e o máximo que conseguiria seria uma nota 10. Ele ainda fez um belo aéreo que valeu 8,5, a maior da bateria vencida por Italo Ferreira na segunda vitória do potiguar sobre Medina em Maresias.

"Estou muito feliz por avançar mais um rounde e a bateria foi boa. O Gabriel (Medina) cometeu um erro ali, mas isso acontece. Eu consegui pegar as ondas certas e surfar bem para vencer mais uma e agora vamos com tudo para as oitavas de final", disse Italo Ferreira, que já aparece em quinto lugar no ranking do ASP Qualification Series, podendo confirmar sua vaga no WCT por antecipação no O´Neill SP Prime. "Eu procuro não ficar pensando muito nisso. Acho que pode atrapalhar a concentração ficar pensando em pontos, pontos e pontos. Agora no momento só quer passar baterias, uma a uma, avançar fase a fase e que seja feita a vontade de Deus".
Joan Duru (FRA)
Gabriel Medina também falou sobre a marcação da interferência: "Eu fui na onda, achei que ele (Ian Gouveia) não ia entrar, aí eu pulei da prancha. Já fiz isso várias vezes no WCT e não marcaram interferência, mas acontece, é da competição. Eu poderia ter ganho essa bateria se não fosse isso, mas vamos pra próxima que vai começar do zero", disse Medina, que comentou sobre os destaques do dia também. "As ondas estavam boas e com certeza o Filipinho (Toledo) puxou o ritmo. É legal ver os moleques arrebentando, eu também sou moleque, mas o Filipe quebrou. Eu estava surfando ali do lado, vi ele tirar aquela nota 10 e um 9 e pouco, vi os dois aéreos e foram irados mesmo. O Italo (Ferreira) também está quebrando, está num momento bom, tentando a vaga para o WCT e me venceu de novo, mas poderemos nos encontrar de novo mais pra frente".

Mesmo perdendo, Medina ainda está vivo na disputa do título do O´Neill SP Prime, que vale um prêmio de 40 mil dólares e decisivos 6.500 pontos na corrida pelas últimas vagas no G-10 do QS para o WCT 2015, porque esta terceira fase da competição não era eliminatória. Os vencedores das baterias passaram direto para as oitavas de final, mas os perdedores têm uma segunda chance de classificação na repescagem, que ficou para abrir a sexta-feira em São Sebastião. Gabriel Medina agora fará um duelo de tops do WCT contra o australiano Julian Wilson no quarto confronto do dia. Quem passar, enfrentará o francês Joan Duru na quarta oitava de final.
Noe Mar McGonagle (CRI)
Três australianos já garantiram passagem direta para as oitavas de final na primeira rodada classificatória, o top do WCT Matt Wilkinson, a surpresa Garrett Parkes e Matt Banting, que está na briga pela liderança do ranking do potiguar Jadson André, junto com os brasileiros Filipe Toledo e Wiggolly Dantas. O Brasil conquistou duas vagas com Filipe Toledo e Italo Ferreira, mesmo número da surpreendente Costa Rica com mais uma ótima participação dos seus dois únicos representantes no O´Neill SP Prime, Carlos Munoz e Noe Mar McGonagle. O francês Joan Duru completa a lista dos oito surfistas que já estão entre os dezesseis finalistas da última etapa do ASP World Prime de 6.500 pontos antes do encerramento da temporada na Tríplice Coroa Havaiana.

"Este campeonato é incrível, uma estrutura que nunca vi em outros eventos, as ondas são perfeitas, muito parecidas com as da Playa Hermosa, lugar onde eu vivo na Costa Rica, boas para tubos e aéreos, com as montanhas atrás, água quente, então estou muito feliz por já ter passado para as oitavas de final", disse Carlos Munoz, após derrotar o brasileiro Caio Ibelli e o havaiano Keanu Asing, que defende a nona posição no G-10 do ASP Qualification Series, enquanto o costa-ricense já saltou do 42.o para o 29.o lugar no ranking com a classificação para as oitavas de final.
Carlos Muñoz (CRI)
O seu compatriota, Noe Mar McGonagle, está mais abaixo aparecendo em 49.o lugar, mas chegou no O´Neill SP Prime em 81.o, subindo mais de trinta posições com a vitória sobre o brasileiro David do Carmo e o italiano Leonardo Fioravanti no penúltimo confronto da quinta-feira de ótimas ondas na Praia de Maresias. "Este é o primeiro evento com nível Prime que eu participo e nunca somei tantos pontos no ranking, então estou muito feliz pelo meu desempenho aqui. Eu sou de Pavones, um point break de esquerdas no sul da Costa Rica e aqui é muito diferente da minha casa, mas estou tentando me adaptar às condições do mar. Achei Maresias um lugar irado, altas ondas, pessoas muito amigáveis e estou curtindo bastante".

Por João Carvalho / Fotos Daniel Smorigo/ASP

Nenhum comentário:

Postar um comentário