25 de agosto de 2014

Gabriel Medina domina os tubos de Teahupoo

O brasileiro Gabriel Medina deu mais um show em Teahupoo nos tubos de 6-10 pés no último domingo (24) e segue firme na liderança da corrida pelo título mundial do ASP World Championship Tour 2014. Ele aumentou para 18,80 pontos o recorde do Billabong Pro Tahiti contra o australiano Nathan Hedge e na bateria seguinte o vice-líder Joel Parkinson acabou eliminado por um dos últimos colocados do ranking, o norte-americano Brett Simpson. Medina agora tem duas chances para alcançar as quartas de final no Taiti e a primeira será contra o californiano Kolohe Andino e o australiano Bede Durbidge no segundo confronto desta segunda-feira, que promete ser mais um dia de ondas fantásticas na bancada de corais mais perigosa do mundo.
Gabriel Medina
Gabriel Medina já provou sua qualidade em qualquer condição de mar. Em ondas menores ou médias, utiliza os aéreos e a grande variedade de manobras modernas para dizimar seus adversários. Ele já venceu competindo de backside em ondas para a direita, como na etapa que abriu a temporada na Gold Coast, Austrália. E vem mostrando ser um dos melhores do mundo em tubos para a esquerda, conquistando mais uma vitória inédita para o Brasil nas Ilhas Fiji esse ano, também já fez grandes apresentações em Banzai Pipeline no Havaí e agora em Teahupoo no Taiti.

"Esta é a terceira vez que eu venho aqui para o Taiti, mas é a primeira que eu pego Teahupoo tão grande e realmente as ondas são assustadoras lá dentro", conta Gabriel Medina. "Amanhã (segunda-feira) vai ter altas ondas de novo, minhas pranchas estão boas, estou me sentindo bem, confiante, estou na casa de umas pessoas muito especiais aqui no Taiti, com uma vibração positiva muito boa, então é deixar as coisas irem acontecendo. Eu vou continuar tentando me divertir nas baterias, procurando surfar os melhores tubos para ir seguindo em frente".
Gabriel Medina
O brasileiro precisa vencer mais uma bateria apenas para manter a primeira posição no ranking no Billabong Pro Tahiti. Isto porque os dois principais concorrentes foram surpreendidos pelos seus adversários no domingo. O vice-líder Joel Parkinson foi batido pelo norte-americano Brett Simpson logo após sua vitória sobre Nathan Hedge. E o terceiro do ranking, Mick Fanning, perdeu a última bateria do dia para o também australiano Dion Atkinson. Justamente os dois que decidiram o título do Billabong Pro Tahiti em 2012, vencido pelo atual campeão mundial, Mick Fanning.

Mais um australiano, Taj Burrow, ocupava a quarta posição e já despencou para a sexta com a derrota para Tiago Pires na abertura da quarta fase. O português pegou ótimos tubos para fazer os primeiros recordes do domingo com nota 9,67 e 18,67 pontos. Com isso, apenas dois surfistas ainda ameaçam a liderança de Gabriel Medina, mas tanto o taitiano Michel Bourez como a fera Kelly Slater, passam a necessitar da vitória em Teahupoo para superar os 40.150 pontos que o brasileiro já garantiu no ranking com a classificação para a quarta fase.
Kelly Slater
Michel Bourez vai disputar a primeira vaga direta para as quartas de final no confronto que abre a segunda-feira na Polinésia Francesa, contra o australiano Adrian Buchan que defende o título do Billabong Pro Tahiti e o português Tiago Pires. O taitiano teve dificuldades para passar pelo espanhol Aritz Aranburu por uma pequena diferença de 14,90 a 14,77 pontos. Já Kelly Slater não deu qualquer chance para o outro brasileiro que disputou a terceira fase no domingo, o potiguar Jadson André. O maior ídolo do esporte surfou praticamente todos os tubos que entraram na bateria para totalizar incríveis 19,44 pontos de 20 possíveis.

Mais impressionante ainda foi o havaiano John John Florence, que igualmente surfando de backside (de costas para a onda) as esquerdas de Teahupoo, já havia atingido 19,93 pontos com a segunda nota 10 do ano no Taiti. O novo recordista absoluto do Billabong Pro Tahiti 2014 ainda jogou fora um 9,67 e um 8,77 no duelo sensacional contra o também havaiano Sebastian Zietz, que totalizou 18,50 pontos somando 9,37 com 9,13. A terceira nota máxima saiu no confronto seguinte para o australiano Kai Otton superar o norte-americano Nat Young por 18,17 a 18,06 pontos em outra bateria fantástica no domingo de tubos perfeitos na bancada mais temida do mundo.

Por João Carvalho / Fotos Kirstin Scholtz / ASP

Nenhum comentário:

Postar um comentário