19 de agosto de 2014

Começou o Billabong Pro Thaiti

Cho-po, o maior desafio do ASP World Championship Tour começou na última segunda-feira (18), em condições épicas, com ondas de 8-12 pés formando tubos perfeitos para os surfistas na bancada mais temida do mundo. Dos seis participantes do Brasil na etapa mais perigosa da corrida pelo título mundial, dois estrearam com vitórias e passaram direto para a terceira fase. A primeira foi com Gabriel Medina, que defende a liderança do ranking e confirmou o favoritismo surfando um dos maiores tubos do dia, com os braços esticados para cima. E o potiguar Jadson André também saiu limpo de um tubaço nos minutos finais para mandar dois australianos para a repescagem que já foi iniciada na segunda-feira, com Adriano de Souza sendo eliminado no último confronto do dia.
Gabrile Medina / Por Kirstin Scholtz - ASP
O prazo da sétima das onze etapas que vão definir o campeão mundial da temporada começou na sexta-feira (15), mas a previsão já era excelente para esta semana e o início do Billabong Pro Tahiti também foi adiado no sábado e domingo. A segunda-feira amanheceu com séries de 6-8 pés que foram subindo durante o dia e Kelly Slater abriu o campeonato surfando os primeiros tubos em Teahupoo. O Brasil estreou com derrota do carioca Raoni Monteiro no segundo confronto do dia, vencido pelo taitiano Michel Bourez.

O segundo brasileiro entrou duas baterias depois, quando as ondas já passavam dos 10 pés e o atual campeão mundial Mick Fanning pegou tubos incríveis para totalizar 18,16 pontos com duas notas na casa dos 9 pontos. O catarinense Alejo Muniz estava com ele no mar, mas também caiu para a repescagem ficando em último lugar como Raoni Monteiro. As condições do mar continuaram perfeitas no confronto seguinte, que terminou empatado em 16,30 pontos. A maior nota decidiu o vencedor e Adrian Buchan levou a melhor com o 9,97 que recebeu no tubo mais sensacional do dia, contra 9,80 do também australiano Joel Parkinson.
Alejo Muniz (BRA) / Foto Hayden-Smith / ASP

Na sequência vieram os dois únicos confrontos encabeçados por brasileiros, bem na hora que o mar entrou em transformação com mudança do vento e a maré começando a encher na bancada de Teahupoo. Com isso, as séries passaram a demorar mais e poucas entraram nas baterias. Mas, Gabriel Medina honrou a lycra amarela de líder do ranking mundial surfando uma onda de forma impressionante, passando pelo tubo com os braços esticados para o alto de tão grande, num dos momentos mais bonitos do dia no Taiti. Foi assim que ele superou o local Taumata Puhetini que liderava a bateria, além do australiano Mitch Crews.

A disputa seguinte teve Brasil em dose dupla, mas os dois acabaram derrotados pelo australiano Dion Atkinson, que surfou os dois melhores tubos que entraram na bateria para derrotar os paulistas Adriano de Souza e Miguel Pupo. A última esperança de um brasileiro passar direto para a terceira fase ficou para o potiguar Jadson André contra dois australianos do primeiro escalão na décima bateria. Ela foi toda liderada por Julian Wilson, mas a 3 minutos do fim, o brasileiro acha um tubo fantástico que surfa em pé e sai limpo para arrancar nota 9,17 e virar o placar para 16,64 a 15,94 pontos, com Josh Kerr ficando em último.
Jadson André (BRA) / Foto Hayden-Smith / ASP
A primeira fase terminou com Kai Otton aumentando o recorde de pontos de Mick Fanning de 18,16 para 18,24 pontos e em seguida foi iniciada a repescagem com dois concorrentes à liderança do ranking nas primeiras baterias. A previsão era realizar quatro, mas só aconteceram duas depois do duelo muito fraco de ondas que terminou com a eliminação do brasileiro Adriano de Souza pelo australiano Nathan Hedge por 12,00 a 11,17 pontos. Já Joel Parkinson confirmou o favoritismo na abertura da repescagem, mas seu trabalho foi facilitado porque o taitiano Taumata Puhetini sofreu uma queda terrível e acabou abandonando a bateria.

Por João Carvalho   

Nenhum comentário:

Postar um comentário