.

.

31 de julho de 2014

Conexão Califórnia

Um mergulho na cultura californiana. Esse foi o objetivo do projeto que rodou a costa norte do estado americano em busca dos melhores points para o kite e o surf.
O vídeo também aborda os elementos do lifestyle, com artistas de rua em Venice e um passeio pela meca do surf: a praia de Huntington Beach.
A proposta do material vai além da ação, exibindo costumes de pessoas que enxergam no esporte mais do que a prática de hábitos saudáveis, mas como uma maneira de viver em plenitude. Confira mais uma produção do atleta Gustavo Foerster e Gisa de Paula, sua esposa e videomaker, em um novo capitulo de uma vida movida pela paixão e liberdade.

Fonte Lima Jr. / Fotos Gisa de Paula

Sugestões de presentes aos pais que gostam de adrenalina

A Star Point, referência para os amantes do surf e skate, preparou uma seleção de produtos que prometem tirar o fôlego dos pais que amam praticar esportes. Para você que ainda está em dúvida, confira algumas opções.
A coleção própria da marca traz walkshorts, camisetas com estampas exclusivas, casacos e meias. Para complementar o look, a Star Point oferece opções de relógios com pulseira em aço, ótimos para usar no dia a dia, e com pulseira em silicone, ideais para a prática de esportes.

Para os pais que não dispensam um belo shape sob quatro rodinhas, opções de skates e longs são excelentes escolhas para deixar seu pai mais conectado com a natureza da cidade grande. Para os que gostam do mar, sol e parafina, os SUPs e as pranchas são perfeitos para ver seu pai cair nas melhores ondas. Na Star Point ainda é possível escolher o melhor remo para a prática do Stand Up Paddle, com diferentes opções de tamanhos e materiais.

Para a data, a marca lança uma promoção especial, onde na compra de dois produtos da coleção Star Point e mais uma carteira ou cinto, o consumidor ganha 30% de desconto para presentear o seu pai.

Por Daniela Vinci 

Conheça as cinco pessoas mais envolvidas no surf

O Surf, como esporte global é uma indústria em crescimento, movimenta cada vez mais dinheiro. Por outro lado ele não seria tão apreciado sem os seus intérpretes, sem os homens do terreno, sem os heróis. Da lista escrita por Derek Rielly para a Red Bull, em primeiro lugar aparece Dirk Ziff, da ZoSea, a empresa que tomou conta da ASP. O milionário de 48 anos é atualmente a figura mais influente da indústria.
Em segundo lugar, Andrew Mooney, CEO da Quiksilver. Em janeiro Mooney, antigo conselheiro da Disney, substitui Bob Knight na função que desempenhava há largos anos. O novo CEO chegou e depressa mostrou que não tem medo de decisões duras, como foi o caso de achar que o contrato multi milionário de Kelly Slater já não fazia sentido para a marca

Kieren Perrow, Comissário da ASP, aparece em terceiro lugar nesta lista. O ex campeão do Pipe Masters é uma figura consensualmente respeitada por todos os atletas. Kieren faz a ponte entre os atletas do Top 34 e a parte burocrática do esporte. Desde que ocupou o novo cargo, as suas decisões de colocar os eventos ‘ON’ ou ‘OFF’, são lei e têm sido amplamente elogiadas.

Sean Doherty, repórter freelancer, é o quarto da lista. Apesar da oferta múltipla de conteúdos sobre surf em todo o mundo, o número de repórteres é relativamente baixo.  Sean passou de editor da conceituada revista australiana Tracks, para um escritor com tempo para escrever sobre o que se passa no coração do esporte.

E finalmente, para encerrar a lista, Kelly Slater. Por mais fenômenos que apareçam, por mais novos ‘Kellys’ que surjam, e mesmo que o seu patrocinador de longa data tenha considerado que talvez já não justificasse o dinheiro que recebia… a verdade é que Kelly Slater é o núcleo do surf profissional. E, independentemente do lugar que ocupa no ranking, não vai desaparecer tão cedo.

Fonte SurfTotal / Foto ASP


Brasileiros nas oitavas de final do US Open

Mais três brasileiros se classificaram para se juntar ao catarinense Willian Cardoso e ao baiano Bino Lopes na disputa pelas vagas nas oitavas de final, o paulista Filipe Toledo, o potiguar Jadson André e o paranaense Peterson Crisanto. As ondas melhoraram na quarta-feira com séries de 2-4 pés em Huntington Beach para rolar duas rodadas completas da etapa do WCT feminino e as seis baterias que restavam para fechar a lista dos 24 melhores do ASP Prime na Vans US Open of Surfing na Califórnia.
Miguel Pupo / Michael Lallande
Os três passaram em segundo lugar nas suas baterias. Na primeira bateria masculina da quarta-feira, Filipe Toledo despachou os norte-americanos Dane Reynolds e Cory Arrambide na vitória australiana de Matt Banting, que assumiu a liderança do ASP Qualifying Series com os 1.300 pontos que já garantiu no ranking. Ele tirou a ponta do brasileiro Adriano de Souza, que não competiu no US Open of Surfing esse ano. Os americanos deram o troco no Brasil no confronto seguinte, com Michael Dunphy barrando o paulista Alex Ribeiro, que se passasse para a terceira fase entraria na lista dos dez surfistas do ASP Qualifying Series para a elite dos top-34 do Samsung Galaxy ASP World Championship Tour.

Ele não conseguiu, mas o paranaense Peterson Crisanto ingressou no G-10 quando superou o havaiano Mason Ho e o argentino Santiago Muniz na bateria vencida pelo australiano Ryan Callinan. Ele tirou a última posição do norte-americano Patrick Gudauskas, mas precisa continuar avançando para não sair de novo, pois qualquer um pode entrar na zona de classificação com os 6.500 pontos da vitória nas etapas do ASP World Prime. O potiguar Jadson André é um dos três brasileiros que já estavam no G-10 antes do US Open e avançou junto com o jovem norte-americano Kanoa Igarashi. Os outros são o paulista Wiggolly Dantas e o catarinense Tomas Hermes.
Jadson André / Foto Brandon Means
Os 24 classificados nas duas rodadas de baterias formadas por quatro competidores, agora têm duas chances de alcançar as oitavas de final no ASP Prime dos Estados Unidos. Eles foram divididos em oito confrontos de três atletas e os vencedores já garantem suas vagas, mas os perdedores têm uma segunda chance na repescagem, quando os duelos passam para o sistema homem a homem que prossegue até a grande final.

O primeiro brasileiro a disputar classificação será o catarinense Willian Cardoso na segunda bateria, contra o norte-americano Tim Reyes e o sul-africano Beyrick De Vries. Depois, tem o baiano Bino Lopes na quarta com o espanhol Aritz Aranburu e o havaiano Keanu Asing, o potiguar Jadson André na quinta com o novo líder do ASP QS, Matt Banting, e o americano Michael Dunphy, o paulista Filipe Toledo entra na seguinte com o americano Kanoa Igarashi e Jonathan Gonzalez das Ilhas Canárias, enquanto o paranaense Peterson Crisanto fecha a terceira rodada contra mais um norte-americano, Kolohe Andino, e o australiano Garrett Parkes.
Carissa Moorte / Foto Brandon Means
Na sexta etapa do Samsung Galaxy ASP Womens World Tour, que também está sendo disputada nesta semana em Huntington Beach, a havaiana Carissa Moore e a australiana Sally Fitzgibbons mostraram mais uma vez porque são as principais concorrentes ao título mundial da temporada. Elas aproveitaram a primeira chance de avançar direto para as quartas de final, assim como a terceira do ranking, a australiana pentacampeã mundial Stephanie Gilmore.

Mas, o grande destaque do dia entre as meninas foi a havaiana Malia Manuel, que conquistou a primeira vaga para as quartas de final com o maior placar da quarta-feira na Califórnia, 18,13 pontos de 20 possíveis. Ela agora aguarda a vencedora do duelo que abre a repescagem, entre a australiana Nikki Van Dijk e a havaiana Tatiana Weston-Webb, para saber qual será a sua adversária na disputa pela primeira vaga nas semifinais do US Open of Surfing.

Por João Carvalho / Fotos Michael Lallande

Douglas Noronha a posto ao 19º A Tribuna de Surf Colegial

O santista Douglas Noronha será outro destaque no 19º A Tribuna de Surf Colegial, que terá início no sábado e domingo (2 e 3), na Praia do Itararé, em São Vicente. Aos 26 anos de idade, o surfista é um dos favoritos no Desafio Tri FM/ AntiQueda Universitário, tanto por sua experiência, quanto pelo conhecimento do mar onde será disputada a etapa.
Douglas Noronha
“Minhas primeiras ondas surfadas, e o início de tudo, foram na Praia do Itararé. Já competi muito por lá e tenho boas recordações”, recorda o atual campeão santista open e que também tem no currículo os títulos vicentino pro/am e junior, de Bertioga, de Itanhaém e de Peruíbe.

Para Douglas, que defenderá a Unip, onde cursa Educação Física, a participação no circuito também pode valer para quebrar um antigo “tabu”, de nunca ter feito uma final no A Tribuna Colegial. “Competi entre os anos de 2002 e 2005, numa época de um nível altíssimo, com atletas até de outros estados, que vinham morar no Guarujá, como o hoje top do WCT, Jadson André. E era um evento que eu tenho engasgado por nunca ter disputado uma final, sempre parando na semi. Agora, é minha chance de me librar desse pesadelo e sair com o título universitário”, afirma rindo.

Com lotação máxima, a etapa tem início sábado, às 8 horas. Quem acompanhar as disputas na praia concorrerá a uma prancha Silver Surf/Teccel. Na Barraca da Tri FM serão realizadas brincadeiras com os espectadores, como o Quiz AntiQueda, carrinho de mão, cabo de guerra, valendo prêmios. No total, o Circuito terá duas etapas, com a final, nos dias 27 e 28 de setembro, na Praia do Tombo, em Guarujá. O regulamento completo está disponível no www.triesportes.com.br/surfcolegial.

Por Fábio Maradei / Foto Silvia Winiki

30 de julho de 2014

"Pato", o criador do Skate Sem Limites, fala com o InnerSport

Sérgio Roberto é uma figura carismática no universo das pranchas de quatro rodas, e há um ano desenvolveu o projeto Skate Sem Limites. É pioneiro no carveboard como equipamento que proporciona às pessoas com deficiências físicas o prazer de droparem a primeira ladeira. E, como tudo na vida é uma troca, ele também aprendeu que certas deficiências nunca serão obstáculos para quem tem vontade de viver e praticar alguma atividade física.
O esporte está na vida do Pato desde a infância e, aos 47 anos, é pai de gêmeos, é atleta de carveboard, surfa, pula de paraquedas e mergulha. Um multiatleta literalmente no sentido da palavra. Foi em forma de um bate-papo descontraído e bem intencionado que ele falou do seu projeto ao InnerSport, dos seus sonhos, da sua satisfação em trabalhar com seres humanos maravilhosos como o aluno especial Marcos Rossi, que nasceu com a síndrome de Hanhart. Atualmente, aos 34 anos, Rossi foi o primeiro aluno do projeto Skate Sem Limites. "O Rossi é uma pessoa que eu me inspiro muito, além de ser um grande amigo. Todas as vezes que estou ao lado dele volto para casa com as baterias recarregadas". Confira a nossa conversa com o Sérgio Roberto, o "Pato", como é conhecido pela galera.

Como surgiu a ideia de unir o carveboard com este universo?
Pratico esportes há mais de dez anos. A ideia surgiu junto com o Marcos Rossi, portador de necessidades, que é meu amigo e companheiro de bateria na Escola de Samba X9 Paulistana há oito anos.

Você trabalha sozinho ou há uma equipe envolvida?
Sim, tenho uma equipe de carveboard, a Carverize Old School Team, que me apoia nesse projeto.
Quais ajustes foram necessários para que uma pessoa com deficiência conseguisse andar num carveboard?
A princípio, tive a ideia do carveboard pelo fato do tamanho. Depois, meu amigo Ale Truck desenvolveu uma barra estabilizadora, que foi ideal para o equipamento e fomos adaptando de acordo com as necessidades do Marcos Rossi.

Quantos alunos especiais você treina atualmente?
Há muitas pessoas que treinam conosco sendo quatro pessoas da equipe especial: Marcos Rossi, Vitinho, Ivanzinho e Leo.
Você consegue explicar o que sentiu quando viu a satisfação do primeiro deficiente a completar o trajeto no carveboard adaptado?
A princípio, uma mistura de satisfação, de emoção e conquista do dever cumprido em realizar a alegria dessas pessoas mais que especiais. Eu digo que são nossos professores de vida e perseverança.

Onde são realizadas as aulas?
Atualmente treinamos no Museu do Ipiranga e no Parque do Ibirapuera. Quando temos eventos esportivos (campeonatos, etapas e free-sessions), fazemos apresentação de superação.
Quais dias acontecem e horários?
Normalmente finais de semana no período da manhã.
Quanto custa esta adaptação para o carve?
Na primeira fase, o custo ficou por nossa conta. Porém, num estudo rápido, estimamos um custo aproximado de R$ 2.000,00.
Há apoiadores ou você tira do bolso todo o investimento?
No momento contamos com apoios da US Surfboards e do Ale Truck. Porém, procuramos pessoas que tenham os mesmos princípios, para investir nesse projeto que alegra e integra essas pessoas à sociedade.
Qual o objetivo de todo este esforço?
O objetivo é integrar essas pessoas ao mundo do esporte e mostrar a igualdade sobre tudo e todas as coisas, pois todos têm os mesmos direitos. Amar o próximo sem distinção de etnia e/ou deficiência física. O bjetivo do projeto é mostrar que é possível desenvolver o esporte com pessoas de mobilidade reduzida. E, pretendo levar este meu projeto para outras localidade do Brasil mostrando o crescimento do nosso trabalho com essas pessoas tão dedicadas à superação e à felicidade. Pensamos ainda em palestras motivacionais, pois o Marcos Rossi já atua com este trabalho. São muitos os sonhos. Tenho vontade de criar um evento somente para deficientes físicos, como o evento “Onda BGF Praia Acessível”, do Bruno Guazzelli (único criador do Stand up adaptável do mundo).

Como você se sente quanto a realização pessoal?
Fazer com que as pessoas acreditem na vida e na superação de seus limites. Esse trabalho requer perseverança, dedicação e amor. Como retorno, temos resultados positivos e sorrisos, tanto das pessoas deficientes como de seus acompanhantes. Quando tive esta ideia, dediquei-me com afinco à produção e desenvolvimento do carveboard  adaptado, e é com orgulho que somos a única equipe no mundo de carveboard que realiza este trabalho.

Redação InnerSport

Piscina com ondas já é projeto na Austrália

Serão gerados 430 postos de empregos e investidos cerca de 90 milhões de dólares 

Foi apresentado um projeto, avaliado em 90 milhões de dólares australianos (aproximadamente 62 milhões de euros), para a construção de um parque aquático, em Sunshine Coast, Queensland, na Austrália. O plano foi proposto pela Waterplay Pty Ltd, uma consultora especializada na área, responsável por outros projetos como o Sunway Lagoon, na Malásia, e o Wadi Adventure Park, nos Emirados Árabes Unidos.
De acordo com a imprensa australiana, a ideia é construir dentro do parque aquático uma piscina de ondas de classe mundial, um escorrega aquático, um espaço para canoagem, um hotel com 120 quartos, restaurantes e ainda uma colonia de férias.

O local proposto fica em Steve Irwin Way, em Glenview, perto do jardim zoológico, do karting e do Aussie World, um parque de diversões. “Acreditamos que o Sunshine Park vai completar as atrações existentes na zona e aumentar o turismo”, disse o porta-voz da empresa, David Baird.

Segundo a empresa, só a fase de construção do parque vai gerar cerca de 430 postos de trabalho. David Baird refere ainda que a ideia é dividir o projeto em duas fases, durante os próximos três anos, dando prioridade à piscina de ondas. “Se tudo correr bem, a nossa equipe começa a trabalhar no início do próximo ano”, acrescentou o responsável, que conta já com o apoio do Surfing Australia. “isto pode ser uma ótima oportunidade de treino para os surfistas.”

Edição InnerSport

Cardoso e Bino já estão entre os 24 melhores do US Open

O catarinense Willian Cardoso e o baiano Bino Lopes já estão entre os 24 melhores do US Open of Surfing e terão duas chances para alcançar as oitavas de final do ASP Prime dos Estados Unidos.  Willian fez o maior placar do dia na terça-feira de ondas de 2-3 pés em Huntington Beach, na Califórnia. Só foi realizada metade dos confrontos da segunda fase e mais cinco brasileiros ainda vão disputar classificação nas baterias que ficaram para a quarta-feira, Filipe Toledo, Jadson André, Alex Ribeiro, Peterson Crisanto e Hizunomê Bettero, além do argentino Santiago Muniz também defendendo a América do Sul no ASP Prime de 6.500 pontos dos Estados Unidos.
Willian Cardoso
O potiguar Jadson André estreou no primeiro confronto do dia, ainda pela primeira fase iniciada na segunda-feira. Ele superou o norte-americano Damien Hobgood e o havaiano Torrey Meister para passar em segundo na vitória do jovem australiano Garrett Parkes. Duas baterias depois teve Brasil em dose dupla tirando uma das estrelas do WCT no US Open esse ano, o australiano Adrian Buchan, eliminado pelo paranaense Peterson Crisanto e o paulista Hizunomê Bettero. Já o argentino Santiago Muniz fechou a primeira fase ganhando a briga pela última vaga dos australianos Jay Thompson e Stu Kennedy. O vencedor da bateria foi o norte-americano Kolohe Andino, vice-campeão em Huntington Beach na final contra o brasileiro Alejo Muniz no ano passado.

Em seguida começou a segunda fase e metade das doze baterias foi realizada na terça-feira. Cinco brasileiros já competiram, mas apenas dois conseguiram passar para a rodada dos 24 melhores da edição 2014 da Vans Us Open of Surfing. O catarinense Willian Cardoso achou boas ondas para mostrar o seu “power surf” e fazer o maior placar do dia, 17,20 pontos de 20 possíveis com notas 8,77 e 8,43. O ex-campeão mundial C. J. Hobgood estava na bateria e acabou eliminado junto com o também norte-americano Tanner Gudauskas na briga pela segunda vaga, contra o francês Maxime Huscenot.
Antes da vitória de Willian Cardoso, o Brasil já havia sofrido duas baixas nos primeiros confrontos da segunda fase, os paulistas Miguel Pupo e Thiago Camarão. Depois, dois brasileiros competiram juntos na quinta bateria e foram superados pelo surfista da Ilha Guadalupe, Charles Martin. Tiveram que ficar disputando a segunda vaga e a nota 8,00 do baiano Bino Lopes na melhor onda da bateria definiu a sua classificação. Pior para o paulista Wiggolly Dantas, que defendia a terceira colocação no ranking e foi barrado junto com o francês Vincent Duvignac.
Coco Ho
Na terça-feira, também foi dada a largada na 6ª etapa do WCT feminino do US Open of Surfing. As principais concorrentes ao título mundial estrearam com vitórias em Huntington Beach e passaram direto para a terceira fase, mas ninguém foi eliminada no primeiro dia. As que não conseguiram vencer, terão uma nova chance para tentar a classificação na repescagem. A líder do ranking e defensora do título desta etapa, Carissa Moore, confirmou o favoritismo, mas a melhor da terça-feira foi a pentacampeã mundial Stephanie Gilmore.

Por João Carvalho / Fotos Michael Lallande

O surfista cego Derek Rabelo agora quer surfar Jaws

Ser cego não o impediu de surfar Pipeline 

Por onde quer que passe o surfista brasileiro Derek Rabelo inspira. "Tive imensa sorte em tornar-me amigo e surfar ao lado deste ser humano espetacular.

O Derek é um tipo impecável, entusiasmado e muito determinado. Ele inspira-me", escreveu Taj Burrow.
Derek nasceu cego, mas nada o impediu de se colocar em cima da prancha e tornar-se surfista profissional. Após surfar Pipeline, eis que o objetivo é Jaws, na ilha de Maui.

Fonte SurfTotal

Jared Houston vence a 2ª etapa do Mundial de Bodyboard 2014

Pelo terceiro ano consecutivo um estrangeiro comemorou o título do Itacoatiara Pro e nesta ocasião coube ao sul-africano Jared Houston a honra de levantar a taça na frente do grande público que lotou a praia para acompanhar o último dia da segunda etapa do Circuito Mundial de Bodyboard. Na grande decisão, Jared venceu o francês Pierre Louis Costes para comemorar seu primeiro título no World Tour. "Estou muito contente. Minha vida mudou muito no último ano. Minha filha nasceu e agora eu comemoro pela primeira vez o título de uma etapa. Isso realmente é incrível. Itacoatiara é um lugar que respira bodyboard e eu me sinto muito feliz por ter vencido aqui”, comemorou Jared, que já havia feito uma final com Pierre, em Fronton-2012 e acabará derrotado. Com a vitória Jared somou 1.800 pontos no ranking mundial, além de U$8.000,00 em premiação.
Com o título o sul-africano cresce no ranking mundial e entra de vez na briga pelo título. Já Pierre, mesmo com a derrota, saiu satisfeito com o resultado da etapa brasileira. “Obviamente que estar próximo de vencer e não conseguir gera alguma frustração, mas é muito bom poder fazer uma final, especialmente aqui no Brasil onde sempre conquisto bons resultados. Agora teremos etapas difíceis no Chile”, ressalta o francês.

Sergio Luis termina em 3º sendo o melhor brasileiro na competição: pelo terceiro ano consecutivo os brasileiros bateram na trave e não conseguiram levantar a taça de campeão do Itacoatiara Pro. Em 2012, Tâmega chegou à final, mas acabou derrotado pelo australiano Dave Winchester. Já no ano passado, Dudu Pedra e Nicholas Bastos acabaram na 3ª posição. Neste ano, havia boas possibilidades de um brasileiro comemorar o primeiro título em Itacoatiara, mas aos poucos os donos da casa foram caindo.
Sergio Luis foi o último remanescente da legião brasileira, mas acabou barrado na semifinal diante de um inspirado Pierre Louis Costes. Dono de algumas das melhores notas do evento, o carioca teve uma grande atuação durante toda a competição e acabou em 3º lugar. Além de Sergio Luis, outros brasileiros obtiveram bons resultados em Itacoatiara. Guilherme Tâmega e Roberto Bruno acabaram em 5º, ao serem derrotados nas quartas de final, mesma posição de Mike Stewart (HAW) e Alex Uranga (BAS).

A próxima etapa do Circuito Mundial acontece em Arica, no Chile, a partir do dia 15 de agosto.

Resultados finais do Itacoatiara Pro 2014:
1º Jared Houston (AFS)
2º Pierre Louis Costes (FRA)
3º Sergio Luis (BRA)
3º Amaury Laverhne (REU)
5º Guilherme Tâmega (BRA)
5º Roberto Bruno (BRA)
5º Alex Uranga (BAS)
5º Mike Stewart (HAW)

Por Danilo Caboclo / Fotos Tony D´Andrea

29 de julho de 2014

Sete brasileiros se classificam no 1º dia do US Open

Começou a batalha pelos 6.500 pontos do terceiro ASP Prime do ano e sete brasileiros se classificaram para a segunda rodada da Vans US Open of Surfing nas ondas de 2-3 pés da segunda-feira em Huntington Beach, na Califórnia, Estados Unidos. Apenas dois estrearam com vitória, Miguel Pupo na bateria com participação tripla do Brasil e Alex Ribeiro no confronto que eliminou Alejo Muniz logo em sua primeira defesa do título de campeão no maior campeonato do mundo. Thiago Camarão completou a dobradinha verde-amarela com Miguel Pupo e também passaram em segundo lugar nas suas baterias Filipe Toledo, Wiggolly Dantas, Willian Cardoso e Bino Lopes, que conseguiu uma das quatro vagas da triagem realizada no domingo.
Filipe Toledo
Por pouco, todas não ficaram para a América do Sul. Esta competição foi disputada por 32 surfistas divididos em oito baterias, com metade avançando para a segunda fase, quando foram definidos os classificados para os dois confrontos decisivos pelas quatro vagas para completar a rodada inicial do Vans US Open of Surfing. No primeiro, o havaiano Kai Barger e o americano Cory Arrambide acabaram superando o brasileiro Halley Batista e o peruano Miguel Tudela. Mas, no segundo deu dobradinha sul-americana do argentino Santiago Muniz e o baiano Bino Lopes sobre o americano Ian Crane e o havaiano Dylan Goodale.

Bino Lopes foi para a 12.a bateria, que era encabeçada pela maior estrela do esporte. Só que Kelly Slater não apareceu em Huntington Beach para competir na segunda-feira e foi substituído por Gavin Gillette. O havaiano já havia sido barrado na triagem do domingo e aproveitou a segunda chance que surgiu na última hora para vencer a bateria, com Bino Lopes passando em segundo lugar.  Já o argentino Santiago Muniz foi escalado no último confronto da primeira fase, que só será encerrada na terça-feira. No primeiro dia foram realizadas dezoito das 24 baterias e mais quatro brasileiros ainda vão estrear em Huntington Beach.
Alex Ribeiro
Na segunda-feira, a primeira participação do Brasil foi em dose tripla na quarta bateria do dia, com os paulistas Miguel Pupo e Thiago Camarão levando a melhor sobre o australiano Wade Carmichael e o atual campeão brasileiro, David do Carmo. Os cinco confrontos seguintes também tiveram brasileiros disputando classificação, mas só o catarinense Willian Cardoso conseguiu, despachando o norte-americano Evan Geiselman e o australiano bicampeão mundial Pro Junior da ASP, Jack Freestone, para passar junto com o espanhol Aritz Aranburu.

Também avançaram em segundo lugar nas suas baterias os paulistas Filipe Toledo e Wiggolly Dantas e o baiano Bino Lopes. O único que conseguiu repetir a estreia vitoriosa de Miguel Pupo foi o também paulista Alex Ribeiro, mas o ídolo norte-americano Dane Reynolds não deixou acontecer outra dobradinha verde-amarela e os dois acabaram barrando o defensor do título da Vans US Open of Surfing, Alejo Muniz. Com a classificação para a fase dos 48 melhores, Alex Ribeiro deu o primeiro passo para retornar ao grupo dos dez surfistas que o ASP Qualifying Series indica para completar a elite dos top-34 do Samsung Galaxy ASP World Championship Tour.
Tiago Camarão
A porta de entrada ficou escancarada para ele com os resultados da segunda-feira em Huntington Beach. Alex Ribeiro já subiu do 18.o para o 14.o lugar no ranking que está garantindo até o 12.o colocado, mas os três que estão a sua frente já foram eliminados no primeiro dia, o 11.o Matt Wilkinson, o 12.o Patrick Gudauskas e o 13.o Dion Atkinson. O brasileiro precisa continuar avançando na competição para entrar no G-10 do ASP Qualifying Series para o WCT do ano que vem e seus próximos adversários na Califórnia serão o norte-americano Michael Dunphy, Carlos Munoz da Costa Rica e Jonathan Gonzalez das Ilhas Canárias.

Entre os sete brasileiros que já estão escalados na segunda fase do US Open of Surfing, só dois vão competir juntos, o paulista Wiggolly Dantas que defende a terceira posição no ranking e venceu o primeiro ASP Prime do ano em Saquarema (RJ) e o baiano Bino Lopes. Os dois vão enfrentar na quinta bateria o francês Vincent Duvignac e Charles Martin, da Ilha Guadalupe. Os outros estão sozinhos contra três surfistas de outros países, Thiago Camarão na primeira bateria, Miguel Pupo na segunda, Willian Cardoso na terceira, Filipe Toledo na sétima e Alex Ribeiro no oitavo dos doze confrontos da segunda rodada do campeonato que prossegue até domingo no famoso píer de Huntington Beach.
Alejo Muniz
Antes deles fazerem suas segundas apresentações na Califórnia, quatro brasileiros ainda vão estrear no ASP Prime dos Estados Unidos nas baterias restantes da primeira fase que ficaram para abrir a terça-feira. Na primeira do dia tem o potiguar Jadson André, na segunda entra o paulista Caio Ibelli e na quarta o paranaense Peterson Crisanto e o paulista Hizunomê Bettero competem juntos contra o australiano Adrian Buchan e o porto-riquenho Brian Toth.

Mas a participação sul-americana na rodada inicial só termina na última bateria, com o argentino Santiago Muniz, que vai enfrentar os australianos Jay Thompson e Stu Kennedy e o vice-campeão do Vans US Open of Surfing na final contra Alejo Muniz no ano passado, Kolohe Andino. Santiago e Alejo são irmãos, só que o mais jovem escolheu defender a Argentina no Circuito Mundial da ASP, país onde eles nasceram, enquanto Alejo desde criança compete como brasileiro porque eles moram em Santa Catarina há muitos anos.

Por João Carvalho / Fotos Michael Lallande

XTerra Brazil Tour chega a Mangaratiba

Circuito retorna ao litoral do Rio de Janeiro em mais cinco modalidades: triathlon, Endurance 50k, Night Run 7km e 21km e corrida kids

Depois de uma etapa cheia de emoções em Manaus, o XTerra Brazil Tour retorna à região Sudeste nos dias 9 e 10 de agosto. A quinta etapa do maior circuito cross country do Brasil será disputada em Mangaratiba, litoral sul do Rio de Janeiro, e a briga será acirrada em todas as modalidades: triathlon, Endurance nas distâncias 50k e 80k, que acontece pela primeira vez nesta etapa, e Night Run de 7km e 21km, além da tradicional corrida kids para crianças de 1 a 14 anos.
Mais de 3000 atletas são esperados no Portobello Resort & Safari, local que abrigará todas as modalidades. No triathlon, as distâncias serão de 1,5km de natação, 22,5km de bike e 10km de corrida. "Tradicional no calendário do XTERRA, a etapa de Mangaratiba tem um percurso muito característico com paisagens de praia e montanhas lindas e provas alucinantes para quem gosta de natureza" , disse Bernardo Fonseca, CEO da X3M Sports Business, empresa que organiza o XTerra Brazil Tour.

Provas mais queridas por atletas de elite e amadores, as corridas noturnas, nas distâncias de 7km e 21km prometem ser as modalidades mais procuradas. "O resort Portobello dispensa apresentações, referência em serviço e qualidade em hotelaria do país. O local proporciona um visual impressionante até para os mais experientes",  complementa Bernardo.

Em 2014, o XTerra Brazil Tour, que já passou por Paraty, Ilhabela e Manaus, terá um total de dez etapas, e ainda será disputado em locais como Tiradentes e Búzios.
Provas do XTerra Mangaratiba
O maior festival de esporte cross country do mundo volta a Mangaratiba depois de muita aventura em Manaus. O contato com a natureza, aliado aos percursos desafiadores, faz desta etapa uma experiência única.
Triathlon
A prova é válida para o ranking do XTerra Brazil Tour 2014. Os atletas irão nadar 1,5km, pedalar 22,5km e correr 10km.
Night Run 7km
Correr no XTerra Mangaratiba vai ser a oportunidade perfeita para os amantes e iniciantes do esporte off road. O clima ameno junto à paisagem do Portobello Resort & Safari tornará o percurso ainda mais especial.
Night Run 21km
Uma prova ideal para atletas mais experientes e com grande capacidade de traçar boas estratégias para superar trilhas noturnas.
Endurance 50km e 80km
Pelo segundo ano consecutivo em parceria com a The North Face. Uma das modalidades mais desafiadoras do circuito. São ultramaratonas que exigem resistência e estratégia de todos os atletas que desejam completar os surpreendentes percursos. Uma corrida infantil aberta aos novos guerreirinhos. É diversão garantida para os pequeninos de 1 a 13 anos de idade. Idealizada como uma corrida de perfeita harmonia com a natureza, a disputa é simbólica e todos ganham medalha. Uma ótima forma de entretenimento ecológico e integração esportiva para as crianças.

Por Luiz Guilherme Freitas / Fotos Thiago Diz


Há 47 anos surfistas já exploravam Nazaré

Um documento histórico sobre o surf na famosa Vila Portuguesa.
Embora o surf registado tenha sido no lado Sul da Praia da Nazaré, este documento histórico registra aquela que provavelmente foi a primeira vez que surfistas Norte Americanos surfaram nas ondas de Nazaré.

Fonte SurfTotal

ASP anuncia evento nas Filipinas

O 20º Siargao Cloud 9 Surfing Cup será um evento histórico, por se tratar da primeira vez que este surf break de classe mundial vai valer pontos para a Qualifying Series da ASP, para quem conseguir dominar os tubos perfeitos que ali existem. Este ano o evento será sancionado tanto pela ASP, como pela ASC (Asian Surfing Champonships).
Um dia Clássico em Cloud Nine Sagana Resort
O indonésio Putra Hermawan venceu a prova o ano passado e mostrou-se muito entusiasmado com a novidade. “Aquela onda é muito boa, faz-me lembrar o pico onde surfo em casa, Lacerations, em Nusa Lembogan. O ano passado foi a primeira vez que surfei naquele pico e ganhei a prova com tubos bem divertidos. Mal posso esperar para voltar!”, afirmou.

Osot Alcala, um dos melhores locais de Cloud 9, e antigo campeão do evento mostrou a sua satisfação pela possibilidade dos surfistas locais poderem “competir com alguns dos melhores do mundo”.
Para ter a noção da importância deste evento, o governo filipino vai estar representado ao mais alto nível, com a presença do Presidente Benigno S. Aquino III como convidado de honra para a cerimónia de abertura.

Dane Jordan, manager da ASP Australasia informa que a notícia vem ao encontro da política da organização de colocar os melhores do mundo, nas melhores ondas do planeta. “Já tive a sorte de ver Cloud 9 ao vivo e é de fato uma das melhores ondas do mundo. É preciso muito trabalho e dedicação para fazer estes eventos, por isso quero agradecer ao povo filipino. Estou ansioso por este evento histórico”.

Fonte SurfTotal

28 de julho de 2014

Lyndie: "não há rivalidade no surf como havia antigamente"

Esposa de Irons diz estar pronta para lançar um documentário sobre a vida do surfista Andy Irons
Andy Irons…não há nada que já não tenha sido dito ou escrito sobre o surfista havaiano. Rival de Kelly Slater, três títulos mundiais e uma sede insaciável de vencer. Em Outubro, de 2010, no Rip Curl Pro Peniche,  foi a última vez que o vimos. Um mês depois corria a notícia de que Andy tinha morrido, vítima de uma parada cardíaca, entre boatos sobre o consumo abusivo de drogas. Kelly chorou e a indústria do surf também. Nada foi igual desde então.
Se estivesse vivo, Andy Irons, teria completado ontem 36 anos
Lyndie Irons não passa despercebida. É bonita, sim, sem dúvida. Mas não é essa a razão que nos motiva a olhar para ela. Lyndie é a mulher de Andy e por isso, nas palavras do editor do site “The Inertia”, “a rainha mais bem guardada da comunidade do surf.” Nascida e criada nas praias da Califórnia, vive hoje na terra de Andy, com o filho de três anos que carrega o nome do pai, e gere a ACACIA Swimwear – marca de bikinis – em conjunto com a sua sócia Naomi Newirth.

Em sua primeira entrevista, confessa estar pronta para falar. “Ainda me sinto muito emocionada, choro facilmente. Acho que as pessoas querem conhecer o Andy dos bastidores, os últimos 10 anos que estive com ele. Acho que estou pronta para falar e partilhar histórias. Estou mais aberta e mentalmente bem, penso”, disse ainda meio atrapalhada.

Palco das disputas de fim de época, o North Shore ficou para sempre gravado na sua memória. “Fico muito emocionada cada vez que o campeonato acontece aqui no Hawai, ascende a imagem de Andy…é difícil… às vezes até vou  ao quarto chorar um bocado (risos), mas é ótimo estar aqui, tenho boas recordações”, confessou ao mesmo site.

Mas há uma que mantém bem viva na memória, a vitória do marido em 2003 contra Kelly. “Estava na casa da Quiksilver. Acho que congelei aquele momento, nunca vou esquecer. Sempre que estou lá tenho aquele  sentimento de entusiasmo, acho que é o melhor sentimento que existia para o Andy. Penso que essa foi a sua vitória favorita, por isso, sinto-o”, disse.
Questionada sobre a relação amor/ódio entre os dois rivais, Lyndie lembra a sua intensidade. “Já no final, o Andy e o Kelly tonaram-se muito amigos, aliás, sempre foram amigos, mas a rivalidade era algo que nunca tinha visto e ainda o é. Não temos mais isso hoje. Sei que era mais do lado do Andy… às vezes ele ia dormir falando coisas sobre Kelly e o que queria fazer e eu ficava: ‘Oh meu Deus’. Mas era o Andy e era o Kelly e eles tinham estes sentimentos intensos.”

In memory of Andy Irons “Vejo as pessoas escrevendo livros sobre ele e não há coisas más. Acho que há um livro que é o ‘North Shore’ e sei que há especulação de como ele faleceu. As pessoas escrevem o que querem e até agora não houve assim nada que me fizesse passar da cabeça e querer que a história fosse contada corretamente”, respondeu, quando questionada sobre o que pensa do que é dito sobre o atleta.

Talvez por essa razão, Lyndie diz estar pronta para lançar um documentário sobre a vida do surfista que continua a dar que falar. “Só quero partilhar a sua história, desde o dia que nasceu até ao dia que morreu. Só quero contar uma boa história. Todos nós sabemos a parte do surf, os fatos, mas quero mostrar o outro lado”, concluiu. Para quando será? Ainda não sabemos, já que primeiro terá de arranjar um produtor para começar o projeto.

Fonte SurfTotal

Festa de premiação da 1ª etapa do SP Contest

Na última quinta-feira rolou a festa de premiação da primeira etapa do circuito Surf Trip SP Contest, em Moema (SP).  O acústico com Fabrício Miguel embalou surfistas, familiares, além de muitos amigos, levando para a capital o clima de confraternização visto durante estes 13 anos de circuito nas praias do litoral do estado.
Premiação aos finalistas da primeira etapa categoria Longboard
De acordo com Dadá Nascimento, organizador do circuito, a aprovação da premiação em SP foi unânime. "Todos os atletas curtiram bastante. Durante a exibição do vídeo e das fotos no telão foi aquela animação", comenta Nascimento.

Por Nancy Geringer


Surfista morre após raio atingir a praia de Venice Beach

Um homem, surfista, na casa dos 20 anos morreu depois de um relâmpago ter atingido 13 pessoas na famosa praia de Venice Beach, em Los Angeles, Califórnia.
Foto Steve Christianson
De acordo com o relato de outro surfista no Instagram, os dois estavam “surfando a apenas uns metros um do outro, quando o relâmpago atingiu a água e soltou uma descarga elétrica no mar de Venice Beach”.

Cuidados: Ao primeiro sinal de chuva, saia da água. Ela é condutora de eletricidade. Isso serve também para quem estiver em barcos e piscinas.

Edição InnerSport

Slater não compete no Vans US Open of Surfing

Kelly Slater não vai competir na etapa prime Vans US Open of surfing, em Huntington Beach. Estava previsto o  11 vezes campeão entrar no heat 12 da primeira etapa, contra o português Frederico Morais.
Ainda não se sabe os motivos que o levaram a tomar esta decisão, no entanto, a "Surfer" adiantou que o 'careca' anunciou esta manhã que "não ia competir devido a uma lesão." Assim, Slater é substituído por Gavin Gillette.

Fonte Surftotal


Definidos os finalistas do Itacoatiara Pro 2014

Após três dias de disputas, diversas baterias e fortes emoções, foram definidos nessa segunda-feira os finalistas do Itacoatiara Pro 2014, segunda etapa do Circuito Mundial de Bodyboard, disputado em Niterói (RJ). Apenas dezesseis atletas seguem vivos na disputa pelos U$40.000,00 em premiação e 1.800 pontos no ranking mundial e o grande vencedor pode ser conhecido nessa terça-feira, provável último dia de competições em Itacoatiara.
Israel Salas também mostrou sintonia com os tubos para chegar as oitavas
O dia amanheceu com um pouco de vento, mas ao longo do dia as condições foram melhorando e o mar ofereceu excelentes condições de 2,0 a 2,5m de onda e os competidores se enfrentaram em dois rounds. Destaque do dia para o desempenho de Sergio Luis, autor das duas melhoras ondas do campeonato nessa segunda-feira: 9,5 e 9,75. Eu não consigo nem acreditar no que aconteceu, eu não achava que poderia sair daquele tubo e no fim ainda consegui manobrar. Estou feliz por tudo que tem acontecido. Venci uma etapa regional há alguns dias e aqui estou com os melhores”, comemorou Sergio após vencer sua bateria no Round 6.

Quem também segue em grande sintonia com as ondas de Itacoatiara é o francês Pierre Louis Costes. O campeão mundial de 2011 abriu as disputas do Round 6 vencendo sua bateria com 16,25 pontos somados nas duas melhores ondas. “Eu gosto muito de competir aqui no Brasil. Nos outros anos eu consegui bons resultados, mas esse ano quero ir ainda mais longe. Amanhã (terça-feira) tem tudo para ser um dia longo e eu espero brigar pelo título”, resumiu.
Pierre segue competindo em alto nível - Foto: Tony D´Andrea
Brasileiros em maioria nas oitavas de final:
Nessa segunda-feira os brasileiros dominaram as disputas em Itacoatiara e serão maioria na briga pelo título. Guilherme Tâmega, seis vezes campeão mundial, é o brasileiro que obteve o melhor resultado em Itacoatiara. Em 2012, na primeira edição, Tâmega perdeu na decisão para o australiano Dave Winchester e este ano o carioca espera melhorar ainda mais seu resultado. “O último dia será muito desafiador, mas tendo onda tudo fica bom. Com certeza a estratégia será diferente, pois é um dia com muitas baterias e o corpo precisa estar preparado”, explica Guilherme.

Destaque também para as vitórias de Israel Salas e Uri Valadão, além das passagens de Eder Luciano, Roberto Bruno e Magno Passos.
Sergio Luis achou bons tubos e arrancou a melhor nota do campeonato - Pedro Berg
Uri Valadão assume a liderança do ranking mundial:
Com a eliminação de Ben Player na Round 6, Uri garantiu sua passagem para as oitavas de final e a liderança provisória do ranking mundial. Vice-campeão em Pipeline, no Havaí, em etapa válida pela abertura do Circuito, o baiano é o novo número um do Tour e agora luta para tentar repetir o feito de 2008, quando sagrou-se campeão.

A previsão aponta para boas condições nesta terça-feira e a direção e prova pretende encerrar o evento neste que dever ser o último dia de competições. O check in está marcado para as 06h30. Para mais informações: www.itacoatiarapro.com

Por Danilo Caboclo / Fotos Pedro Berg e Tony D´Andrea

Itacoatiara Pro 2014 entra no segunda dia

Após um grande início de competição no domingo (27), as condições seguiram a previsão e o segundo dia do Itacoatiara Pro 2014 foi logo cedo pra água. Neste segundo dia de evento a direção de prova aproveitou as ondas de 1,5 metros para promover a estreias dos tops-16. Os cabeças de chave da segunda etapa do Circuito Mundial não desapontaram, com destaque para o francês Pierre Louis Costes. O campeão mundial de bodyboard estreou logo na primeira bateria do Round 4 e logo de cara proporcionou ao público a melhor apresentação do evento até o momento. Pierre arrancou um 9,5 – melhor onda do campeonato – e um 8,25, combinando para 17,75 – o maior somatório de toda competição.
Pierre Louis Costes quebrou todos os recordes do evento 
No Round 4, apenas o primeiro colocado de cada bateria avançava diretamente, sendo que os três demais concorrentes devem disputar uma fase de repescagem. Pierre avançou para o Round 6 e segue firme na briga pelo título. Após a vitória de Pierre, os brasileiros emendaram uma sequência de triunfos, começando pelo top Magno Oliveira, do Espírito Santo. O capixaba achou uma boa onda que definiu sua passagem para o Round 6, sem precisar passar pela repescagem. “O mar estava bem difícil, mas consegui uma boa onda que fez a diferença. Consegui achar a melhor da bateria e isso fez toda a diferença”, revela Magno.

Na sequência, foi a vez de Rafael Paes avançar diretamente, vencendo atletas do calibre de Guilherme Tâmega, Eder Luciano e João Zik. A revelação David Barbosa, de apenas 16 anos, também deu provas de estar no caminho certo nessa competição e despachou seus adversários na bateria seguinte. Já na quinta disputa, foi a vez de Lucas Nogueira, campeão dos trials de Itacoatiara em 2013, se destacara. O capixaba totalizou 16,25 pontos, um dos maiores somatórios da competição, e não precisará encarar a quinta fase.
Francirley Ferreira achou uma das melhores ondas logo no começo do dia
Após quatro vitórias nas baterias, a hegemonia brasileira caiu com os estrangeiros empatando o duelo no Round 4. Jared Houston (AFS), Diego Cabrera (I.CAN) e Alex Uranga (BAS) conseguiram vitórias em suas respectivas baterias e nesta segunda-feira aguardam pelos adversários que virão do Round 5.

Com a passagem de oito atletas para o Round 6, os atletas que não avançaram diretamente precisarão encarar uma fase de repescagem, composta por oito baterias com três atletas em cada. Os dois primeiros em cada duelo avançam para a fase seguinte, encontrando os vencedores da fase anterior.
Tops estreiam no Itacoatiara Pro 2014

Por Danilo Caboclo / Fotos Tony D´Andrea

27 de julho de 2014

Dois campeões sul-americanos no Red Nose Pro Junior

As inscrições continuam abertas até a véspera do início do Red Nose Pro Junior.

Os dois últimos campeões sul-americanos da categoria para surfistas com até 20 anos de idade, estão confirmados na estreia do Red Nose Pro Junior, que vai abrir a disputa pelo título masculino do ASP South America Pro Junior Series 2014 nos dias 8 a 10 de agosto em Baía Formosa, no Rio Grande do Norte. O catarinense Luan Wood defende o título conquistado sobre o peruano Juninho Urcia nas esquerdas de Lobitos, no Peru. Já o campeão de 2012, Italo Ferreira, vai competir em casa nas direitas do Pontal de Baía Formosa, onde iniciou no esporte. Este será o primeiro evento internacional na sua cidade e cerca de 50 surfistas da nova geração já garantiram a participação, inclusive de outros países como Peru e Argentina.
Luan Wood (BRA) / Foto Clyde Villalobos
A maioria é do Brasil, com a lista das promessas do esporte de vários estados do Sul, Sudeste e Nordeste do país, sendo encabeçada pelo atual campeão sul-americano Pro Junior da ASP South America, Luan Wood. O catarinense está na Califórnia para disputar a prova da categoria Sub-20 de um dos maiores campeonatos do mundo, Vans US Open of Surfing em Huntington Beach, que na mesma semana vai promover uma etapa do WCT feminino e uma masculina do ASP Prime. Depois, Luan Wood volta ao Brasil e parte para o Rio Grande do Norte, para iniciar no Red Nose Pro Junior a corrida pelo bicampeonato sul-americano Pro Junior em Baía Formosa.

Quem também pode conseguir esse feito é o potiguar Italo Ferreira, que faturou o título no ranking do circuito ASP South America Pro Junior Series 2012, mas não participou da única etapa realizada no ano passado em Lobitos, no Peru. Com isso, ficou de fora do Mundial Pro Junior de 2013, que pela primeira vez foi realizado no Brasil e com Gabriel Medina conquistando seu primeiro título mundial da ASP na Praia da Joaquina, em Florianópolis (SC). Italo agora vai começar a disputa pelas quatro vagas no time sul-americano para o próximo Mundial Pro Junior em casa, no reefbreak de direitas que surfa desde criança.
Ele já está começando a competir em etapas profissionais do ASP Qualifying Series e conseguiu dois bons resultados nas três provas que participou esse ano, chegando as semifinais no ASP 6-Star do México e no ASP 3-Star da Argentina. No momento, Italo Ferreira ocupa a 44ª posição no ranking que indica dez surfistas para a elite dos top-34 do Samsung Galaxy ASP World Championship Tour. Além dos campeões sul-americanos, também são fortes concorrentes ao título do Red Nose Pro Junior em Baía Formosa o peruano Juninho Urcia, vice-campeão na final contra Luan Wood no ano passado no Peru, o argentino Facundo Arreyes e os brasileiros Matheus Navarro, Deivid Silva, Yan Daberkow, Pedro Neves, entre outros.

A lista dos inscritos está bastante renovada em relação aos que competiram em Lobitos no ano passado. Alguns já estouraram o limite de 20 anos de idade e 31 dos 39 confirmados na categoria masculina do Red Nose Pro Junior, não participaram da única etapa do ASP South America Pro Junior 2013 no Peru. Os oito que disputaram o título sul-americano do ano passado e já confirmaram presença em Baía Formosa são o atual campeão Luan Wood, o vice Juninho Urcia, o argentino Facundo Arreyes e os brasileiros Deivid Silva, Daniel Araujo, Pedro Neves, Cainã Barletta e Pedro Nogueira.
Ítalo Ferreira (BR) / Foto Fabriciano Jr./ Dendê
2ª Etapa Feminina - O Red Nose Pro Junior será a primeira etapa do ASP South America Pro Junior Series 2014 a realizar as duas categorias. A masculina vai começar no Rio Grande do Norte, mas a feminina já foi iniciada no Peru com uma reedição da decisão do título sul-americano do ano passado. Só o resultado foi invertido, com Miluska Tello carimbando a faixa da campeã Melanie Giunta em San Bartolo para largar na frente na corrida pelo troféu de melhor Sub-20 da América do Sul esse ano. As duas ainda não confirmaram suas inscrições na única etapa no Brasil em Baía Formosa, pois a próxima que vai definir os campeões sul-americanos e a equipe para representar o continente no Mundial Pro Junior da ASP será de novo no Peru, de 16 a 20 de setembro em Chicama.

Entre as meninas já inscritas, apenas quatro estão no ranking 2013 da ASP South America, a peruana Vania Torres, a argentina Josefina Ane e as brasileiras Marina Rezende e Karol Ribeiro. Elas também participaram da primeira etapa feminina deste ano em San Bartolo, no Peru. A melhor foi Vania Torres, que só parou nas semifinais e ocupa a terceira posição no ranking sul-americano Pro Junior de 2014. As duas brasileiras ficaram nas quartas de final e dividem a quinta colocação, enquanto a argentina perdeu uma fase antes e ficou em nono lugar.
Pontal de BF / Foto Eros Sena/Terra Filmes
A cidade de Baía Formosa fica a 96 Km ao sul de Natal, a capital do Rio Grande do Norte, na divisa com o estado da Paraíba. A antiga vila de pescadores ganhou fama pela qualidade das ondas do seu litoral, principalmente as do pointbreak de direitas batizado de Pontal, mais conhecido por Pontal de BF. Foi lá que o maior ídolo do surfe brasileiro em todos os tempos, o paraibano Fabio Gouveia, moldou o seu surfe para depois brilhar no cenário internacional nos muitos anos que defendeu o país no Circuito Mundial da ASP. Já entre os nativos de Baía Formosa, os principais talentos são Alan Jhones que já chegou perto do título brasileiro profissional e agora Italo Ferreira, que já conquistou o título brasileiro e sul-americano Pro Junior.

Por João Carvalho

26 de julho de 2014

Kelly Slater diz estar sem motivação

Papo do Careca? Ou a pura das verdades?

Será que o careca ainda tem motivação para estar no Tour de 2015? O 12º título mundial de surf aina tem significado para ele? São os questionamentos dos últimos anos. A lenda do surf, Kelly Slater, em entrevista à 'Stab', abordou estes e outros temas. Com declarações enigmáticas que só o tempo irá mostrar se são verdadeiras ou não.
Foto ASP
Confrontado sobre a sua aparente descontração após ser eliminado na terceira bateria do J-Bay Open por Matt Wilkinson, Kelly afirmou: “Estou com dificuldade em manter a motivação. Quando as ondas são boas, como em J-Bay, tenho muita vontade em surfar, porém, não encontro mais a determinação no meu desejo de competir. Estou numa encruzilhada com tudo isto.”

Perguntado se após ganhar milhões de dólares ele mantém a "sede" pelo 12º título o próprio respondeu que: “para ser honesto, não tenho a certeza se eu ganhasse o 12º título mudaria alguma coisa para mim. É bom terminar o ano no topo do surf mundial, mas os meus conceitos têm mudado. O que parece importante numa fase da tua vida, pode deixar de ser em outra fase.”

Kelly abordou o caso de Jeremy Flores, onde mostrou compreensão com a reação do francês, tendo recordado um episódio vivido pelo próprio há uns anos, mas deixou claro que o francês só pode culpar a si próprio. Também falou da eliminação precoce de Jordy Smith. Kelly considera que Jordy surfa de forma ‘incrível’, faltando apenas ter um foco diferente em certos heats. O careca se mostrou com muita vontade em participar do do Big Wave World Tour. "Se o calendário  o permitir”, declarou.

Para finalizar, a pergunta clássica: Teremos Kelly no Tour do próximo ano? “Ainda não tomei essa decisão. Sinto que me falta acabar algo, mas ainda tenho de perceber o quê”.

Fonte SurfTotal

Tequila ardida: cearenses invadem o México

Entre as Trips que mexem com o imaginário dos bodyboarders o México é um dos destinos mais desejados. A vantagem de investir economias na realização desse sonho está na constância de ondas da costa pacífica mexicana, com água sempre quente, vento terral que sopra sagradamente todas as manhãs, excelentes picos com fundo de areia quase sempre proporciona tubos e rampas para as manobras.
Acreditando nessa ideia um grupo formado pelos bodyboarders Cearenses Marcelo Freitas, Luis Sérgio, Vladinir Marciel, Helton Nogueira, João Vitor Parente, Tainan Monte e Paulo Osmar com seu filho Zion, embarcaram no mês de maio desse ano para terras astecas, mas precisamente para cidade de Puerto Escondido, situada a 800 quilômetros ao sul da Cidade de México.

Puerto Escondido é mundialmente conhecida pela praia de Zicatela, onde quebram ondas de até 20 pés com uma constância incrível entre os meses de março e outubro. O fundo de areia é um misto de sonho e pesadelo, pois como não há canal para entrar significa que pegar o tubo da sua vida, pode te levar a ganhar também uma série mortal de ondas fortes. Nada que de deixe mais de 30 segundos debaixo d’água, porém, é o que te leva a pensar na morte. O recomendável é estar com fôlego em dia para não passar nenhum perrengue.
Também conhecida como “Mex Pipe” o pipeline mexicano foi o cartão de visita quando a equipe chegou no dia 16 de maio. Foram 11 dias em Puerto com três swells seguidos e o mar sempre com 6 pés pra mais. Nos melhores dias Zicatela quebrou com 8 pés perfeitos, abrindo para os dois lados.

Momentos tensos também fizeram parte da trip. Foi o que aconteceu com Paulo Osmar, atingido atingido por séries de quase 3 metros na cabeça. "Estava voltando para o line quando uma big série com mais de 10 ondas quebraram literalmente em cima de mim", conta. Enquanto passava pelo perrengue Osmar diz ter entendido todo sentido da Caveira Mexicana (que segundo a cultura local simboliza a vida e afasta os maus espíritos ). Depois de quase se afogar e sair do mar vomitando toda água salgada que engoliu, passou quase 30 minutos deitado na areia para recompor suas forças. O trauma psicológico foi tão grande que o atleta ficou com febre à noite e só voltou a cair dois dias depois.
Nos dias de condições fora de controle na Playa de Zicatela a melhor opção para os atletas foi Punta Colorada. Era o momento de tirar a tensão de Zicatela, pois Punta Colorada é uma onda mais "divertida", quebra próximo da areia e forma triângulos perfeitos para direita e esquerda que propiciam bons tubos e qualquer tipo de manobras.

Toda a aventura foi batizada de Tequila Ardida, que com certeza se tornou inesquecível em vários aspectos. Os bodyboarders foram muito bem recebidos pelo povo mexicano, pegaram ótimas ondas e fizeram tubos inesquecíveis. "Gracias México!"

Por Tainan Monte / Fotos arquivo pessoal

Suplex lança Stand Up assinado por Bezinho Otero

Destaque no cenário nacional e internacional, Bezinho Otero, pioneiro do Stand Up Paddle (SUP) no Rio de Janeiro, fechou uma parceria com a Supflex, marca especializada em Stand Ups Infláveis, com o intuito de desenvolver uma prancha que tem como máxima:  diversão para qualquer ocasião, sem perder a performance. E a partir de pesquisas com alguns protótipos, a parceria culminou no modelo Supflex Otero.
Com design revolucionário, a prancha tem, entre outros diferenciais, o outline que conta com um “wing” (estreitamento) na rabeta, facilitando as viradas e as mudanças de direção rápidas, chamadas “pivot turns”. Bezinho participou de todo o processo, como explica: “Depois de muitos desenhos e rabiscos, testei dois protótipos passando constantemente o feedback para o pessoal de desenvolvimento de produtos. Ao final, chegamos a  esse modelo batizado de Supflex Otero que superou nossas expectativas”, conta ele lembrando que a prancha foi planejada para que fosse bem rígida, estável, sendo testada nas mais diversas condições.

“Desde o começo da parceria com a Supflex, testei todos os tipos de pranchas infláveis em diversas condições: mar, lagoas, corredeiras, cachoeiras. E a Supflex Otero mostrou que é uma prancha diferenciada”, avalia Bezinho, um dos primeiros a remar de SUP na Cataratas de Foz do Iguaçu, experiência que serviu para nortear o desenvolvimento do equipamento. Sobre o fato de ter um produto sendo licenciado com seu nome, diz ele:
“É uma sensação super diferente e, ao mesmo tempo, gratificante. Não é todos os dias que você tem um produto sendo vendido com o seu nome, né? Por outro lado, essa prancha não surgiu do nada. Foi fruto de um trabalho em conjunto baseado em muita confiança de ambas as partes e testes em todas as condições para chegar a um produto de primeira linha”, conclui. www.supflex.com.br

Fonte Mídia Bacana

25 de julho de 2014

Circuito Mundial de Bodyboard 2014 terá início neste sábado

Não foi nessa sexta-feira (24) que os amantes do bodyboard puderam ver o início da principal competição da modalidade no país. O Itacoatiara Pro 2014, segunda etapa do Circuito Mundial de Bodyboard, teve seu início adiado e a previsão aponta para o início do evento neste sábado (26), quando uma boa previsão aponta para o início do evento em Niterói.
Vista aérea da estrutura montada em Itacoatiara - Foto: Tony D´Andrea
Com isso, os atletas aproveitaram o dia de folga para treinar nas ondas de Itacoatiara. “Hoje, mesmo sem onda e com vento, fiz um treino rápido para me manter no ritmo. Nesses dias sem evento tenho ficado tranquilo. Descanso e converso com os amigos e familiares sempre para me manter focado no evento. Estou bem tranquilo e motivado para pegar boas ondas”, disse o atual número 2 do ranking mundial, Uri Valadão.

Com o início do evento programado para esse sábado, estão previstas as disputas dos rounds 1 e 2. Mesmo nas triagens, o Itacoatiara Pro 2014 conta com um nível altíssimo desde o seu princípio. Estão escalados nas fases iniciais o local Lucas Mendonça, o canário Airam Cabrera, ex-top do Circuito Mundial, Israel Salas – atual bicampeão brasileiro -, Leonardo Costa, tricampeão nacional, entre outros.

Atrações fora d´água:
Contando uma extensa programação de atividades, o Itacoatiara Pro 2014 apresenta uma boa programação para os próximos dias do evento. Shows, ações ambientais e festas fazem parte do cronograma do evento já a partir deste sábado. Confira um vídeo do freesurf antes do início da competição: http://vimeo.com/101669179

Por Danilo Caboclo

Surfistas de todo o Brasil querem o título Paulista de Surf Profissional

O circuito é paulista, mas é disputado por surfistas de todo o litoral brasileiro. Atrativos não faltam ao Maresia Paulista de Surf Profissional, que terá a sua segunda etapa, nos dias 16 e 17 de agosto, na Praia de Maresias, em São Sebastião. A competição vale importantes 1.500 pontos no ranking da Abrasp. E a premiação é outro chamariz, com R$ 30 mil, sendo R$ 8 mil ao primeiro colocado, e mais R$ 1 mil ao vencedor da Overboard Expression Session.
Ítalo Ferreira
Na primeira etapa deste ano, em Guarujá, foram 104 surfistas inscritos, sendo 53 paulistas ou que moram no Estado, representando apenas 52,5% do total. A outra quase metade foi de atletas de dez estados. Dos 16 melhores colocados, metade foi de outros estados, incluindo o vencedor e o segundo colocado, o potiguar Ítalo Ferreira e o cearense Messias Félix. O Nordeste, inclusive, contou com 17 competidores, de cinco estados – Bahia, Ceará, Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do Norte.

As inscrições para a segunda etapa do ranking seguem abertas e até sexta-feira (25) são exclusivas apenas para surfistas profissionais de São Paulo. A partir de sábado (26), o procedimento é liberado aos profissionais de todo o Brasil e, do dia 5 a 11 de agosto (até às 17h), atletas amadores podem se inscrever nas vagas remanescentes. A organização alerta que as inscrições podem ser encerradas a qualquer momento, caso o limite de 96 competidores seja preenchido.

Para se inscrever, é preciso enviar e-mail para inscricao@fpsurf.com.br, mencionando o nome de competição, se é profissional ou amador e local onde reside. Após envio, aguardar resposta confirmando a participação na etapa. A taxa é de R$ 180,00 para atletas de São Paulo e R$ 170,00 para competidores de outros estados.

Este ano, o Maresia Paulista de Surf Profissional 2014 terá três etapas, com a final, em Ubatuba, nos dias 18 e 19 de outubro, na Praia de Itamambuca. O campeão paulista ganhará uma moto, oferecida pela Tent Beach, enquanto que o campeão do Circuito, independente do estado de origem, leva uma passagem para o Havaí, e o vice viaja o Peru, numa parceria com a Nias Tour. Além disso, o público é premiado com duas pranchas Wave Star por etapa.

Fonte FMA Notícias / Foto Silvia Winik

Definidos os cabeças de chave do Itacoatiara Pro 2014

A APB (Association of Professional Bodyboarders) anunciou na quinta-feira os cabeças de chave do Itacoatiara Pro 2014, segunda etapa do Circuito Mundial. Em busca de U$40.000.00 – uma das maiores premiações do tour no ano – dezenas de atletas competem na onda mais poderosa do Brasil. Entre os top-16, os brasileiros ocupam metade das vagas. Helliton Loureiro (ES), Guilherme Tâmega (RJ), Eder Luciano (SC), Uri Valadão (BA), Lucas Nogueira (ES), Nicholas Bastos (RJ), Magno Passos (ES) e Roberto Bruno (CE) asseguraram vaga na fase principal do evento.
O Round dos tops é composto ainda pelo atual campeão mundial, Ben Player (AUS), o vencedor do Itacoatiara Pro 2013 – Amaury Laverhne (REU) – e o campeão mundial Pierre Louis Costes (FRA). Além deles, Iain Campebell (quinto colocado em 2013 – AFS), Jared Houston (AFS), Alan Muñoz (CHI), Alex Uranga (BAS) e o nove vezes campeão mundial Mike Stewart (HAV) são os cabeças de chave do evento. Destaque também para os convidados do evento: Dudu Pedra, Gugu Barcellos e Guilherme Corrêa ficaram com as vagas destinadas ao evento. Já a vaga da APB, antes herdada por Tanner McDaniel passou para o carioca João Gabriel, uma vez que o havaiano garantiu seu seed com os pontos.

Previsão de início para sábado:
O início da janela de espera do Itacoatiara Pro 2014 já está em vigor, porém, a com previsão de chuva e mar pequeno a direção de prova prevê o começo do campeonato para sábado, quando o mar reage devido a entrada de uma ondulação mais consistente, que tem animado bastante os organizadores e atletas. Além das disputas dentro d´água, o Itacoatiara Pro 2014 conta também conta uma extensa programação de atividades paralelas. Para mais informações acesse: www.itacoatiarapro.com

Por Danilo Caboclo / Foto André Carvalho

Vídeo: 1ª etapa do Hang Loose Surf Attack, em Santos

Vídeo: confira um pouco do que rolou dentro e fora d'água na primeira etapa do Hang Loose Surf Attack 2014, em Santos. Produção: Hang Loose; Imagens e edição : Pablo Aguiar; Supervisor Musical: Léo Telles Motta.

Fonte FMA

Magno Pacheco pode ser Supercampeão no Rip Curl pela 3ª vez

Atual supercampeão, título especial e único do Rip Curl Guarujaense de Surf, disputado entre os campeões municipais, o experiente Magno Pacheco quer ser o primeiro tri nessa conquista. O circuito começa no próximo final de semana (26 e 27), em alguma praia da Ilha de Santo Amaro a ser definida pela organização, de acordo com as previsões, no melhor estilo “The Search”.
Magno Pacheco
O surfista de 25 anos, que também faturou o título máximo do evento em 2006, demonstra confiança em seu potencial, mas sabe que o caminho não será fácil. “Vou fazer tudo para que isso aconteça. Sei que a cada ano a disputa é maior e a nova geração está vindo com tudo. A molecada está radical e tem muito surf de linha. Não sou muito radical, mas tenho boas manobras e que os juízes gostam de ver”, afirma.

Além da importância de vencer um título em sua cidade, ele tem como motivação a nova premiação oferecida ao melhor surfista de Guarujá: uma inédita viagem para a Indonésia, com passagens aéreas e hospedagem durante dez dias na ilha de Bali. “Já fui para a Indonésia e achei um sonho. E quero voltar naquele lugar. Sem dúvida, é um grande incentivo. Uma viagem que ajuda o atleta a evoluir nas ondas tubulares”, comenta Tim, como é conhecido.

Ele reforça que vem se preparando bem para a disputa, seja em qual praia for definida. “Gosto de competir nesse circuito desde pequeno. É especial para mim. Treino manobras que os juízes estão valorizando nos campeonatos. Isso me ajuda a passar as baterias e chegar junto com essa molecada nova”, complementa.

Neste ano, o Rip Curl Guarujaense de Surf terá nove categorias, tendo como novidade o Stand Up Paddle (SUP). Também estarão em disputa a open, a júnior (até 18 anos), a mirim (no máximo 16 anos), a iniciante (limite de 14 anos), a estreante (12 anos para baixo), a feminina, a master (35 anos em diante) e a longboard (pranchões).

As inscrições devem ser feitas no palanque fixo na Praia do Tombo, das 14 às 18h, e pelos telefones (13) 99101.8367, com Ricardo Simonian, o Roley, e (13) 33543191, na ASG, com Paulinho. A taxa é de R$ 80,00, mais um quilo de alimento não perecível (exceto sal e açúcar), que deve se entregue, obrigatoriamente, no Beach Marshal, antes da disputa da primeira bateria.

Por Fábio Maradei / Foto Silvia Winik

ATENÇÃO: Etapa adiada do ASN Cyclone Nova Geração de Surf 2014

A Segunda Etapa será no próximo final de semana, nos dias 2 ou 3 de agosto.

Estamos acompanhando as previsões, e com a proximidade do final de semana a margem de erro é pequena. Sábado terá ondas de 1,5m a 2,0m, com ondulação de sul, vento sudoeste fraco e grande possibilidade de chuva. Domingo o mar se manterá acima de 1,5m e sofrerá influência de sudeste. Outra ondulação entrará no início da próxima semana, e o fundo de areia tende a melhorar, o que também favorece a opção pelo adiamento.
 
Terça-feira de pouco movimento na praia mais famosa de Niterói. Foto Specker/IBA

O banco de areia na saída do Canal de Itaipu está muito raso, impossibilitando a transferência do evento para lá. A praia de Piratininga também vem sendo monitorada, e com mar pequeno tem apresentado boas ondas no Desvio, o canto esquerdo. Mas com a subida para este final de semana, dificilmente terá boas condições para a garotada. Como oferecemos categorias de base para iniciantes no esporte, tomamos a decisão baseada na segurança dos atletas.

 As inscrições continuam abertas, custam R$35,00 (trinta e cinco reais) e devem ser feitas na loja da Cyclone no primeiro piso do Plaza Shopping ou na TSN, próximo ao Corpo de Bombeiros da Região Oceânica. Competidores de outras cidades podem se inscrever diretamente com o presidente Renato Bastos, através dos telefones 21 7741-3221, 9-8166-4447, ou 9-8409-3822. A nova geração será dividida em seis categorias: Iniciante (sub-14), Infantil (sub-12), Petit (sub-10), Pré-Petit (sub-8), Escolinha Masculino e Feminino.

Por Danilo Caboclo