27 de abril de 2013

Prancha de stand up paddle para pessoas com deficiência

Foram oito meses de planejamento para que a prancha idealizada pelo paulistano Robson Careca caísse nas mãos do shaper Fernando Santos, proprietário da marca Tom Pool Surf Boards. “Ela mede 11 pés e os cuidados são simples, é só subir e remar”, garante Careca, que há 15 anos refez a sua vida em cima de uma cadeira de rodas. Ex-surfista profissional, waterman e segurança de água em campeonatos de surf, Careca usa de toda a sua experiência de vida no oceano para levar um novo olhar para quem se vê limitado, seja cego, cadeirante, auditivo, obesos ou síndrome de down. “Meus projetos visam colocar pessoas com qualquer tipo de deficiência no mar e usufruir da remada no braço ou com remo visando a qualidade de vida”.
Robson Careca e sua prancha adaptada 
A nova prancha de stand up paddle conta com pisos táteis direcionais e de alerta para cegos, alças de apoio e elevação peitoral, além de um design arrojado nas bordas para facilitar a remada e propulsão dos cadeirantes remarem deitado. “Ela foi para o mar há um mês para teste e quem a usou achou fantástica”, festeja Careca que avisa: o projeto é itinerante, basta entrar em contato comigo pelo telefone (12) 9634-2416. Quem se interessar por pranchas adaptadas pode encomendar a sua. “Estamos desenvolvendo para pessoas e entidades interessadas pelo produto, a fim de formar novos adeptos na modalidade pelo Brasil, e posteriormente, inserir a categoria em todas as etapas do circuito regional e internacional”.

Fundador do projeto Mão na Borda, Robson Careca tem rodado o país, por conta própria, em busca de acessibilidade para cadeirantes e pessoas portadoras de necessidades especiais. “Estamos cada vez mais acelerados, adaptando diversos locais, empresas e cidades, seguindo todas as normas exigidas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT)”. Sua vivência na locomoção contribui para aprovar e opinar nas instalações observando conforto e praticidade. “Ajudamos no fomento do turismo adaptado para todos com inclusão e responsabilidade social. Precisamos deixar os espaços mais acessíveis, sejam nas empresas e comércios, e redes hoteleiras adaptados”.
Robson Careca participando da primeira etapa do Aloha Spirit
Ovacionado – Há um mês, o surfista especial Robson Careca completou mais uma de suas aventuras em prol da qualidade de vida de todos. Na praia do Perequê, em Ilha Bela, litoral norte de São Paulo, ele foi aplaudido pelo público ao completar a prova de 12 km em cima de sua paddle board. “Foi sensacional, brilhante. Fui ovacionado e ajudei a difundir essa nova modalidade. Sou o primeiro supista brasileiro com deficiência a participar de um campeonato”, conta Careca feliz com o resultado alcançado na primeira etapa do Aloha Spirit, maior Festival Paddle do Brasil. “O objetivo foi abrir portas para que outras pessoas passem a se interessar por essa modalidade”, continua.

“Competi na categoria geral ao lado de atletas sem deficiência. Tive a chance de mostrar garra, determinação e força de vontade, e dizer para todos que o limite está na mente dos acomodados e com fé e coragem tudo é possível”, ensina Robson Careca, que em 1998 sofreu um acidente de carro voltando do Litoral Norte de São Paulo e ficou paraplégico. Nos dias 21 a 23 de junho será realizada a segunda etapa do Aloha Spirit, desta vez no Rio de Janeiro. Robson Careca já confirmou presença. Mais informações sobre o campeonato no site www.alohaspirit.com.br.

Por Marcos André e Araújo / Fotos Green Pixel

Nenhum comentário:

Postar um comentário