2 de abril de 2013

Jihad Khodr vence na terra dos hermanos!

O paranaense Jihad Khodr venceu a final brasileira do Rip Curl Pro Argentina e largou na frente na corrida pelo título sul-americano do ASP South America Surf Series 2013 com 750 pontos. Ele surfou as melhores ondas que entraram na bateria para aplicar uma "combination" sobre os adversários, que no surfe é como ganhar de goleada com mais de dez pontos de vantagem. Jihad fez um novo recorde de 16,66 pontos para o campeonato, com as notas 7,33 e 9,33 que recebeu dos juízes. O catarinense Matheus Navarro foi o vice-campeão, o paulista David do Carmo ficou em terceiro lugar e o baiano Marco Fernandez em quarto na última bateria que rolou na segunda-feira (1º de abril) de ondas difíceis de 2-3 pés na Playa Grande de Mar del Plata. "Na verdade, tudo vem de Deus. Ele está dentro de todos e só precisamos acordá-lo", foram as primeiras palavras do campeão Jihad Khodr, com muita espiritualidade. "Eu venho fazendo um trabalho desde 2009 de aceitação, de transformação e essa vitória é resultado disso. O mar estava bem difícil, mas estou conectado com a Natureza e as ondas vieram para mim porque Deus quis assim, então o título não é meu e sim de todas as pessoas que estiveram aqui lotando a praia todos esses dias".
Jihad Khodr (BR) / Foto Leandro Barsocchini
O paranaense que já integrou a elite mundial do WCT, viveu vários problemas pessoais e chegou a perder um título de campeão brasileiro por não fazer o exame anti-doping na última etapa do circuito de 2007, como exigia o regulamento na época. Depois também perdeu a vaga na divisão principal da ASP e chegou a ficar um tempo sem competir. Mas, Jihad se mostrou guerreiro como o próprio nome se traduz, passou a seguir os passos da sua família muçulmana e está de volta ao pódio com uma vitória espetacular no ASP 3-Star Rip Curl Pro Argentina. "Estou colhendo o que estou plantando e só tenho que agradecer as pessoas que sempre me apoiaram, minha família, meus amigos e a Deus do céu, que está dentro de mim agora", continuou Jihad. "Já passei por fases difíceis na vida e tive que renascer, me recuperar, aprender os ensinamentos de Deus. Não adianta nada ter tudo no plano material, se você não tiver paz de espírito e Deus no coração. Então, agora passo essa mensagem de humildade e simplicidade que devemos praticar dentro de nós mesmos".

O paranaense começou e terminou a segunda-feira com vitória, mas teve que trabalhar bastante nas ondas irregulares da Playa Grande para chegar a grande final da primeira etapa do Circuito Mundial na América do Sul este ano. Na decisão do título, largou na frente com nota 7,33 e só perdeu a ponta para Matheus Navarro. Ele continuou buscando as direitas, mas fechavam muito rápido. Então foi para as esquerdas e achou uma boa onda para acertar três manobras fortes de backside e arrancar um 9,33 dos juízes. Com ela, aumentou o maior placar do campeonato para 16,66 pontos e faturou os 8 mil dólares oferecido para o campeão do Rip Curl Pro Argentina. "Acredito que essa vitória pode mudar alguma coisa também no plano profissional", disse Jihad Khodr. "Estou sem patrocínio há tempos e quero agradecer um amigo, o Diego, que me ajudou para estar aqui. Creio que tudo vai acontecer naturalmente, com a força do meu pensamento e muita fé em Deus. Agora é continuar caminhando passo a passo para voltar aos poucos ao Circuito Mundial. Eu estava parado há um tempo, contundi meu tornozelo, tive um filho também e se Deus quiser vou retornar para o WCT, onde é o meu lugar".
Podio / Foto Leandro Barsocchini
E esse recomeço pode ter sido com os 750 pontos que também foram válidos para o ranking mundial unificado da ASP, o ASP World Ranking, que classifica dez surfistas para a divisão principal do circuito mundial. Esta foi a segunda vitória da carreira de Jihad Khodr nas 150 etapas da ASP South America completadas agora no Rip Curl Pro Argentina. A única tinha sido em 2004 na cidade de Torres, no litoral norte do Rio Grande do Sul. Este evento também marcou o retorno da Argentina ao calendário mundial da ASP, depois de 12 anos de ausência. A Playa Grande ficou lotada durante todos os dias, comprovando o grande sucesso da sétima etapa da ASP South America disputada em Mar del Plata desde 1992, quando foi implantado o sistema de dois rankings pela ASP. Esse número iguala a quantidade de provas realizadas em dois importantes palcos do esporte no Brasil, a Praia das Pitangueiras no Guarujá (SP) e a Baía de Maracaípe, em Ipojuca (PE). Um total de 86 surfistas de dez países participou do Rip Curl Pro.

A maioria era do Brasil, com quatro deles chegando na final para decidir o título em Mar del Plata. Competindo em casa, a Argentina formou o segundo maior pelotão nacional e o argentino Marcelo Rodriguez foi o único não brasileiro a conseguir uma vaga nas semifinais, terminando empatado com o paulista Renato Galvão em sétimo lugar no evento. Já os principais cabeças de chave do campeonato, os também paulistas Hizunomê Bettero e Flávio Nakagima, ficaram em quinto por terem perdido em terceiro lugar nas suas baterias. O próximo evento da ASP South America é o ASP Prime de 250 mil dólares e 6.500 pontos, o Coca-Cola Quiksilver Saquarema Pro que foi confirmado para os dias 20 a 26 de maio na Praia de Itaúna, em Saquarema, na Região dos Lagos do Rio de Janeiro. O campeonato mais importante das séries classificatórias para a elite dos top-34 da ASP, será disputado logo após o encerramento da etapa brasileira do WCT, o Billabong Rio Pro, marcado para os dias 9 a 18 na capital carioca.

Final do Rip Curl Pro Argentina:
Campeão: Jihad Khodr (BRA) com 16,66 pontos (9,33+7,33) - US$ 8.000 e 750 pontos
Vice-campeão: Matheus Navarro (BRA) com 10,67 (6,00+4,67) - US$ 4.000 e 563 pontos
Terceiro lugar: David do Carmo (BRA) com 9,27 (5,10+4,17) - US$ 2.500 e 422 pontos
Quarto lugar: Marco Fernandez (BRA) com 8,63 (4,80+3,83) - US$ 2.000 e 369 pontos

Por João Carvalho  

Nenhum comentário:

Postar um comentário