1 de abril de 2013

Brasileiros despacham os melhores do mundo em Bells Beach

Um dia histórico para os brasileiros no ASP World Tour na segunda-feira de boas ondas de 4-6 pés em Bells Beach. Os paulistas Adriano de Souza, Filipe Toledo e o catarinense Willian Cardoso, passaram para as quartas de final do Rip Curl Pro, mas o "Brazilian Day" na Austrália começou nas vitórias contra os melhores do mundo no início do dia. Willian Cardoso eliminou o maior ídolo do esporte, Kelly Slater, no terceiro duelo da segunda-feira. E no quarto, o defensor do título mundial, Joel Parkinson, ganhou a primeira nota 10 do campeonato e mesmo assim foi batido pelo carioca Raoni Monteiro, que estabeleceu um novo recorde de 19,17 pontos de 20 possíveis para o Rip Curl Pro 2013. "Ninguém gosta de perder", lamentou Joel Parkinson. "Muito menos quando você tem uma nota 10 e uma 9 na bateria, mas o Raoni (Monteiro) surfou muito bem e se ele ganhou de mim com esta pontuação, então merece todos os créditos. Sair precocemente em Bells é uma oportunidade perdida, mas temos uma longa temporada pela frente ainda. Agora só penso em me concentrar no Brasil", disse o australiano, referindo-se a próxima etapa do ASP Tour 2013, o Billabong Rio Pro, nos dias 8 a 19 de maio no Rio de Janeiro.
Willian Cardoso (SC) / Foto S. Robertson / ASP
A marca de Raoni Monteiro foi a segunda maior do ano, só não superando os 19,37 de Kelly Slater nas semifinais do Quiksilver Pro Gold Coast nos tubos de Kirra Point, também na Austrália. O carioca depois perdeu para Adriano de Souza na primeira rodada classificatória para as quartas de final. E na repescagem, acabou saindo da competição em uma bateria fraca de ondas na maré cheia em Bells Beach. Ele chegou até a tirar a maior nota (9,0), mas, na soma das duas computadas, Mick Fanning levou a melhor por 16,37 x 14,63 para seguir defendendo o título do Rip Curl Pro na Austrália.

O australiano será o adversário de Mineirinho na terceira bateria das quartas de final, que ficaram para abrir o último dia da segunda etapa do ASP Tour 2013, que ainda tem prazo até o próximo domingo para ser encerrado em Bells Beach. Adriano de Souza também passou a aparecer na lista dos maiores placares do ano na segunda-feira, com os 18,67 pontos da vitória sobre o norte-americano Kolohe Andino na terceira fase. Depois passou direto para as quartas de final, mandando Raoni Monteiro e C. J. Hobgood pra repescagem.
Raoni Monteiro (RJ) / Foto S. Robertson / ASP
É do Brasil também o único invicto do campeonato, Willian Cardoso. O catarinense, que está substituindo o contundido Miguel Pupo nas etapas do WCT na Austrália, começou o dia despachando o maior fenômeno do esporte, Kelly Slater, por 16,66 a 14,96 pontos quando o mar apresentava ótimas condições em Bells Beach. E na quarta fase, confirmou passagem direta para as quartas de final na última onda que surfou para virar o resultado para 16,50 a 16,40 sobre Josh Kerr, com o também australiano Adrian Buchan ficando em último com 16,00 pontos. "Este foi um grande dia para mim", disse Willian Cardoso. "Eu nem estava pensando em disputar este evento. Depois da Gold Coast e Margaret River, eu viajei para casa no Brasil. Só que quando cheguei lá, recebi o aviso de que eu iria competir em Bells, então voei de volta aqui pra Austrália. O Kelly (Slater) é um herói para todos nós e ganhar dele é quase inacreditável para mim. Melhor ainda que consegui outra vitória nesta tarde. Vou dar tudo de mim para tentar vencer o campeonato e ser o primeiro brasileiro a tocar o sino aqui em Bells".

O adversário de Willian Cardoso na segunda quarta de final é o jovem norte-americano Nat Young, que igualmente no último minuto eliminou Josh Kerr na repescagem. Outro estreante na elite dos top-34 do WCT é o paulista Filipe Toledo, que usou os aéreos para atropelar o campeão mundial de 2001, C. J. Hobgood, no último duelo do dia por 18,34 a 12,94 pontos. A outra vitória dele na segunda-feira foi no confronto verde-amarelo com Gabriel Medina na terceira fase. Depois foi batido pelo sul-africano Jordy Smith, a quem volta a enfrentar nas quartas de final.
Adriano de Souza (SP) / Foto Kirstin Scholtz / ASP
Os locutores da transmissão ao vivo do evento pela internet, começaram a segunda-feira falando sobre o "Brazilian Storm", termo utilizado pela mídia internacional para destacar a força da nova geração no time verde-amarelo do WCT. Mas, conforme os ótimos resultados iam aparecendo, passaram a chamar a segunda-feira de "Brazilian Day". A comprovação disso é que entre os oito finalistas, o Brasil tem o mesmo número de três surfistas da Austrália, com um norte-americano e um sul-africano completando a lista dos candidatos ao título em Bells.

A primeira vaga nas semifinais será disputada por dois australianos, Taj Burrow e Kai Otton. A segunda pelo americano Nat Young e o catarinense Willian Cardoso. Na chave de baixo, que define o segundo finalista, o defensor do título do Rip Curl Pro, Mick Fanning, enfrenta Adriano de Souza e na última quarta de final tem Jordy Smith contra Filipe Toledo. A primeira chamada da terça-feira foi marcada para as 7:30 horas, com provável início as 8:00 horas na Austrália, 6 da tarde pelo horário de Brasília.
Carissa Moore (HAV) / Foto Kirstin Scholtz / ASP
Entre a terceira e a quarta fase masculina, foi realizada a grande final feminina e a havaiana Carissa Moore foi quem primeiro badalou o sino do troféu da vitória no Rip Curl Pro 2013. A decisão do título foi bem fraca de ondas, com poucas séries entrando durante os 30 minutos da bateria. A havaiana começou bem com nota 9,57 no início e só nos últimos minutos conseguiu surfar de novo para garantir sua segunda vitória consecutiva em finais contra Tyler Wright.

A outra foi no domingo da semana passada em Margaret River e agora Carissa Moore tira da australiana a liderança no ranking das três etapas do ASP Womens Tour 2013. A brasileira Silvana Lima também surfou bem em Bells Beach e só parou na havaiana nas quartas de final, passando a dividir a nona posição no ranking com mais três surfistas. Para as meninas, o quarto desafio da temporada começa nesta quarta-feira na Nova Zelândia, enquanto para os homens o próximo é na etapa brasileira do WCT, o Billabong Rio Pro, nos dias 8 a 19 de maio na capital do Rio de Janeiro.

Por João Carvalho

Nenhum comentário:

Postar um comentário