29 de fevereiro de 2012

Premiére do Vídeo Ame-o ou Deixe-o

Sábado,  dia 10 de março, no Museu Nacional de Brasília, haverá a continuidade da sequência da Première do vídeo Skateboard Ame-o ou Deixe-o, produzido pela marca Capital Skateboard.
Neste trabalho será mostrado os anos de trabalho dos skatistas Lp Aladin, Jay Alves, Washington Pereira, Juliano Amaral, Samuel Jimmy, entre outros.

A entrada é franca e Livre para todas as idades. Local: Museu Nacional de Brasília; Data: sábado, 10 de Março de 2012; a partir das 21h30.

Por CampeonatosdeSkate

Alunos desafiam psicobloc na Barra da Tijuca

Novo point serve de treinamento para modalidade que iniciou na Espanha

O escalador Felipe Dallorto continua a sua expedição pela costa brasileira. Seu objetivo é encontrar locais para a prática do psicobloc, forma de escalada que surgiu em Mallorca, na Espanha, na década de 70. O desafio é escalar rochas a beira-mar sem equipamentos, usando somente sapatilha e tendo a água como a porta de entrada e saída. Segundo ele, para ser “psicobloc” o escalador deve subir no mínimo 10 metros de altura quando realmente afeta o psicológico.
Recentemente, com a dica de um amigo, ele foi conferir o arquipélago das Ilhas Tijucas, localizado a 10 minutos de barco saindo do canal de Marapendi, na Barra da Tijuca (RJ). “A Ilha Alfavaca possui um pequeno cânion com uma parede vertical para negativa com boas agarras. Com aproximadamente 7 metros de altura, as vias são muito fáceis tornando uma excelente opção para quem quer se preparar para a modalidade”, conta Dallorto que desde 2008 vem explorando diversos picos pelo país.

Com a descoberta, ele levou seus alunos do Centro de Escalada JPA para sentirem a emoção de escalar sem cordas tendo o mar como amparo para as inevitáveis quedas. Treinando há dois anos no Centro, Jonathas Scott, 32, revela que a experiência é marcante. “É um desafio constante, diferente da escalada convencional. A modalidade demanda muita confiança e preparo mental”.

Sobre o local, Scott se diz encantado. “Escalar na ilha foi outra sensação, outra vibe. Sentir o azul cristalino das águas duplicando para baixo a cada metro que subia na rocha foi uma sensação única”. A prática lhe trouxe superação pessoal. “A maior dificuldade está dentro de você mesmo. Precisa saber o seu limite técnico e acreditar que pode continuar, saindo da zona de conforto, isso tudo confiando que não irá cair”.
O escalador Marcus César Martins da Cruz, 33 anos, encontrou no Centro de Escalada JPA o seu retorno ao esporte. Apesar da experiência, ele confessa o quanto foi desafiador escalar sem equipamentos. “Foi uma surpresa pessoal. Não tinha ideia do quanto iria ficar “adrenado” escalar sem cordas uma rota tão técnica com a possibilidade de cair de tão alto. Certamente, um divisor de águas. Ganhei muito como escalador”.

Aos 19 anos e somente um ano e meio no Centro, Mariana Almeida também ganhou mais confiança em si mesma. “Foi a primeira vez que escalei nessa modalidade e senti bastante medo no começo, o psicológico trava bastante, mas consegui fazer uns lances tranquilos. É muito mais cabeça do que corpo. A dificuldade é conseguir controlar o medo, confiar em você, na rocha e na água”.

É notório que o esporte traz inúmeros benefícios para seus adeptos. Agregar atividade física faz bem não só para o corpo como também para a mente, e na escalada não é diferente. Para o geógrafo e pesquisador Lucas Figueira da Silva, 25 anos, “a escalada é mais do que um esporte, é um estilo de vida. É o momento para conhecer seus limites e superá-los. A escalada é autoconhecimento, consciência e amizade”.
O contato com a natureza é outro diferencial da escalada. “É um dos poucos esportes onde não existe competição com ninguém, você exerce o autoconhecimento a cada instante, trabalha a humildade e percebe sua insignificância perante a natureza e o universo”, descreve Jonathas Scott que perdeu 20 quilos em um ano e meio treinando no Centro.

“Hoje, a escalada faz parte do que eu sou, o esporte me define, me inclui, é a ponte para um outro mundo, fora da correria louca da cidade. Muitas vezes, acordo cedo nas terças-feiras, encontro com os amigos e vou escalar para começar bem o dia, depois vou para o trabalho mais revigorado e produzo muito mais”, comemora o designer Scott.

Para a estudante Mariana Almeida, a escalada foi a luz no fim do túnel. “Estava passando por um momento ruim na minha vida e precisava de alguma mudança, algo que me completasse de alguma forma. Comecei simultaneamente a lutar, a escalar e fazer downhill, mas foi a escalada que mudou bastante a minha vida e hoje não tenho outro esporte”.
Com a prática, Mariana ganhou outras lições. “Na escalada nos deparamos com alguns lances bem difíceis, acima do nosso limite. É um obstáculo que você tem que trabalhar, ter paciência e insistir. Em algum momento você acaba conseguindo. E isso é levado para a vida toda. Na hora dos problemas, das dificuldades, é preciso ter calma e insistência, nunca desistir. Escalar é muito mais que um esporte, é parte da minha vida. É algo essencial, não me imagino mais sem”.

O arquiteto e urbanista Marcus César da Cruz escala desde 2003, mas parou por uns anos, retornando somente em outubro de 2010 quando se matriculou no Centro. “Escalada é como viver, uma variedade de rotas possíveis com desafios que nem sempre estão prontos para serem superados, mas com dedicação e persistência você avança e supera limites. Não sei de outro esporte que trabalha o corpo, a mente e o espírito de forma tão completa”.

O Centro de Escalada JPA fica na Estrada do Tindiba, 1467, 2o andar, Taquara, Jacarepaguá (RJ). Abre de segunda a sexta-feira, das 15 às 22 horas. Outras informações pelo telefone (21) 2446-4034 ou pelo e-mail: contato@escaladajpa.com.br. Para conhecer virtualmente o local, acesse o site www.escaladajpa.com.br.

Por Marcos André e Araújo / Fotos Flavia dos Anjos

1º Campeonato de Skate no ECCO

Estão abertas as inscrições para o 1º Campeonato de Skate ARTE RADICAL, na melhor pista de skate indoor que Brasília já viu, Vertical Mini Half Pipe! A competição terá três categorias como a Mirim, Iniciante e Amador, com premiação até o 5º lugar. A premiação conta com kits de grandes marcas como Vans, Evoke, Crail e Hurley.
Haverá apresentações de atletas convidados e profissionais, destacando Júnior Pig e Danilo do Rosário. Não percam! Inscrições antecipadas a R$ 30,00 (trinta reais) com direito a reconhecimento da pista no sábado, 03 de março de 10h00 as 12h00, e um rolê de uma bateria de 2 horas.

Por Marcos Bollamnn

Lu Marini busca recorde intercontinental de altitude

O piloto de paramotor, Lu Marini, será o primeiro a sobrevoar vulcões ativos em um paramotor e o único na América a atingir  5.000 metros de altitude

No dia 14 de Março o Piloto de paramotor, Lu Marini, embarca para o México em busca de mais uma aventura. Ele que já realizou desafios como “Rastreando o Atlântico” e “Rastreando o Pantanal”, segue com a expedição “Rastreando o México”, em busca de dois feitos inéditos: sobrevoar com um paramotor a cordilheira vulcânica mexicana e ser o primeiro piloto de paramotor das Américas a atingir uma altitude de mais de cinco mil metros.
Lu Marini quando rastreava Atlântico / Foto divulgação
Caso consiga completar a missão, esse será o primeiro Record de Altitude Continental Americano a ser realizado e Homologado pela FAI - Federation Aeronautique Internationale (Entidade Máxima do Aerodesporto no Mundo) e reconhecido pela CAB - Comissão de Aerodesporto Brasileira (Entidade Máxima do Aerodesporto no Brasil). Até então, a FAI só homologou o Recorde Mundial de Altitude, de7.500 metros, realizado pela Espanhol Ramon Morillas em 2009.

 A perspectiva é de que o percurso de aproximadamente 1000 Km seja realizado em torno de 25 dias, dependendo das condições climáticas. No total 10 profissionais fazem parte da estrutura operacional do aventureiro, sendo que cinco fazem parte da equipe de apoio que acompanhará por terra toda expedição. Entre eles: cinegrafistas, resgate, apoio e o próprio Ramon Morillas, devido à sua larga experiência na captação de imagens aéreas e no vôo com Paramotor. A outra parte da equipe acompanha e envia informações da base do piloto em São Paulo. Além disso, Marini usará constantemente um GPS para não invadir o espaço aéreo controlado, ocupado por aeronaves de grande porte.

“É uma expedição com muitos complicadores, começando com a definição da rota, que quase nunca é possível cumprir. Isso porque sei de onde decolo, mas nunca sei onde vou pousar, devido às condições meteorológicas que enfrento durante o vôo. Nessa hora, a equipe de terra tem que estar preparada para o resgate e eu preparado para esperar. Não basta um plano de vôo. É preciso plano A, B, C e muitas vezes o alfabeto inteiro”, comenta Lu Marini.
Foram 14 meses de planejamento e estudos para definir a melhor rota a seguir e toda operação logística. Mas apesar de as expectativas serem boas, há uma grande preocupação quanto ao grau de periculosidade do desafio. Segundo Marini, “Voar a essa altitude tem vários perigos”. Primeiro os ventos fortes que não podem ser controlados ou previstos com exatidão. Depois o tempo de subida, que pode chegar a mais de duas horas. E por último, mas não menos importante, o baixo teor de oxigênio. A ausência de energia leva a uma série de mudanças metabólicas e morfológicas nas célula humanas. Para evitar problemas desta natureza Marini  voará com um cilindro de oxigênio com autonomia de duas horas.

 “Vai ser emocionante e com muita adrenalina. Uma mistura de desafios e descobertas. Vou sobrevoar a história de um País cheio de mistérios e encantos. Quero pousar em povoados, tribos e conhecer de perto a cultura escondida nos lugares de pouco acesso”, completa Marini, que já percorreu com sucesso 4000 kmsobrevoando o litoral brasileiro e 2000 km sobrevoando o Pantanal Selvagem do Brasil. O material captado em vídeo e foto será transformado em documentário e livro com todas as emoções dessa incrível e inédita aventura.

Por Priscilla Campos

28 de fevereiro de 2012

Festa do Prêmio Greenish Brasil 2011 muda de local


Premiação será realizada no próximo sábado, na barraca Guarderia Brasil, em Fortaleza, a partir das 19 horas

A direção da Greenish, empresa organizadora do Prêmio Greenish Brasil 2011, resolveu mudar o lugar da festa de premiação do concurso, que será realizada no próximo sábado, a partir das 19 horas. O novo local do evento será a barraca Guarderia Brasil, na avenida Zezé Diogo, 4.451, na Praia do Futuro, em Fortaleza (CE).

A mudança ocorreu, pois teve início a temporada de chuvas no Nordeste brasileiro e a previsão do tempo indica uma forte chuva no sábado. Apesar do local escolhido inicialmente, o "Colosso Wave Park", contar com ótima infraestrutura, a realização da festa lá poderia causar desconforto para os cerca de 500 convidados.

Esta sexta edição do Prêmio Greenish Brasil distribui R$ 63 mil, divididos em três categorias: Maior Onda, Melhor Tubo e Melhor Aéreo, todas elas surfadas em mares do País. O surfista vencedor da Maior Onda será premiado com R$ 25 mil, enquanto o cinegrafista e o shaper ganharão R$ 5 mil cada. Já para os atletas ganhadores da Melhor Tubo e da Melhor Aéreo receberão R$ 10 mil cada. Para o cinegrafista e o shaper de cada destas categorias são destinados R$ 2 mil.

ATENÇÃO - Jornalistas, fotógrafos e cinegrafistas interessados em cobrir a festa de entrega do Prêmio Greenish Brasil 2011, favor solicitar credenciamento no email rpcom1@gmail.com até a próxima sexta-feira, dia 2 de março.

Por Roberto Pierantoni

Mineirinho: único brazuca nas quartas em Snapper Rocks

Adriano de Souza enfrenta o australiano Owen Wright na primeira disputa por classificação para as semifinais do Quiksilver Pro na Gold Coast

O paulista Adriano de Souza é a única esperança de título do Brasil no primeiro desafio do ASP World Tour 2012 na Austrália. Ele ganhou a disputa pela primeira vaga direta para as quartas de final do Quiksilver Pro na bateria que abriu a terça-feira de ondas mexidas de 2-3 pés em Snapper Rocks. O australiano Owen Wright foi derrotado por Mineirinho nesta bateria e os dois voltarão a se enfrentar na primeira batalha por vagas nas semifinais na Gold Coast.
Adriano de Souza (BRA) /  Foto Steve Robertson (ASP)
Outro australiano, Josh Kerr, completou o primeiro confronto da terça-feira e também foi mandado para a repescagem pelo brasileiro. A briga com Owen Wright pela vitória foi acirrada e decidida na matemática, pois ambos somaram notas na casa dos 7 pontos. A 7,97 da última onda de Mineirinho garantiu o primeiro lugar no placar de 15,37 x 15,13 pontos entre eles. Foi nesta etapa que em 2009 Adriano de Souza fez sua primeira final no ASP Tour, que acabou vencida pelo australiano Joel Parkinson.

"Eu apenas tentei me concentrar no meu surfe porque o Owen (Wright) é um dos melhores surfistas deste evento e o Josh (Kerr) também pode conseguir qualquer nota lá fora", disse Mineirinho. "Eu procurei escolher bem as melhores ondas e às vezes a sorte está do seu lado. Foi assim pra mim hoje (terça-feira), então estou amarradão por saltar uma rodada e ir direto para as quartas de final".
Owen Wright (AUS) / Foto Steve Robertson
Mais dois brasileiros competiram nas ondas irregulares do mar mexido na terça-feira em Snapper Rocks. O cearense Heitor Alves e o paulista Miguel Pupo não conseguiram aproveitar nenhuma das duas chances para alcançar as quartas de final e começam a temporada em nono lugar no ASP World Title Race 2012, com 4.000 pontos. E Pupo ainda continua na frente do ranking mundial unificado. A liderança foi conquistada com a sua vitória no ASP Prime Hang Loose Pro Contest nos tubos de Fernando de Noronha (PE).

Heitor primeiro perdeu para o sempre favorito Kelly Slater na quarta fase e na repescagem foi batido pelo australiano-voador Josh Kerr. Também surfando de backside nas direitas de Snapper Rocks, Miguel não achou espaço no line-up para pegar as melhores ondas contra Jordy Smith e Joel Parkinson.
Stephanie Gilmore /  Foto Stephanie Gilmore
Depois, liderou todo o duelo contra Adrian Buchan, mas sem abrir grande vantagem. Nos cinco minutos finais, entrou uma onda para o australiano acertar três manobras com velocidade e ganhar nota 7,03 para virar o placar para 14,03 x 13,27 pontos. Os juízes já haviam dado uma nota 7 para ele em uma onda parecida e Buchan comemorou a conquista da última vaga para as quartas de final na bateria que fechou a terça-feira na Gold Coast.

A primeira disputa por classificação para as semifinais será entre Adriano de Souza e Owen Wright. No segundo confronto, Kelly Slater faz mais uma defesa do título do Quiksilver Pro contra Josh Kerr. Joel Parkinson arrancou a primeira nota 10 da temporada 2012 do ASP World Tour na terça-feira e vai enfrentar o sul-africano Jordy Smith na terceira bateria. E Adrian Buchan fecha as quartas de final com o também australiano Taj Burrow.
Sally Fitzgibbons / Foto Kirstin Scholtz (ASP)
No Roxy Pro as semifinais já foram definidas na terça-feira. Competindo com dores no joelho, a cearense Silvana Lima foi uma guerreira dentro d´água. Ainda despachou a neozelandesa Paige Hareb em sua primeira bateria no dia, mas nas quartas de final acabou eliminada por Laura Enever, que também foi semifinalista na Gold Coast em 2011.

O título feminino será decidido por quatro australianas. Tyler Wright barrou a campeã mundial Carissa Moore que defendia o título do Roxy Pro e vai disputar a primeira bateria com Laura Enever. Já a batalha pela outra vaga na final será entre Sally Fitzgibbons e a tetracampeã mundial Stephanie Gilmore.

Por João Carvalho

Austrália em Motorhome

Depois de 15 dias internados em Manly Beach, Sidney, os "cabras" alugaram um Motorhome e partiram em busca de surfar as melhores ondas do litoral australiano. O carro tem toda a estrutura para que uma boa trip de surf seja feita. Eles saíram de Sidney com destino a Newcastle, local onde rola a próxima etapa do WQS 6 estrelas, na qual a equipe Pena formada por Messias Felix, Alan Jhones e André Silva vão em busca do titulo inédito para surf wear Brasileira.
Foto Lima Jr.
Chegando em Newcastle, mas antes se aventuraram em três antes de ir até o local onde vai rolar o evento, mas o que viram foi apenas ondas com no máximo meio metro e muita gente na água. Seguiram até a praia onde vai rolar a competição e as condições não eram diferentes, o que foi mais gratificante foram às boas vindas dos golfinhos que disputam as ondas junto com o crowd local.

Depois de 4 horas de estrada os atletas já estavam com muita fome e foi a hora de inaugurar a cozinha da casa motorizada, o rapidinho local de BF, Alan Jhones, encarnou o espírito de cozinheiro do seu pai Cocota Jhones e quebrou tudo no cardápio, uma macarronada coisa fina.

Depois que todos estavam satisfeitos, resolveram continuar na estrada em busca de uma nova bancada que proporcionasse condições para o surf, dirigiram por mais 2 horas e chegaram à Praia de Anna Bay, uma Baía linda com um contraste de vegetação com rochas e dunas que encheu os olhos, as ondas estavam pequenas, mas deu para perceber que com a entrada de um swell naquele lugar o surf é de alto nível.

 Loucos pelas ondas André Silva, Messias Félix e Alan Jhones foram para água na companhia do conterrâneo Charlie Brown. A próxima parada será em Marion Bay.

Por Lima Jr.

Volcom Fiji Pro fora do calendário em 2012?

Apesar de não estar confirmado pela ASP, existem rumores de mais um cancelamento de uma etapa do mundial de surf para 2012. Seria o Volcom Fiji Pro, em Cloudbreak. A revista australiana Stab Magazine noticiou no seu site que existem boatos sobre a eliminação do campeonato do calendário oficial.

Se assim for, este é o terceiro evento do WT cancelado em 2012, depois do Quiksilver Pro New York e do Billabong Pro J-Bay. Lembramos que a Rip Curl, ainda durante o ano de 2011, anunciou o cancelamento do evento móvel "The Search" que ocorreria em 2012.
Se for verdade, o surf perde Cloudbreak e suas esquerdas poderosas / ASP Kirstin
Sobre o cancelamento do evento de Jeffrey's Bay, Kelly Slater escreveu no seu twitter: "Perder J-Bay é muito mau, o evento devia ter sido cancelado o ano passado, pois o mar esteve pequeno e onshore. O título mundial fica mais acessível para os goofy footers."

 A ASP se preservou em não tecer nenhum comentário acerca deste assunto. Vamos aguardar o final do Quiksilver and Roxy Pro 2012, que ocorre em Snapper Rocks, Austrália, para obter informações mais concretas por parte da entidade reguladora do surf mundial.

Uma fonte do setor da indústria do surf, disse à Stab Magazine: "É muito difícil explicar o retorno do investimento numa etapa do circuito mundial de surf." E quanto o motivo do cancelamento de mais eventos? "Há uma grande probabilidade de cancelamento de outros eventos em 2013 ou passarem a eventos menos cotados, tudo depende do mercado. Muitas empresas estão controlando mais de perto as suas despesas e os eventos fazem parte dos primeiros cortes."

Joel Parkinson, que venceu o evento em 1999 como wildcard e em 2009, disse à Stab Magazine: "É muito triste, adoro este evento. Para mim J-Bay é o melhor pointbreak do mundo."

Já Adrian "Ace" Buchan, um dos 12 goofy footers do World Tour, confirma que também ouviu rumores acerca de Fiji. "Eu ouvi o que algumas pessoas ouviram e não posso confirmar, nem negar. Espero que tal rumor não seja verdade. Perder J-Bay a semana passada foi de partir o coração. Ambas as ondas (Jeffrey's Bay e Cloudbreak) são emblemáticas e deviam estar nas 20 melhores ondas do mundo.", afirmou o australiano.

Neste momento não existe qualquer confirmação por parte da ASP. A ASP quando questionada sobre o cancelamento do evento da Volcom em Cloudbreak disse que "não foi oficialmente notificada acerca de nenhum cancelamento ou menor investimento. Neste momento temos 10 etapas do World Tour confirmadas para 2012."

 Esperamos que tal notícia não passe de um rumor e que entre 3 e 15 de Junho possamos ver os melhores surfistas do mundo em ação naquela que é considerada uma das melhores esquerdas do mundo.

Fonte SurfTotal

Brasileira lidera a Copa do Mundo de Ski Alpino Masters

Em ótima fase, Luci Arnhold já conquistou 10 medalhas nessa temporada

A atleta brasileira Luci Arnhold representou o país nesse fim de semana em Piancavallo, na Itália, e conquistou três medalhas de ouro em três provas que disputou (Slalom Especial, Slalom Gigante e Super G). Com esses impressionantes resultados nessa etapa da Copa do Mundo de Ski Alpino Masters, a atleta paulista agora volta a liderar a competição, com uma boa vantagem sobre suas principais adversárias.
Luci Arnhold 2012 Piancavallo
De acordo com o ranking geral de sua categoria, a esquiadora brasileira tem 205 pontos, seguida pela francesa Evelyne Larchey-Wendling com 195 pontos e pela italiana Magda Rossi, que tem 170 pontos.

Nessa temporada de inverno 2011-12, a atleta Luci Arnhold já conquistou 10 medalhas, sendo cinco de ouro e cinco de prata. "Como seu treinador francês Franck Perrier não pode acompanhá-la nessa etapa, Luci teve a orientação técnica da treinadora da Equipe Brasileira Júnior, a ucraniana Tamara Gisem e em excelente condição, venceu as três provas", declara Pedro Cavazzoni, superintendente técnico da CBDN – Confederação Brasileira de Desportos na Neve.

Agora, Luci Arnhold se prepara para o Campeonato Mundial de Ski Alpino Masters, que será realizado em Mammoth Mountain, na Califórnia(EUA) no final de março. Depois disso, acontecerá o importante desafio final na Itália, etapa da Copa do Mundo que valerá o dobro dos pontos que as demais etapas do circuito.

Por Michele Barcena

27 de fevereiro de 2012

Oi Vert Jam será no próximo fim de semana

O Rio de Janeiro, do dia 1º ao dia 4 de março vai receber a 10ª edição de uma das mais tradicionais etapas do Circuito Mundial de Skate Vertical, O Oi Vert Jam, que reunirá os melhores skatistas do mundo na modalidade.
Marcelo Bastos
Nesta edição a disputa promete ser ainda mais acirrada. Novos nomes e ídolos já consagrados prometem o mais alto nível já visto em uma competição de vertical no país. Isso porquê candidatos ao título não vão faltar. Entre eles destaque para Marcelo Bastos, vencedor das últimas duas edições (2010 e 2011).

Outro nome que merece atenção é Pedro Barros, não mais somente um talento e sim uma realidade concreta. Apesar de apenas 16 anos, Pedro acaba de voltar da Oceania com nada menos que vitórias em três competições seguidas na modalidade Bowl, vencendo alguns dos principais nomes do skate mundial.

Bob Burnquist, o grande embaixador do skate brasileiro também estará presente, e com isso é de se esperar suas linhas complicadas e manobras inovadoras. Destaque ainda para Rony Gomes, 3º colocado em 2011 e em constante evolução, o jovem garoto paulista acaba de inaugurar sua rampa particular, onde a nata do skate vertical brasileiro tem praticado diariamente.
É aguardo também o prodígio Mitchie Brusco, o pequeno adolescente americano que já esteve no Brasil para competir na Megarampa e desta vez vem para uma competição no half pipe. Confirmada também a presença do hexacampeão mundial da modalidade, Sandro Dias "Mineirinho".

Depois de anos sendo realizado na Lagoa Rodrigo de Freitas, em 2012 o half pipe e toda a estrutura do Oi Vert Jam serão montados na Barra da Tijuca. O local do evento, Praça Do Ó, tradicional reduto dos skatistas cariocas, após a competição o pico deve receber adequações e melhorias como legado da organização para as sessões diárias dos skatistas locais.

O evento será válido como primeira etapa do Circuito Mundial WCS 2012, pontuando para o Ranking Anual World Cup Skateboarding. A premiação total será de US$ 20.000, 00 dividida entre os 10 melhores skatistas.

Por Julio Detefon

Mineiro, Pupo e Alves na "luta" em Gold Coast

O paulista Miguel Pupo foi um dos destaques da segunda-feira na etapa que abre a temporada 2012 do ASP World Tour na Austrália. Surfando de backside nas direitas de Snapper Rocks, ele despachou o bicampeão mundial Mick Fanning na terceira fase do Quiksilver Pro. Outro paulista, Adriano de Souza, e o cearense Heitor Alves, também passaram para a rodada dos 12 melhores na Gold Coast. A única baixa foi o carioca Raoni Monteiro e os classificados agora terão duas chances para alcançar as quartas de final do primeiro desafio do ano na Austrália.
Miguel Pupo (BRA) / Foto Steve Robertson (ASP)
"Eu apenas tentei encontrar boas ondas na bateria, porque o mar está muito difícil lá fora", disse Miguel Pupo. "Eu tinha que ganhar essa bateria, porque se você está no ASP Tour tem que vencer os grandes. O Mick (Fanning) surfa muito bem, tem dois títulos mundiais e eu sabia que seria um adversário difícil de bater. Eu tentei o meu melhor e estou feliz pela vitória".

Pupo vive um ótimo início de temporada. Ele lidera o ranking mundial unificado da ASP com o título conquistado na primeira etapa Prime de 6.500 pontos do ano, o Hang Loose Pro Contest nos tubos de Fernando de Noronha (PE). Na Austrália, estreou com uma virada nos últimos segundos sobre o sul-africano Jordy Smith e agora derrota um dos favoritos nas ondas da Gold Coast. A nota 7,6 recebida no início da bateria foi decisiva para barrar Mick Fanning no mar irregular da segunda-feira em Snapper Rocks.
Adriano de Souza / Crédito ASP
Este duelo aconteceu à tarde, depois da terceira fase feminina. Pela manhã, Adriano de Souza e Heitor Alves já haviam garantido passagem para a rodada classificatória para as quartas de final. Mineirinho teve que mostrar a força do seu frontside para superar a nova aposta do surfe americano, Kolohe Andino, na terceira bateria do dia.

"Foi uma bateria difícil, com certeza", admitiu Adriano de Souza. "Eu respeito muito o Kolohe (Andino). Ele tem apenas 17 anos de idade, mas pode causar sérios prejuízos lá fora. Eu procuro sempre me concentrar em mim mesmo, vim para cá dez dias antes para treinar nestas ondas e acho que minha experiência de sete anos no Tour me ajudou dessa vez. Eu estava defendendo a minha posição de top 5 e ele tentando fazer bem o seu primeiro evento. Foi uma boa bateria".

Já Heitor Alves liquidou o francês Jeremy Flores em duas ondas seguidas com um ataque feroz de backside para fazer o maior placar brasileiro da segunda-feira na Gold Coast. Assim como Mick Fanning, o surfista da Ilha Reunião não conseguiu achar as melhores ondas que entraram na bateria, no mar mexido com séries irregulares de 2-3 pés em Snapper Rocks. Com notas 7,80 e 7,27, o cearense derrotou o francês por 15,07 x 12,84 pontos e agora vai encarar Kelly Slater e o taitiano Michel Bourez na próxima fase.
Nesta rodada, os vencedores das baterias avançam direto para as quartas de final, mas os perdedores têm uma nova chance de classificação na repescagem. No primeiro confronto, Adriano de Souza contra dois australianos, Owen Wright e Josh Kerr. Heitor Alves está no segundo e no terceiro Miguel Pupo terá mais um teste de fogo pela frente, com o vice-campeão mundial Joel Parkinson e o mesmo Jordy Smith que ele derrotou na primeira fase.

Esta primeira batalha por vagas nas quartas de final já aconteceu para as meninas no Roxy Pro, entre as baterias da terceira fase masculina. As duas representantes da América do Sul não conseguiram a vitória e terão que encarar a repescagem de "gala" na Gold Coast, pois nela também estarão a atual campeã e vice-campeã mundial, Carissa Moore e Sally Fitzgibbons, respectivamente.
Laura Enever (AUS) / Foto Kirstin Scholtz (ASP)
A brasileira Silvana Lima ficou em último lugar na primeira bateria feminina da segunda-feira e vai enfrentar a neozelandesa Paige Hareb no segundo duelo da repescagem. Carissa Moore também foi a terceira colocada no confronto seguinte, vencido pela australiana Laura Enever com o maior placar do dia entre as meninas, 16,83 pontos. Sally Fitzgibbons perdeu para a havaiana Malia Manuel, ficando em segundo lugar na bateria como a peruana Sofia Mulanovich contra a tetracampeã mundial Stephanie Gilmore.

Próximos confrontos:
1.a: Owen Wright (AUS), Adriano de Souza (BRA), Josh Kerr (AUS)
2.a: Kelly Slater (EUA), Michel Bourez (TAH), Heitor Alves (BRA)
3.a: Joel Parkinson (AUS), Jordy Smith (AFR), Miguel Pupo (BRA)
4.a: Taj Burrow (AUS), Julian Wilson (AUS), Adrian Buchan (AUS)

Por João Carvalho

Maremoto Soul Surf Eco decide campeões de 2011

As praias de São Marcos e Ponta D'Areia, nos dias 3 e 4 de março, irão receber a III Etapa do Circuito Maranhense de Surf, o Maremoto Soul Surf Eco, evento móvel, com a intenção de proporcionar as melhores condições de surf aos atletas participantes.
"Sendo na Praia do São Marcos e ou na praia da Ponta D' areia, o importante são as melhores condições de surf, só assim teremos a conclusão do nosso Circuito de 2011, onde conheceremos os campeões em varias categorias", comentou Alex Arouche da ASM.

A etapa conta como oontuação para o Ranking de 2011. As categorias apresentadas para inscrição são a Open, Master, Grand master, Iniciante, Feminino, Junior e Longboard, no valor de R$ 30,00, que podem ser feitas na Loja SOUL SURF.

A Premiação para o vencedor do Maremoto Soul Surf Eco será Kits da Maremoto, Trofeús e óculos Mormaii. O encerramento do evento será com o show da banda de rock Alcmena.

Por Denis Sarmanho


26 de fevereiro de 2012

Alcides Lopes Neto comanda o show

Poucas ondas, mais muito surf na segunda etapa do Circuito Catarinense Oceano de Surf Amador 2012, foi o que rolou neste fim de semana para a molecada que marcou presença em peso na paradisíaca Praia do Santinho, em Florianópolis, na segunda etapa do Circuito Catarinense de Surf Amador 2012, que contou com a participação de 150 surfistas de todo estado.

As ondas não passaram de meio metro durante os dois dias de competições, mais foram suficientes para a galera mostrar seus repertórios de manobras, na busca das melhores notas. O destaque da competição ficou para Alcides Lopes Neto, de São Francisco do Sul, grande campeão nas categorias Junior e Mirim, desta segunda etapa do circuito.
Alcides Lopes, Circuito Catarinense Oceano, Praia do Santinho / Foto Basilio Ruy 
Na categoria Junior, Alcides Lopes Neto, achou as melhores ondas na bateria final e venceu somando 13,50 pontos contra 7,05 pontos de Fernando Paulino que acabou na segunda colocação, ainda completando o pódio, Gabriel Neves na terceira colocação, e Pedro Tanaka na quarta colocação.

Na Categoria Mirim não foi diferente, Alcides já começou a bateria na liderança e assim se manteve até o final, garantindo mais uma vitória somando 15,00 pontos contra 7,20 pontos de Yago Dora que ficou com a segunda colocação.

O campeão na categoria Open foi o surfista de Balneário Camboriú André Mói somando 9,35 pontos, contra 8,75 pontos de Ygor Arakaki de Bombinhas.  Completaram o pódio da categoria Open o surfista de Imbituba Victor Borges na terceira colocação e Dereck Adriano, de Navegantes, na quarta colocação.

Gustavo Ramos também de São Francisco do Sul, garantiu a vitória na categoria Iniciantes, já na categoria Infantil, o pequeno Matheus Herdy, de Florianópolis, venceu a grande final, e Marina Resende, de Florianópolis, foi a campeã na categoria Feminina. O vencedor da categoria Máster foi Adriano Lemos, prata da casa, mostrando que conhece bem as ondas do Santinho.

“Esta etapa foi mais uma grande realização da Fecasurf juntamente com a ASIS – Associação de Surf Ingleses e Santinho, que está de parabéns, comemorando 31 anos de atividades ligadas ao esporte e meio ambiente, sob o comando do Presidente Reiginaldo Ferreira, que exerce um excelente trabalho frente a entidade”, declarou Renato Melo, Vice Presidente Regional Leste da Fecasurf.

A maior nota da competição foi na categoria Infantil do atleta Matheus Herdy, que apesar do tamanho tem surf de gente grande.  Matheus marcou 8,75 pontos na sua melhor onda na segunda bateria semifinal.   O maior somatório foi de Alcides Lopes Neto com 15,00 pontos nas suas duas melhores ondas na final da categoria Mirim. A próxima etapa do Circuito Catarinense Oceano de Surf Amador 2012 é na bela e preservada Praia do Rosa, em Imbituba, nos dias 05 e 06 de maio.

Por Norton Evaldt

Tramandaí conquistou o Matte Leão Surf Festival

A equipe Tramandaí sagrou-se campeão do Matte Leão Surf Festival, realizado neste final de semana (25 e 26/02) na praia de Atlântida, no município de Xangri-lá. O evento, que encerrou o circuito Gaúcho de Verão, reuniu quatro equipes do Rio Grande do Sul em busca do título. Com este resultado os integrantes da equipe Tramandaí colocaram no bolso R$ 1.000,00 (mil reais) de premiação.
Tiago Braga / Foto Harleyson Almeida 
A decisão do circuito Gaúcho de Verão começou com cara de inverno. O sábado amanheceu nublado e com uma leve brisa, que com o passar das horas se transformou num intenso vento nordeste acompanhado de muita chuva. Mesmo assim os atletas surfaram em busca de seus resultados, até que as condições climáticas exigiram a paralisação do evento, restando uma bateria do sábado, que foi disputada no domingo. O segundo dia de disputas começou nublado, mas com ondas muito boas, que mudaram ao longo da competição, acompanhando a variação do vento, enquanto o sol brilhou, espantando todas as possibilidades de chuva.

Após baterias acirradas, manobras arrojadas e um verdadeiro show de surf, os surfistas da equipe Tramandaí garantiram o primeiro lugar no pódio, levando a premiação de R$ 1.000,00 com seus 60 pontos totais. Os atletas da Fornari`s Brothers ficaram com o segundo lugar com 37 pontos. A terceira colocação ficou na mão do time de Xangri-lá com 28 pontos, seguido pelos integrantes da ASCC B com 20.

O atleta convidado/profissional que obteve a melhor média do evento foi Tiago Braga ao somar 15,33 em suas duas melhores notas na competição. Já na categoria Open o melhor foi Kaian Bernardo com 14,83 pontos. O melhor Mirim foi Athos Silva com 5,20. Peterson Marchese levou a melhor na Júnior com 11,80. O melhor Iniciante foi Lucas Machado com 4,80 pontos. A melhor onda de todo o evento foi de Tiago Braga, que valeu um 8,5 em um tubo.
Equipe Tramandaí campeão do Matte Leão Surf Festival / Foto Harleyson Almeida
Equipes:

ASCC
Gustavo Bertotto; Jonas Pacheco; Gustavo Carvalho; Andrews Bueno; Alexsandro Tomazi; Joessandro Tomazi; e Emanuel Tessmann.

Fornari`s Brothers
Vinícius Fornari; Ki Fornari; Luciano Fornari; André Schiling; Vitor Bettanin; Athos Silva e Nicolas Vedovatto.

Tramandaí
Tiago Braga, Kaian Bernardo; Josias Pedrinha; João Santos; Kevin Nunes; Peterson Marchese e Lucas Machado.

Xangri-lá
Edson Júnior; José Mello; Gabriel Soares; Leandro Serra; Gilberto Júnior; e Roger Conrrado.
Escolinha de Surf / Foto Harleyson Almeida
Segundo o presidente da Federação Gaúcha de Surf, Orlando Carvalho, o objetivo do Matte Leão Surf Festival foi cumprido. “Queríamos aproximar as pessoas que circulam pelo litoral do Surf e atrair novos competidores. Atingimos isto, pois os meninos das praias puderam participar da competição e muita gente aproveitou para fazer as aulas gratuitas de surf. Plantamos uma sementinha, apresentando as características do esporte ao público geral. Entendemos que o futuro do esporte pode estar entre estes atletas e crianças que passaram pelo Matte Leão Surf Festival”, finalizou.

A organização desenvolveu uma série de atividades para criançada presente. Dentre estas atividades, os destaques foram as aulas de Surf e o FuteSurf. Mesmo com chuva e vento muitas crianças aproveitaram para dar os primeiros passos no surf. O circuito Gaúcho de Verão de Surf Amador foi dividido em quatro etapas nominadas de Matte Leão Surf Festival, sendo a primeira em Imbé, a segunda em Tramandaí, a terceira e quarta em Atlântida.

Por Gabriel de Mello

Silvana Lima salva a pátria

A cearense Silvana Lima representou no domingo de praia lotada em Snapper Rocks. Ela conquistou a única vitória do Brasil nas repescagens da etapa de abertura do ASP World Title Race 2012 na Austrália. Silvana fez o maior placar feminino no segundo dia de ondas de 3-4 pés na Gold Coast. A catarinense Jacqueline Silva já havia sido eliminada, assim como o paulista Gabriel Medina, o catarinense Alejo Muniz e o potiguar Jadson André, que também fracassaram na segunda tentativa de classificação para a terceira fase do Quiksilver Pro na Gold Coast.
 
Silvana Lima / Foto Steve Robertson (ASP)
O domingo começou pela repescagem masculina, com Joel Parkinson e Taj Burrow pegando bons tubos para confirmarem o favoritismo nas primeiras baterias do dia. Gabriel Medina entrou na terceira e liderou quase toda a disputa com a nota 7,7 que recebeu no início do duelo com o estreante da elite, Yadin Nicol. Depois não achou mais nada de ondas e a 5 minutos do fim o australiano conseguiu virar o resultado para 13,13 x 12,53 pontos.

Só teve mais uma bateria e a competição masculina parou para aguardar a melhor hora da maré para sua continuação. A comissão técnica preferiu realizar a repescagem feminina, pois ainda rolavam algumas boas ondas no mar irregular do domingo em Snapper Rocks. A catarinense Jacqueline Silva disputou a primeira bateria que foi dominada pela australiana Laura Enever, semifinalista do Roxy Pro Gold Coast no ano passado.

Silvana Lima entrou na terceira e surfou de forma brilhante para despachar a campeã das triagens, Philippa Anderson. Mesmo com dores no joelho, conquistou a única vitória brasileira do domingo por uma larga vantagem de 17,56 x 11,50 pontos. Foi o maior placar feminino do dia e a cearense agora vai enfrentar a recordista do Roxy Pro, a também australiana Tyler Wright, que estreou com 17,70 pontos no sábado.
"Estou muito feliz pela nota 9 que consegui", vibrou Silvana Lima. "Eu tive problemas com meu joelho recentemente, mas tentei esquecer dele na bateria. Só pensei em ir lá e surfar o melhor que posso para mim e para todo o Brasil. Foi tão bom que agora não sinto nenhuma dor no meu joelho (risos)".

A neozelandesa Sarah Mason completa esta bateria que vai abrir a terceira fase e não elimina ninguém. É a primeira das duas chances de classificação para as quartas de final. As vencedoras passam direto e as perdedoras vão para a segunda e última repescagem do Roxy Pro. Já no Quiksilver Pro eles terão que vencer mais uma bateria para chegar nesta rodada classificatória para as quartas de final.

O Brasil permaneceu com os quatro que estrearam com vitórias no sábado, pois os três que competiram no domingo foram barrados. Depois da repescagem feminina, voltou a competição masculina e o catarinense Alejo Muniz lutou muito até o fim da bateria, mas não conseguiu superar o experiente Travis Logie. O brasileiro só surfou uma onda boa contra duas na casa dos 7 pontos do sul-africano, que venceu o duelo por 15,30 x 13,13.
Joel Parkinson / Foto Kirstin Scholtz (ASP)
A esperança de vitória do Brasil na repescagem ficou então para Jadson André, que surfou bem também e vendeu caro a derrota para o francês Jeremy Flores. O potiguar atacou forte de backside as direitas de Snapper Rocks com longos floaters e variando as manobras com velocidade. Mas, o surfista da Ilha Reunião insistiu tanto nos tubos que achou um muito bom para garantir a vitória por 13,67 x 12,07 pontos.

Jeremy Flores terá um novo duelo contra um brasileiro na terceira fase, o cearense Heitor Alves na quinta bateria. Na terceira, Adriano de Souza enfrenta a sensação americana, Kolohe Andino, um dos estreantes na elite do ASP Tour 2012. Na oitava, o também paulista Miguel Pupo terá uma pedreira pela frente, o bicampeão mundial Mick Fanning. E na seguinte, o carioca Raoni Monteiro fecha a participação verde-amarela na terceira fase contra o sul-africano Jordy Smith.

A expectativa é de que Snapper Rocks continue com ondas de 3-4 pés na segunda-feira e a previsão é iniciar a terceira fase masculina as 7h30 horas na Austrália. A chamada é para as duas categorias, pois a terceira fase feminina também poderá abrir o terceiro dia da primeira etapa do ASP World Title Race 2012 na Gold Coast.

Por João Carvalho

Agora vai!

Depois de duas semanas em Manly Beach competindo e surfando no litoral de Sidney, Austrália, a equipe tomou uma atitude diferente, alugou um Motorhome para percorrer boa parte do litoral Australiano.
Foto Lima Jr.
Durante os próximos 15 dias a casa dos atletas será dentro de um carro totalmente equipado com uma estrutura de alto nível, banheiro, 5 camas, cozinha, geladeira, TV, DVD, Som, Microondas, Gps e tudo que uma boa trip de surf precisa para pegar as melhores ondas.

Dentro da programação está previsto a parada em pelo menos 20 picos de surf. A primeira parada será a Gold Coast e até lá serão várias bancadas e muitas imagens exclusivas feitas pelo team Pena formado por Alan Jhones, Messias Felix e André Silva, além do cearense Charlie Brown que entrou na barca com a equipe desde o início da viagem.

Até o dia 10 de março eles irão morar neste carro buscando as ondas perfeitas e viver o espírito de liberdade. "Muita vibe este carro, vamos fazer uma viagem de sonho, aquilo que só vemos em filme de surf gringo. Valeu a marca Pena por esta oportunidade inédita que foi dada para mim e os meus companheiros de
equipe", declarou Alan Jhones.

André Silva foi o escolhido pela equipe para ser o motorista do gigante do surf devido a sua experiência de 6 temporadas na Austrália.

Por Lima Jr

25 de fevereiro de 2012

Poucas ondas no primeiro dia de competições

150 inscritos participam desta segunda etapa do Circuito Catarinense Oceano de Surf Amador 2012 na Praia do Santinho

Começou neste sábado na paradisíaca Praia do Santinho, norte da ilha da magia, a segunda etapa do Circuito Catarinense Oceano de Surf Amador com a participação recorde de 150 inscritos em disputa de 2000 pontos no ranking da Fecasurf, nas categorias Open, Junior, Mirim, Iniciantes, Infantil, Feminina e Máster.
Yago Dora, etapa Circuito Catarinense Oceano, Praia do Santininho / Foto Basilio Ruy
A molecada teve que se esforçar bastante e escolher as melhores ondas, que não passaram de meio, para impressionar os juízes.  Os surfistas, Yago Dora de Florianópolis e Gustavo Ramos de São Francisco do Sul, conseguiram arrancar os melhores resultados do dia.  Yago fazendo o maior somatório de 14,15 pontos nas suas duas melhores ondas, e Gustavo a maior nota deste primeiro dia com 8,00 pontos.

A Fecasurf e a galera do Meu Copo Eco estão com uma proposta muito boa. Substituir os copos plásticos descartáveis usados em grande número nos eventos, por copos pessoais de uso contínuo.  A idéia é o seguinte: A galera do Meu Copo Eco estará em todas as etapas fornecendo os copos ecológicos para a equipe técnica e os atletas no começo da competição, e os mesmos devem usar durante o evento e devolver no fim da competição, onde os copos passaram pelo processo de esterilização e poderão ser utilizados novamente no próximo evento. Cada um usa o seu copo e não contribui para o impacto ambiental que os copos descartáveis provocam na natureza.  A iniciativa foi bem aceita, e não foram usados copos descartáveis na etapa do Santinho.

A Fecasurf também aposta na conscientização da molecada, e com o projeto Keep the Ocean Blue da Oceano, e o pessoal da ONG Mar Brasil, realiza varias atividades ligadas à conscientização ambiental e preservação das praias e animais marinhos, em todas as etapas do circuito. Fecasurf é surf com orgulho e responsabilidade.

Devido ao grande número de inscritos, neste domingo as competições iniciam as 07:00 horas pelas quartas de final da categoria Máster, e a previsão para o término da competição é para 15:00 horas com a grande final da categoria Open.

Por Norton Evaldt 

No rolê com o Motta


Quiksilver Pro Gold Coast dá a largada ao título 2012

Quatro brasileiros estrearam com vitórias e três vão ter que encarar a repescagem masculina na Austrália, assim como as duas da categoria feminina. Assista ao Vivo

Já foi dada a largada na corrida pelos títulos mundiais do ASP World Tour 2012 no primeiro dia do prazo da etapa de abertura da temporada na Austrália. Em boas ondas de 3-4 pés em Snapper Rocks, Adriano de Souza venceu a primeira bateria do Quiksilver Pro e Heitor Alves, Raoni Monteiro e Miguel Pupo também passaram direto para a terceira fase na Gold Coast. O sábado começou com o Roxy Pro e a peruana Sofia Mulanovich foi a única sul-americana a estrear com vitória. As brasileiras Silvana Lima e Jacqueline Silva cairam para a repescagem, assim como Gabriel Medina, Alejo Muniz e Jadson André.
Raoni Monteiro (RJ) / Steve Robertson (ASP)
A cearense Silvana Lima foi batida pela havaiana Malia Manuel na bateria que abriu a temporada 2012 do ASP World Title Race em Snapper Rocks. E Jacqueline Silva ficou em último no confronto vencido por Sofia Mulanovich que fechou a primeira fase do Roxy Pro. A catarinense agora vai abrir a repescagem feminina com Laura Enever e Silvana Lima enfrentará a também australiana Philippa Anderson na terceira bateria.

Depois das meninas, a comissão técnica preferiu aguardar um pouco pela melhor hora da maré para dar início ao Quiksilver Pro. Na primeira bateria, o paulista Adriano de Souza confirmou o favoritismo de top-5 do ASP Tour contra os veteranos Taylor Knox e Kieren Perrow para marcar com vitória a estreia do Brasil em 2012.

No terceiro confronto masculino do dia, o carioca Raoni Monteiro também conquistou classificação direta para a terceira fase surfando dois belos tubos em Snapper Rocks. O paulista Gabriel Medina era o cabeça de chave da bateria, mas não achou boas ondas no mar ainda mexido pela mudança da maré e terminou em último, caindo para a repescagem junto com o australiano Yadin Nicol.
Adriano Souza (SP) / Foto Kirstin Scholtz (ASP)
"Estou muito feliz por passar direto para a terceira fase, poder relaxar um pouco e treinar mais com pranchas diferentes", disse Raoni Monteiro. "Eu estou sem patrocinador, então vou tentar conseguir um bom resultado e o Gabriel (Medina) é o cara a ser batido. Acho que ele não está muito feliz agora, mas precisa se acostumar com isso, pois sempre alguém vai perder e alguém vai ganhar, competição é assim".

Nas disputas seguintes, os favoritos Taj Burrow e Joel Parkinson também tropeçaram, mas Kelly Slater já deu o seu primeiro show do ano. Ele liquidou seus adversários logo nos 10 primeiros minutos da bateria, achando bons tubos nas direitas de Snapper para totalizar 18,80 pontos. Na melhor onda ganhou 9,87, com dois dos cinco juízes dando nota 10 para ele.
Essas marcas só foram superadas no último confronto do dia. O jovem havaiano John John Florence também brilhou na Gold Coast, surfando ótimos tubos em Snapper Rocks para atingir incríveis 19,60 pontos de 20 possíveis com notas 9,90 e 9,70. Entre os brasileiros, a melhor apresentação foi a do cearense Heitor Alves, que alcançou 14,36 pontos contra o australiano Matt Wilkinson e o catarinense Alejo Muniz na nona bateria.

Na disputa anterior, o paulista Miguel Pupo ganhou de virada na onda que surfou nos últimos segundos. O sul-africano Jordy Smith já havia saído do mar em primeiro lugar, mas acabou sendo mandado para a repescagem por 4 centésimos de diferença. Pupo totalizou 12 pontos, contra 11,96 de Jordy Smith e 11,60 do norte-americano Patrick Gudauskas.
Heitor Alves (CE) / Foto Kirstin Scholtz (ASP)
Quatro brasileiros estrearam com vitórias e três vão ter que encarar uma rodada extra na Gold Coast. O início da repescagem foi marcado para as 7h30 horas do domingo na Austrália, pois a previsão é de boas ondas para o segundo dia do Quiksilver Pro. Gabriel Medina entra na terceira bateria com o australiano Yadin Nicol, Alejo Muniz na sexta com o sul-africano Travis Logie e o potiguar Jadson André na nona com o francês Jeremy Flores.

Repescagem masculina 
1.a: Joel Parkinson (AUS) x Garrett Parkes (AUS)
2.a: Taj Burrow (AUS) x Dane Reynolds (EUA)
3.a: Gabriel Medina (BRA) x Yadin Nicol (AUS)
4.a: Julian Wilson (AUS) x Kai Otton (AUS)
5.a: Jordy Smith (AFR) x Taylor Knox (EUA)
6.a: Alejo Muniz (BRA) x Travis Logie (AFR)
7.a: Josh Kerr (AUS) x Patrick Gudauskas (EUA)
8.a: Damien Hobgood (EUA) x Matt Wilkinson (AUS)
9.a: Jeremy Flores (FRA) x Jadson André (BRA)
10: Kieren Perrow (AUS) x C. J. Hobgood (EUA)
11: Bede Durbidge (AUS) x Tiago Pires (PRT)
12: Brett Simpson (EUA) x Kolohe Andino (EUA)
Sofia Mulanovich (PER) / Kirstin Scholtz (ASP)
Repescagem feminina
1.a: Laura Enever (AUS) x Jacqueline Silva (BRA)
2.a: Pauline Ado (FRA) x Lakey Peterson (EUA)
3.a: Silvana Lima (BRA) x Philippa Anderson (AUS)
4.a: Coco Ho (HAV) x Sarah Mason (NZL)
5.a: Courtney Conlogue (EUA) x Sage Erickson (EUA)
6.a: Paige Hareb (NZL) x Rebecca Woods (AUS)

Por João Carvalho

Burniquist fica em 4º no Beach Bowl, em Manly

Após uma semana de compromissos com o lançamento do seu jogo, Bob Burnquist Dreamland, Bob viajou direto do Brasil para a Austrália, onde participou do Beach Bowl. A competição de skate fez parte do evento Australian Open of Surfing e ocorreu na praia de Manly, em Sidney.
Bob Burnquist  / Crédito Hurley
No sábado, Bob teve ótima apresentação e se classificou em segundo lugar para as finais, que rolaram no domingo. O também brasileiro Pedro Barros, que havia se classificado em primeiro para as finais, manteve a boa atuação e garantiu o lugar mais alto do pódio. O vice-campeão foi Josh Stafford (EUA) e Bucky Lasek (EUA) ficou em terceiro. Bob Burnquist soltou, na final, algumas das suas manobras características, como Burntwist, Switch Flip Indy to Fake e Fs Gaytwist Lien Air, mas acabou na quarta colocação.

Com estilo suave e muita consistência, o dinamarquês Nicky Guerrero ficou em primeiro na categoria Master, à frente de Sergie Ventura (EUA) e Eddie Elguera “El Gato” (EUA), que há algum tempo não aparecia em competições desta modalidade.

O evento, com duração de nove dias, girava em torno do surf, mas foram os skatistas que deram show e enlouqueceram os fãs, literalmente. Nada como dar um pouco de sangue, suor e lágrimas para fechar com chave de ouro este grandioso evento. Veja abaixo o vídeo e os resultados  das finais do Beach Bowl em Manly.
1 Pedro Barros
2 Josh Stafford
3 Bucky Lasek
4 Bob Burnquist
5 Renton Millar
6 Rune Glifberg

Fonte Hurley  

Medina, Ibelli e Silvana recebem prêmios na Austrália

Caio Ibelli, Gabriel Medina e Silvana Lima foram os brasileiros premiados na noite de gala da ASP, na Gold Coast australiana, na última quinta-feira, 23. Caio Ibelli recebeu seu troféu de campeão mundial Pro Junior. Medina recebeu dois prêmios, um de "Atleta Revelação" escolhido pela ASP. E o outro se deu através de votação na internet com o nome de "Men's Underrated Surfer", que pode-se entender como 'O talento subestimado'. A cearense Silvana Lima também foi a escolhida pelo público na categoria feminina
Gabriel Medina e seus troféus / Foto Arquivo Pessoal
O 29º ASP World Surfing Award recebeu os melhores surfistas do mundo para um jantar e ainda um show das bandas vencedoras do Grammy Wolfmother e The Vernons. O campeão mundial do ano passado, Kelly Slater subiu ao palco pela 11ª vez para receber seu caneco. Aplaudido de pé pelo público, Kelly fez um discurso muito emocionado. "Eu já estou há mais anos no tour do que muitos dos meus parceiros tem de vida", disse Kelly, "Brincadeiras a parte, eu me sinto muito honrado de estar aqui em cima em frente a esse incrível grupo de surfistas. Quero agradecer a todos nesta sala por me fazerem ser o que eu sou hoje", completou.

A havaina Carissa Moore também recebeu seu inédito troféu de campeã do mundo entre as meninas. Os vice-campeões do circuito Joel Parkinson e Sally Fitzgibbons também subiram no palco para receber o troféu de 'Runner-Up'. Na cerimônia deste ano, o público pode participar votando em algumas categorias, e outros prêmios foram entregues pela votação dos próprios surfistas. Veja a tabela abaixo com todas as premiações:

Vencedores do ASP World Surfing Awards 2012:
ASP Campeão Mundial: Kelly Slater (EUA)
ASP Campeã Mundial: Carissa Moore (HAV)
ASP World Runner-Up: Joel Parkinson (AUS)
ASP World Runner-Up - Feminino: Sally Fitzgibbons (AUS)
ASP Estreante do ano: Julian Wilson (AUS)
ASP Estreante do ano - Feminino: Tyler Wright (AUS)
ASP Campeão Mundial Pro Junior: Caio Ibelli (BRA)
ASP Campeã Mundial Pro Junior: Leila Hurst (HAV)
ASP Campeão Mundial de Longboard: Taylor Jensen (EUA)
ASP Campeã Mundial de Longboard: Lindsay Steinriede (EUA)
ASP Campeão do Masters: Nathan Webster (AUS)
ASP Campeão do Grand Masters: Iain Buchanan (NZL)
ASP Atleta Revelação: Gabriel Medina
ASP Atleta Revelação Feminino: Courtney Conlogue
ASP Surfista Favorito do Público (Voto do público pela internet): Kelly Slater (EUA)
ASP Surfista Favorita do Público - Feminino (Voto do público pela internet): Carissa Moore (HAV)
ASP Men’s Underrated (Voto do público pela internet): Gabriel Medina (BRA)
ASP Women’s Underrated (Voto do público pela internet): Silvana Lima (BRA)
ASP Surfers’ Surfer (Voto dos surfistas): Michel Bourez (PYF)
ASP Bateria do Ano (Voto dos surfistas): Julian Wilson (AUS) vs. Kai Otton (AUS), Rip Curl Pro Portugal
ASP Manobra do Ano (Voto dos surfistas): Kelly Slater (EUA), Quiksilver Pro New York
ASP Surfers’ Surfer - Feminino (Voto das surfistas): Sally Fitzgibbons (AUS)
ASP Bateria do Ano - Feminino (Voto das surfistas): Carissa Moore (HAV) vs. Sally Fitzgibbons, Roxy Pro Gold Coast
ASP Manobra do Ano - Feminino (Voto das surfistas): Tyler Wright (AUS), Roxy Pro Gold Coast
ASP Prêmio Peter Whittaker: Bethany Hamilton (HAV)
ASP Prêmio Lifetime Membership: Larry Bertlemann (HAV)

Fonte Nalu Surfboards

Começou o Quiksliver Pro Gold Coast 2012

Teve início a 1ª etapa do WT 2012, o Quiksilver Pro 2012, na Gold Coast. A organização da prova optou por iniciar a competição com o 1º round feminino. Este é o evento de abertura do circuito 2012 e reúne os 32 melhores surfistas do mundo, além dos wildcards.

Adriano de Souza ganhou o primeiro confronto do ano e Raoni Monteiro, Heitor Alves e Miguel Pupo também passaram direto para a terceira fase. Já Gabriel Medina, Alejo Muniz, Jadson André, além de Silvana Lima e Jacqueline Silva no feminino, vão ter que encarar a repescagem na Austrália.

A corrida pelos títulos mundiais do ASP World Tour 2012 está acirrada. O Roxy Pro abriu a temporada na Austrália e da América do Sul só a peruana Sofia Mulanovich estreou com vitória nas ondas de 2-3 pés do sábado em Snapper Rocks. Depois da primeira fase feminina, foi iniciado o Quiksilver Pro na Gold Coast.
Fique atento que em breve noticiaremos mais novidades sobre o Quiksilver Pro Gold Coast.

Por João Carvalho

24 de fevereiro de 2012

Ondas perfeitas em Curl Curl Beach

Depois de duas semanas na Austrália os integrantes da Pena Surf Trip enfim surfou uma das melhores ondas até o momento. Foi em Curl Curl Beach, um pico com fundo de areia que impressiona pela cor da água e perfeição das ondas. Uma direita perfeita que quebra em uma extensão de quase 1 km de praia bem próximo de onde estamos hospedados, a Praia de Manly.
Messias, Chalie, Alan e André / Foto Lima Jr.
Curl Curl Beach é uma das ondas mais cobiçadas de Sidney e quando entra um bom sweel costumam quebrar tubos alucinantes que rendem varias sessões de manobras, e como a Austrália  tem o surf como o seu esporte número 1 o crowd nestes lugares é inevitável.

A equipe chegou à praia por volta das 10 horas da manhã e a galera surfou até às 13 horas, pois tínham que fazer a missão resgate ao Messias Félix no aeroporto de Sidney.
André Silva voa alto em Curl / Foto Lima Jr.
Os atletas Alan Jhones e André Silva e o cearense Charlie Brown, que também está na barca, fizeram um surf de alto nível mandando aéreos insanos nas direitas de Curl. “Esta onda é fantástica, gostaria de vê-la quebrando com mais de 1 metro. Hoje deu para sentir a qualidade das ondas australianas, espero que seja apenas o início de muitas valas boas que ainda pegaremos nestes próximos 40 dias que estão por vir”, falou Alan Jhones amarradão após o surf.

Depois do surf todos foram na captura do Faro Fino no aeroporto e quando chegaram ele fez logo questão de saber sobre as condições do mar. “Estou cansadão da viagem, mas não vejo a hora de cair no mar para tirar a fadiga. Espero pegar altas ondas com os meus companheiros de equipe e extrapolar nas manobras para enriquecer ainda mais as imagens”, comentou Messias que chegou com sede de onda.

edição Lima Jr.
Nos próximos o Pena Surf Trip estará viajando para outras praias australianas em busca das melhores ondas deste litoral que respira surf 24 horas.


Por Lima Jr.

Decisão do Gaúcho de Surf AM será em Atlântida

A praia de Atlântida, no município de Xangri-lá está pronta para receber a decisão do circuito Gaúcho de Verão de Surf Amador neste final de semana (25 e 26/02). A praia mais badalada do estado será palco de muito surf, cultura, educação ambiental, descontração, acompanhado por muita gente bonita. A competição, que reunirá atletas amadores e convidados (profissionais), é disputada por equipes em formato Tag Team, colocando em jogo R$ 1.000,00 (mil reais), kits e pranchas de surf.
Ricardo Kjellim / Foto Harleyson Almeida
Este formato de disputa do circuito de Verão busca atrair novos competidores, além de estimular a preservação da natureza com atividades voltadas às famílias. Será montada uma grande estrutura com madeira de reflorestamento e materiais reciclados para proporcionar o maior conforto para os atletas e o público.

Esta, que será a última etapa, apontará qual equipe foi a melhor no Rio Grande do Sul após quatro embates. O time formado por atletas de Torres é apontado como favorito na disputa, mas precisará vencer seus fortes adversários, confirmado assim o favoritismo e ficando com o topo do pódio mais uma vez. O Matte Leão Surf Festival será a última competição amadora do verão no estado.

O videomaker da Federação Gaúcha de Surf, Marcelo Falavigna, preparou um vídeo da terceira etapa do Circuito de Verão, também realizada em Atlântida, nos dias 11 e 12 de fevereiro. Confira:
Aulas de Surf, além de muita recreação e futeblo serao oferecidas ao público durante o campeonato de surf.
Durante o primeiro dia do Matte Leão Surf Festival profissionais de Educação Física, que são surfistas, ensinarão a pratica do surf gratuitamente para o público que acompanhar o evento. O objetivo é estimular novos praticantes do esporte dos reis polinésios.

Por Gabriel de Mello 

Charlie Brown na disputa pelo melhor aéreo no Greenish

Charlie Brown é uma das atrações do Prêmio Greenish Brasil 2011, que terá sua festa de premiação realizada no próximo dia 3 de março, no Colosso Wake Park, em Fortaleza (CE). O surfista concorre na categoria Melhor Aéreo, em onda surfada na praia de Maresias, em São Sebastião (SP). As imagens foram registradas pelo cinegrafista Clésio Ava e a prancha utilizada foi feita pelo shaper Ricardo Martins.
Charlie Brown (reprodução) / MKT Greenish
O cearense terá como concorrente grandes nomes do surfe nacional. Os demais inscritos na categoria são os paulistas Gabriel Adisaka, Miguel Pupo e Gabriel Medina, o baiano Franklin Serpa, o capixaba Krystian Kymerson, o catarinense Gustavo Schlickmann e o uruguaio radicado no Brasil Marco Giorgi. Completam esta lista outros dois representantes do Ceará: Messias Félix e Betinho Rosa.

Esta sexta edição do Prêmio Greenish Brasil distribui R$ 63 mil, divididos em três categorias: Maior Onda, Melhor Tubo e Melhor Aéreo, todas elas surfadas em mares do País. O surfista vencedor da Maior Onda será premiado com R$ 25 mil, enquanto o cinegrafista e o shaper ganharão R$ 5 mil cada. Já para os atletas ganhadores da Melhor Tubo e da Melhor Aéreo receberão R$ 10 mil cada. Para o cinegrafista e o shaper de cada destas categorias são destinados R$ 2 mil.

Por Roberto Pierantoni

23 de fevereiro de 2012

Pedras no caminho do Manobra do Bem

“No meio do caminho tinha uma pedra; tinha uma pedra no meio do caminho”. Quando Carlos Drumond de Andrade apresentou este poema em 1928, o empreendedor Social Sandro Soares, o “Testinha”, que nem nascido era e hoje preside a ONG Social Skate, jamais imaginaria que após 88 anos da publicação, os versos serviriam para retratar uma realidade que ele e a sua trupe estão passando.
No caminho das crianças que participam do projeto Manobra do Bem infelizmente não foi uma única pedra que apareceu como nos versos de Drumond, e sim vários Bloquetes tipo paralelepípedos, que vão pavimentar a Rua Rosa em Calmom Viana, onde se localiza a sede da ONG, ou melhor, a casa de Sandro e Leila, inviabilizando, de vez, a continuidade das aulas de skate que ali eram desenvolvidas desde 2010.

Sandro não é contra a iniciativa da Prefeitura de Poá, pelo contrario, é a favor porque o piso é ecologicamente correto e facilita a escoamento da água da chuva, tipo de pavimentação que evita enchentes e alagamentos. O que lamenta é que agora não possa mais utilizar a rua para promover as aulas de skate.
“Este tipo de pavimentação com bloquetes faz as rodas dos skates travarem e consequentemente provocar um acidente”, explica Testinha. “Acho muito positivo a iniciativa porque mostra para as crianças a questão ambiental, o que eu questiono é a falta de uma área de lazer em todo o bairro”, finaliza.

No entanto, a única solução encontrada para a continuidade do trabalho da ONG Social Skate foi de carregar todo o equipamento utilizado nas aulas da frente de sua casa para a praça onde se localiza a Igreja do bairro, porque ali, por enquanto, o piso permanece como antes, liso.
Apoio não faltou e sensibilizado com a causa o skatista profissional Fábio Cristiano – Chupeta – que faz parte do staff da Nike, ao saber, dirigiu-se até o local para dar um apoio moral e passar um pouco do seu conhecimento para os alunos, e participou junto com a criançada, de uma aula no novo pico.

“Foi uma manhã agradável, mesmo tendo que carregar as rampas por quase cem metros todos nós nos divertimos, só é triste saber que além dos obstáculos do skate, agora a família Manobra do Bem terá que superar mais este, dos paralelepípedos”, disse Chupeta.
Sandro Soares e sua esposa Leila Vieira agora terão que desviar de mais estas pedras que surgiram em seus caminhos e prometem não desistir. “Percebemos que é possível mudar pessoas com o nosso trabalho e não vamos parar”, disse Leila, a pedagoga do projeto. “Não sabemos o que será daqui para frente, mas sonhamos sempre com um Brasil melhor e pedimos para que mais pessoas sigam exemplos como o nosso e promovam ações positivas para as crianças”, finaliza.

A Ong Social Skate é responsável pelo projeto Manobra do Bem e leva o skate de mãos dadas com a educação para cerca de 70 crianças em situação de vulnerabilidade social em Calmon Viana, na pequena cidade de Poá/SP. “É nas adversidades da vida que o ser humano encontra solução, superação, criatividade e esperança de melhorar sempre”. Finaliza emocionado, Testinha.

Por ONG Social Skate Comunicação / Fotos T. Thomas