31 de dezembro de 2012

Hartmann é Campeão Paulista de Carveboard 2012

A previsão de muita chuva na Baixada Santista para o final de semana do dia 16 de dezembro de 2012, levou a diretoria da Associação de Carveboard das Ilhas Porchat e São Vicente - Ascarvi/PSV, da Federação Paulista de Skate, em comum acordo com os patrocinadores e apoiadores a decidirem pelo cancelamento da última etapa do Circuito Paulista Amador de Carveboard 2012 –  Real Surf no Asfalto, que seria realizada no Guarujá, na ladeira localizada no Morro do Maluf.
3ª etapa - Caieiras - André Hartmann e Eric Patat se cumprimentam com um abraço amigo
Com esta decisão, o vicentino André Hartmann sagrou-se campeão do 1º Circuito Paulista Amador de Carveboard com a chancela da FPS na categoria Open. Em 2º ficou o sorocabano Eric Patat. O pódio completou com outro vicentino na 3ª posição, Gustavo Grassano, o Peixe. Os resultados das categorias Máster e Iniciante serão divulgados no site da Ascarvi/PSV www.ascarvi.com.br

André Hartamann por ter vencido a categoria Amador Open poderá pleitear a "Bolsa Talento Esportivo" junto à Federação Paulista de Skate, uma novidade anunciada pelo próprio presidente da FPS, Roberto Maçaneiro. A “Bolsa Talento Esportivo“, é um programa criado pelo Governo Estadual de São Paulo, que tem como objetivo ajudar financeiramente atletas de alto rendimento. A ajuda financeira é dada através do SELT ( Secretaria de Esportes, Lazer e Turismo ). Para mais informação acesse http://www.selt.sp.gov.br/bolsatalentoesportivo/index.html. As demais premiações deverão ser retiradas na sede da Associação de Carveboard das Ilhas Porchat e São Vicente - Ascarvi/PSV, diretamente com o presidente Leonardo Branco.

Circuito Paulista AM de Carveboard 2012:
Ao todo foram três etapas realizadas. A primeira etapa na cidade de Caieiras, a segunda na cidade de Osasco, na Grande São Paulo, e a terceira novamente em Caieiras. O campeão de 2012, André Hartmann, (SV) venceu a primeira e a terceira etapas e liderou o ranking do Circuito. Bem próximo do vicentino sempre o sorocabano Eric Patat, que figurou na segunda colocação nos dois pódios que Hartmann fez. Patat também figura na 2ª posição do ranking oficial. Apenas na etapa de Osasco o pódio foi conquistado por Diego Ruiz (SV), que teve como vice o carioca Pedro El. Chavo.
3ª etapa - Caieiras - André Hartmann
O Circuito, em todas suas etapas, teve como marca registrada as características de um campeonato de surf, apesar de ser no asfalto. Num dos eventos até expression session teve em homenagem ao surfista profissional Daniks Fischer, onde o campeão foi o Paulo Henrique, o Rick PH, jovem atleta de São Paulo, um dos destaques da nova geração de carveboard.

Ascarvi em 2012
Em 2012 a Ascarvi deu um passo importante para a regulamentação do esporte. Pela primeira vez na história do Carveboard, como competição, os atletas que participaram dos eventos homologados pela FPS, foram reconhecidos e credenciados no ranking oficial da instituição. Para Bruno Ribeiro, um dos fundadores da primeira Associação de Carveboard do Brasil, a parceria mostra que este é o caminho certo a trilhar. Ele explica que quem ganha neste processo é o atleta, além do fortalecimento e da profissionalização da modalidade.

Outra ação realizada pela entidade surgiu após a parceria com a Brudden Náutica, que doou duas embarcações que são utilizadas no recolhimento de lixo inorgânico nas encostas da Ilha Porchat, em São Vicente, Litoral Sul de São Paulo. Com a parceria a Associação se torna a entidade de esportes radicais em terra firme, com os eventos envolvendo skate e carveboard que também dá atenção na preservação do meio ambiente marinho, nas águas que banham as encostas de São Vicente com o recolhimento de sacolas plásticas e garrafas pet. Além de outras parcerias envolvendo centros de educação física, acompanhamento nutricional e aulas de Pilates. A  entidade também lançou seu próprio canal de comunicação www.ascarvi.com.br
3ª etapa - Caieiras - Eric Patat
1º Encontro Brasileiro
A Ascarvi/Psv conseguiu no ano de 2012 realizar o 1º Encontro Brasileiro de Carvers 2012, que ocorreu na cidade de Osasco/SP, juntamente com a 2ª etapa do circuito. O encontro reuniu atletas de Brasília (DF), Rio de Janeiro (RJ), Belo Horizonte (MG), Florianópolis (SC), Espirito Santo (ES), Praia Grande, São Vicente, Sorocaba, Itu, ABC, Santos e Osasco. Para uma parcela da população do município foi a oportunidade de conhecer a nova modalidade que a cada instante agrega um novo praticante. Hoje, existem mais adeptos e até um grupo de skatistas e street carvers paulistas que dominam com seus carrinhos a divisa entre São Paulo e Osasco. Com cada dia mais integrantes e é conhecido como Rolê da Meia Noite, vista por alguns como uma nova instituição dos esportes radicais na capital paulista.

Ranking (OPEN) do Circuito AM de Carveboard 2012:
1º André Hartmann (SV) - 2.903
2º Eric Patat (SO) - 2.757
3º Gustavo Peixe (SV) -2.533
4º Bruno Ribeiro (SV) - 2.199
5º Valter Pingo (Santos) - 2.132
6º Bruno Scanferla (Caieiras) - 1.779
7º Diego Ruiz (SV) - 1.774
8º Alessandro Moraes (Itu) - 1.397
9º Mariano Amadio (SO) - 1.334
10º Luiz Felipe Ferramenta (Sto André) - 1.267
11º André Luis Bem 13 (SV) - 1.103
12º Leonardo Branco (SV) - 1.093
13º Pedro El Chavo (RJ) - 950
14º Jorge Malvadão (SV) - 774

Resultado (OPEN) da 3ª Etapa Jaws/Caieiras:
1° André Hartmann
2° Eric Patat
3° Walter Pingo   (PINGO)
4° Bruno Ribeiro
5°Gustavo Grassano
6° Brunno Scarferla  (Xuxa)
7° João Paulo Boff
8° Luis Felipe (Ferramenta)
9° Paulo Henrique  (PH)
10 ° Gilberto Souza
11° Felipe Nascimento
12° Victor Carecato
13° Diego Monoska

O carveboard – começou por volta de 1992, quando o surfista Laird Hamilton começou a desenvolver um skate para simular o surf. Construído a partir de peças usadas e pneus de bicicleta, o projeto ficou meio esquecido até que apareceu o Mountainboard, utilizando conceitos mais modernos de eixos sobre molas e inclinação no shape. Partindo deste princípio, Joe e Brad Gerlach, criaram o primeiro protótipo do carve, para ser utilizado na gravação de um vídeo de dicas de surf.
3ª etapa - Caieiras - Hartmann
O carrinho ficou tão bom que logo Brad e seus amigos começaram a utilizá-lo para treinar quando o mar estava flat. Brad vislumbrou o potencial do equipamento e o batizou com o nome de carveboard, de onde o termo carve vem da cavada, manobra em que o surfista faz uma curva fechada, inclinando bastante o corpo. Em 1997, ele criou a carveboard sports e começou a fabricar o equipamento em larga escala. Esta é uma modalidade que a cada ano atrai mais a atenção de surfistas pelo fato dos movimentos serem muito próximos aos desenvolvidos nas ondas.

Redação InnerSport / Fotos Gilmar Radis

23 de dezembro de 2012

Mais dois cariocas no Prêmio Greenish Brasil 2012

Depois de Bruno Santos, mais dois representantes do estado do Rio de Janeiro se inscreveram para concorrer ao Prêmio Greenish Brasil 2012: Yan Guimarães e Gabriel Pastori. O concurso, que chega a sua sétima edição consecutiva, mais uma vez terá três categorias: Maior Onda, Melhor Tubo e Melhor Aéreo. A entrega da premiação será em março de 2013, em local ainda a ser definido pela organização do evento.
Gabriel Pastori / Imagem-Tatiane Araújo (reprodução)
Yan Guimarães enviou vídeo em que pega um tubo seco e longo de esquerda na praia da Vila, em Saquarema (RJ). As imagens são de Mário Sérgio Xavier e a prancha utilizada foi feita pelo renomado Ricardo Martins. Vale lembrar que o vencedor da categoria Melhor Tubo recebe de prêmio R$ 10 mil mais estadia de 11 dias no barco Star Koat I nas ilhas Mentawaii, cortesia da agência de viagens Mentawaii Surf Charter em conjunto com a empresa de surfwear Greenish. O cinegrafista ganhará R$ 2 mil e o shaper, R$ 2 mil.

Gabriel Pastori, por sua vez, se inscreveu na Maior Onda, surfada com maestria na praia da Barra da Tijuca, na capital fluminense. O vídeo foi registrado por Tatiane Araújo e a prancha usada é de autoria de J. Secco. O prêmio para o surfista nesta que é a principal categoria em disputa é de R$ 25 mil mais a viagem para as ilhas Mentawaii, cabendo R$ 5 mil para o cinegrafista e o mesmo valor para o shaper.
Yan Guimarães / Imgem-Mário Sérgio Xavier (reprodução)
Outra categoria em disputa no Prêmio Greenish 2012 é destinada ao surfista que manobrar o melhor aéreo em território nacional, entre os dias 1º de janeiro e 31 de dezembro do ano de 2012. O vencedor receberá R$ 10 mil mais a estadia de 11 dias no barco Star Koat I nas ilhas Mentawaii. O cinegrafista receberá R$ R$ 2 mil e o shaper, R$ 2 mil. É bom ressaltar que o surfista deve entrar na onda apenas com a força de sua remada sobre uma prancha de surfe.

Continuam abertas as inscrições para a edição 2012 do Prêmio Greenish Brasil nas três categorias em disputa - Maior Onda, Melhor Tubo e Melhor Aéreo. Os surfistas, cinegrafistas e shapers interessados em participar têm até o dia 15 de janeiro de 2013 para garantir a participação no evento que tem como lema "reme, drope, entube e voe!" e distribuirá um total de R$ 63 mil aos ganhadores.
As inscrições (com ficha assinada e reconhecidas firmas e material bruto) devem ser enviadas para Greenish (departamento de Marketing), para a rua Santa Luzia, 2.054 - Tabapuazinho, Caucaia (CE) - CEP: 61634-230. Para maiores informações, envie um e-mail para marketing@greenish.com.br. A ficha de inscrição está disponível para impressão no site www.greenish.com.br no link específico do Prêmio Greenish Brasil.

Por Roberto Pierantoni

22 de dezembro de 2012

Muita alegria na confraternização do SP Contest 2012

Show de alegria e amizade a festa de confraternização da Associação de Surf da Grande São Paulo (ASGSP), organizadora do O’Neiil Tent Beach SP Contest 2012. O evento foi promovido na última terça-feira (18.12), no Bar do Salim, localizado no bairro paulistano de Pinheiros. Campeões do circuito, demais atletas, patrocinadores e profissionais envolvidos na realização da competição correspondente ao Circuito Metropolitano da capital paulista marcaram presença e se divertiram muito durante toda a noite.
O encontro festivo também serviu para lançar a viagem promovida pela ASGSP ao Peru, a qual os cinco campeões da temporada receberam de prêmio pelo título, cortesia da agência de viagens Widex. Vale lembrar que os demais interessados em participar da "barca" ao país sulamericano podem fazer a reserva com Dadá Nascimento, presidente da entidade, pelo telefone 11 9 9527.7280. "Como ocorreu nos últimos anos, nossa viagem será fantástica, com muito surfe e comemoração", afirmou o dirigente da entidade.

Por Roberto Pierantoni 

21 de dezembro de 2012

Premiação e Ranking do Circuito Brasileiro de Freestyle 2012

Neste sábado, 22 de Dezembro, a partir das 13 horas, acontece na recém reinaugurada Marquise do Ibirapuera, em São Paulo (SP), uma sessão de Freestyle para premiar os melhores do Circuito Brasileiro de Freestyle 2012.
Na oportunidade também serão anunciados os aprovados pelo Comitê dos Profissionais de Freestyle que solicitaram tal categoria. Esta confraternização é organizada pela União dos Skatistas de Freestyle (USF).

Fonte CBSk

Raoni Monteiro explica:

Muitos fãs, amigos e seguidores do surfista Raoni Monteiro no World Tour questionaram a ausência do atleta na etapa de Pipeline, no Havaí, da primeira divisão da Association of Surfing Professionals. Como reconhecimento por todas as manifestações positivas e todo o suporte dado ao atleta durante sua carreira, Raoni se sentiu na obrigação de enviar uma resposta formal aos seus amigos e à imprensa. O Raoni decidiu antecipar a sua volta ao Brasil antes do início da última etapa do World Tour por conta de uma série de fatores, e o desconforto que sentiu no joelho direito (lesionado durante o evento de Fiji, no meio do ano) durante uma sessão de treinos foi definitivo para ele concretizar sua decisão.
Após a etapa de Fiji, onde foi ovacionado por sua atitude “Go For It”  naquela onda memorável que resultou em seu afastamento das competições por 3 meses, Raoni passou por um processo de recuperação física que acabou por ajudá-lo psicologicamente. Enquanto lutava contra a falta de patrocinador principal para custear suas despesas a fim de competir o Circuito Mundial, ficar de fora das etapas do Taiti, da França e de Trestles (Califórnia), por conta dessa contusão, fez com que o Raoni relaxasse um pouco mais da pressão de buscar bons resultados. A consequência, todos viram: retorno às competições em Portugal derrotando Kelly Slater, sequência de vitórias em cima dos “queridinhos” Jordy Smith e Julian Wilson na Califórnia, e a conquista do respeito daqueles que já duvidavam do comprometimento do surfista.

O Raoni chegou ao Havaí relaxado e surfando "com amor", como ele disse inúmeras vezes em entrevistas. Sem pressão, sem estresse, fica mais fácil trabalhar... só que o fato de não contar com um patrocínio principal para arcar com suas despesas diárias e passar mais de 1 mês no North Shore de Oahu pesou em sua decisão de adiantar seu retorno ao Brasil. Ele sentiu ainda um desconforto no joelho direito e não estava confortável com esse conjunto de fatores.

Como o Raoni estava aplicando para a vaga de Injury WildCard por estar afastado por cerca de 3 meses do Tour, ele preferiu cuidar da saúde para começar 2013 com todo o gás. Não adiantaria “forçar” um Pipe Masters com dor só para mostrar a terceiros que ele estava ali. Existem decisões na carreira de um atleta que colocam um ponto de interrogação na cabeça de muitos críticos e fãs, mas achamos que a decisão do Raoni de voltar para casa mais cedo foi acertada.

Ele já deu continuidade ao processo de recuperação física, com consulta médica, e treinamentos funcionais e cardiovasculares. Precisa apenas fortalecer a musculatura para dar o suporte necessário ao joelho direito.
2013 está logo ali e o Raoni poderá proporcionar aos espectadores do World Tour performances que correspondem 100% ao seu talento.

Por Raiana Monteiro

20 de dezembro de 2012

Encerrado o Brasileiro de Street Amador 2012

Aconteceu no último sábado, 15 de dezembro, o Campeonato Brasileiro de Street Amador 2012 em São Bernardo do Campo (SP).

Em virtude das previsões de chuvas para o final de semana passado a organização do evento (Confederação Brasileira de Skate e Prefeitura de S. Bernardo do Campo) decidiu na sexta-feira à tarde transferir a competição do Parque da Juventude para a CAJUV (Coordenadoria de Ações para Juventude) onde estavam alojadas as delegações participantes provenientes de diversos Estados. Esta decisão demonstrou-se acertada, pois as fortes e incessantes chuvas que caíram em S. Bernardo do Campo no final de semana com certeza faria com que os participantes vindos do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Piauí e Amazonas, todos alojados na CAJUV desde sexta-feira, perdessem a viagem.
Em pouco tempo grades, tendas, aparelhagem de som, faixas, mesas, cadeiras, frutas, águas, energéticos e toda estrutura necessária para um acontecimento como este, foram transportadas e montadas no espaçoso galpão da CAJUV, localizado a cerca de 500 metros do Parque da Juventude. As rampas utilizadas foram as do projeto Parque da Juventude na Minha Escola, vencedor do Troféu CemporcentoSKATE 2011, e foram escolhidas pelos skatistas profissionais André Hiena, Marcos Camazano e Masterson Magrão (também juízes do campeonato) junto com Marcelo "Somos" Calazans, diretor de prova, e Betinho Mendes, locutor.

A área de competição elaborada por eles foi aprovada pelos participantes, pois acabou de vez com qualquer localismo que poderia haver, e ainda teve uma alteração na disposição dos obstáculos para a Final dos amadores 1, o que aumentou a necessidade de demonstrar rápida adaptação dos skatistas. Provavelmente as chuvas desanimaram muitos selecionados ou fizeram acreditar que não haveria campeonato, pois apenas 47 apareceram. Azar de quem não estava presente porque até almoço foi cedido gratuitamente aos concorrentes que tinham serviço exclusivo de translado da CAJUV para o restaurante oficial do evento a todo momento.
Diego Fontes Bras Street AM 2012
As competições começaram com a Final dos iniciantes com participação de gaúchos, paranaenses, paulistas, fluminenses e capixabas, onde quem roubou a cena foi o pequeno Marcelo Palino de Vitória (ES), com apenas 10 anos de idade e skate de gente grande. Contudo quem mais saiu feliz nesta categoria foi o curitibano Lucas Alves que além de sagrar-se campeão brasileiro iniciante de Street, ganhou uma estadia de 04 dias no Brasil Skate Camp!

Na sequência aconteceu a Final da categoria Feminino 2 onde representantes do Rio Grande do Sul, São Paulo, Rio de Janeiro e Espírito Santo deram o ar de suas graças, mas quem venceu a batalha foi a aniversariante do dia Letícia Gonçalves de Mogi das Cruzes (SP). Na Final do Feminino 1 um alto nível técnico pouco visto anteriormente foi apresentado pelas meninas e o público presente comentava se Bia Chimanski de Paranaguá (PR), Gabriela Mazzeto de Praia Grande (SP) e Pamela Leite de S. José dos Campos (SP) tivessem disputando com os amadores 1 dariam muito trabalho!
Em seguida foi a vez das Eliminatórias dos amadores 1, onde 21 participantes foram divididos em 04 baterias com representantes amazonenses, capixabas, catarinenses, fluminenses, gaúchos, paranaenses, paulistas, piauienses, muitos deles campeões estaduais. Nesta fase os três primeiros respectivamente foram Diego Fontes de Guarujá (SP) e terceiro colocado do Circ. Paulista, Ramon Muniz de Pelotas (RS) e campeão gaúcho, Claudio da Silva Carvalho de Pedreira (SP) e campeão do Circ. Paulista e do Sampa Skate.

Durante a hora decisiva quem surpreenderam foram Vitor Miranda de Jandira (SP) e quarto colocado do Sampa Skate que da 5ª colocação pulou para vice-campeão, e Guiri Reyes da Praia do Rosa (SC) e campeão catarinense vindo como 6.o colocado terminou na 3ª posição! Entretanto Diego Fontes desde as Eliminatórias mostrou que estava determinado a vencer, e assim finalizou 2012 como o grande campeão brasileiro amador de Street merecidamente.
Resultados:
Amador 1
1) Diego Fontes - Guarujá
2) Vitor Miranda - Jandira
3) Guiri Reyes - Praia do Rosa
4) Claudio da Silva Carvalho
5) Percy Jr - Curitiba (PR)
6) Ramon Muniz - Pelotas (RS)
7) Junior Nogueira "Embaça" - Manaus (AM)
8) Alef Rocha - São Paulo (SP)
9) Heverton Freitas - Curitiba (PR)
10) Igor Dalchau - São Paulo (SP)
11) Deivid Santos - Vila Velha (ES)
12) Maykison Fagundes - Joinvile (SC)
13) Leonardo Barreto - Macaé (RJ)
14) Marcelo Prisso "Filé" - Vila Velha (ES)
15) Thyago Costa - Teresina (PI)
16) Denis Pitigliane - Tubarão (SC)
17) Maikon Quaresma "Baraka" - Manaus (AM)
18) Fabio de Carli "Figurinha" - Vila Velha (ES)
19) Adisley Martuchelli - Serra (ES)
20) Antonio Cardoso "Manguaça" - Manaus (AM)
21) Filipe da Silva Soares - Curitiba (PR)
Feminino 1 
1) Pamela Leite - S. José dos Campos (SP)
2) Bia Chimanski - Paranaguá (PR)
3) Gabriela Mazetto - Praia Grande (SP)
4) Marina Veiga - Almirante Tamandaré (PR)
5) Juliana Monteiro "Jú" - Rio das Ostras (RJ)
6) Jéssica Hoefler - Guarujá (SP)
7) Jacqueline Damasceno - São Paulo (SP)
8) Andréa  Souza - Rio das Ostras (RJ)
9) Ariane Pereira - Volta Redonda (RJ)
10) Rafaela Garcia - Curitiba (PR)
Feminino 2 
1) Letícia Gonçalves "Lê" - Mogi das Cruzes (SP)
2) Jaqueline Altenhofen - Ivoti (RS)
3) Aline Benedetti - São Paulo (SP)
4) Rayane Oliveira - Serra (ES)
5) Ana Caroline - Angra dos Reis (RJ)
6) Luana Tenório - Vitória (ES)
Iniciante
1) Lucas Alves - Curitiba (PR)
2) Marcelo Palino - Vitória (ES)
3) Ricardo Alves - S. Bernardo do Campo (SP)
4) Danilo Vermont - São Vicente (SP)
5) Thiago Monteiro - São Paulo (SP)
6) Samuel Augusto  - Vitória (ES)
7) Gabriel Ferreira - Serra (ES)
8) William Reis "Muka" - Porto Alegre (RS)
9) Leonardo Cesar Cunha - Volta Redonda (RJ)
10) Gabriel Pires - Curitiba (PR)

O Campeonato Brasileiro de Street Amador 2012 foi encerrado com muita confraternização onde ficou como lição que o intercâmbio gerado entre skatistas de diversas regiões do Brasil que dificilmente teriam oportunidade de se conhecer e a amizade criada é o maior legado que um evento pode produzir. A Confederação Brasileira de Skate (CBSk) aproveita para divulgar a data do próximo Campeonato Brasileiro de Street Amador para 14 e 15 de Dezembro de 2013.

 Por Ed Scander / Fotos Carlos Pretto

ASVS realiza a festa do Surfista

O evento faz parte do calendário de atividades da entidade e premiará os campeões municipais de Surf do ano de 2012

Com a chegada das festas de fim de ano, a Associação São Vicente de Surf preparou uma série de atrações, que acontecerá na Festa da Noite do Surfista, a ser realizada no dia 27 de dezembro, no Buffet Maison 27, no alto da Ilha Porchat, em São Vicente. Na ocasião, a entidade premiará os finalistas do Circuito Vicentino Local Surf Street 2012, bem como, os campeões municipais de surf em oito categorias, e ainda sorteará entre eles uma moto 0 Km, oferecida pela Dafra/DaPraia Motos.
O evento, que terá DJ, apresentação de Dança Havaiana e Vídeos de Surf, será aberto para o público em geral, bastando adquirir o convite ao custo de 30 reais, até às 18 horas do dia 26. Após esta data e horário o preço será R$ 40 reais, até esgotarem os convites. O preço dá direito de participar do coquetel de solenidade dos atos oficiais, além de concorrer ao sorteio de uma prancha de surf Wave Attack e um neoprene Billabong.

Durante as atrações, a ASVS prestará contas do seu mandato neste ano de 2012, e transmitirá a posse à nova Diretoria e Conselho Fiscal eleitos recentemente, além de homenagear o ex-profissional Marcelo Prado, mais conhecido como Peixe, que marcou época no surf vicentino.  O objetivo final da “Noite do Surfista da ASVS”, que acontecerá no horário compreendido entre 20h e 24h, é congregar toda a família surf de São Vicente e cidades vizinhas, numa noite inesquecível, de modo que todos possam adentrar 2013 com as energias renovadas.

Ficha Técnica do “Noite do Surfista da ASVS”:
Realização: Associação São Vicente de Surf (ASVS).
Apoio: Local Surf Street, Lima Imóveis, Dafra/DaPraia Motos, Wave Attack, Buffet Maison 27 e Classiclongboards.
Parceria: Prefeitura Municipal de São Vicente, Federação Paulista de Surf e Associação Suprema/Ponto de Cultura – Centro Cultural do Surf Vicentino.
Divulgação: InnerSport.
Local de aquisição dos convites: Show Room da Classiclongboards, na Rua Armando Sales de Oliveira, 97, Vl. Valença, São Vicente.

Fonte ASVS

19 de dezembro de 2012

ASI apresenta os campeões Pro/Am 2012

A Associação de Surf de Imbituba encerrou com chave de ouro, no último domingo (16.12), na Praia da Vila em Imbituba/SC, o Mormaii Eduardo Final Heat, válido pela quarta etapa do Circuito Imbitubense Pro/Am 2012, que definiu os Campeões Imbitubenses nas categorias Junior, Mirim, Iniciantes, Infantil, Espumeiro, Feminino, Sênior e Pro/Am. O Circuito Imbitubense Pro/Am é um dos melhores e mais competitivos do estado e atrai atletas de toda a região. O circuito é realizado pela ASI – Associação de Surf de Imbituba, uma das entidades mais antigas de Santa Catarina, fundada em 1985.
Anderson Junior
As competições desta última e decisiva etapa iniciaram no sábado, 15, em ondas de meio metro, e as disputas foram eletrizantes, bateria a bateria, até as grandes finais, e um dos grandes destaques do circuito e também desta última etapa, foi o surfista Ian Tavares, que fez uma dobradinha, vencendo as categorias Junior e Mirim, na Praia da Vila.  Com a vitória, Ian confirmou também os títulos de campeão em ambas as categorias.

Na categoria Iniciantes, até 14 anos, o surfista Anderson Junior venceu a etapa, e também garantiu o título do circuito, assim como, o surfista Leonardo Barcelos, que levou a etapa da Praia da Vila e conquistou o título de Campeão Imbitubense na categoria Infantil, para atletas de até 12 anos. Um dos grandes nomes do surfe imbitubense, o surfista Fábio Carvalho, foi o vencedor da etapa, na categoria Sênior, mas, o campeão do circuito Imbitubense Pro 2012 foi o surfista Carybean Heleodoro.  Fabinho acabou não participando de todas as etapas, devido a um problema de saúde, mas, já esta de volta as competições, mostrando que ainda não esqueceu o caminho ao lugar mais alto do pódio.
Caetano Vargas
“Estou feliz, este ano foi positivo. Não consegui competir às primeiras etapas devido a um problema de saúde delicado, o qual, precisei me afastar das competições para poder me tratar por longo prazo, mais graças a Deus deu tudo certo, estou voltando a competir antes do ano terminar, que é o que mais amo, é o que eu gosto de fazer, e isso já é uma grande vitória. Com a idade que eu já tenho, não almejo nada de grandeza, apenas estar com meus amigos, com um sorriso no rosto, e de bem com a vida,  Esse problema de saúde me fez abrir os olhos para muitas coisas, hoje tento viver um dia após o outro, com minha família sempre perto de mim”, declarou o ídolo do surfe imbitubense Fábio Carvalho.  “Estou muito feliz mesmo e gostaria muito de agradecer a Deus, a minha família e a todos que torceram e oraram por mim”, completou Fabinho.

Na categoria Feminina a surfista de Balneário Camboriú Débora Rebelo foi a vencedora da etapa, mas o título de campeã do circuito ficou com a surfista Bruna Lopes. Na categoria Espumeiro, para molecada que está dando os primeiros passos nas competições, o vencedor da etapa e também do Circuito Imbitubense Pro/Am 2012 foi o surfista Vinícius Barcelos. No domingo as ondas reagiram um pouco, e ficaram na faixa de um metro, como a previsão já indicava.  A categoria Pro/Am entrou na água e o atleta paranaense Caetano Vargas foi o grande vencedor da etapa, somando 17,00 pontos, deixando o surfista da praia do Rosa Daniel Pedreira na segunda colocação, com apenas 12,15 pontos.  Completaram o pódio os surfistas Fábio Carvalho e Victor Borges, na terceira colocação.
Fabio Carvalho
“Fui muito legal poder dividir o pico com o Daniel, que é muito gente boa, e sempre encontro ele nos treinos aqui pela região.  Tive mais sorte na bateria, achei as melhores ondas e consegui a vitória aqui na praia da Vila, onde venho treinando bastante. Gostaria de agradecer alguns pessoas que sempre estão me apoiando aqui como o Moa, a Ivonete, o Eduardo e todos meus amigos que torcem por mim”, declarou Caetano Vargas, campeão do Mormaii Eduardo Final Heat, última etapa do Circuito Imbitubense 2012.

O título do circuito na categoria Pro/Am ficou com o surfista da praia da Vila, Victor Borges, que conquistou o caneco ainda nas semifinais, quando alcançou os pontos necessários para ultrapassar João Paulo, que liderava o circuito até está última etapa, mas não competiu nessa última etapa, deixando o caminho aberto para Victor Borges conquistar o título do Circuito Imbitubense 2012. Os melhores resultados desta última etapa do circuito foram do surfista Fábio Carvalho, na segunda bateria do primeiro round, marcando uma nota dez, na melhor onda da competição, e 18,75 pontos no maior somatório do evento.
Ian Tavares
“Gostaria primeiramente agradecer a Deus, a minha família, nossa diretoria, e a todos que sempre nos apoiaram nesta caminhada.  Acredito que nossa gestão fez um bom trabalho frente à Associação de Surf de Imbituba, sempre acreditando no surfe imbitubense. Estou muito feliz por conseguir realizar esta gestão com sucesso, hoje a ASI é reconhecida internacionalmente através da realização de grandes eventos internacionais”, declarou o presidente da ASI – Associação de Surf de Imbituba, muito emocionado na sua despedida da presidência da entidade, que no dia 13 de janeiro realiza as eleições diretas para a escolha a nova diretoria, biênio 2013/2014. Votam os filiados a ASI.

Resultado
Espumeiro
1º   Vinicius Barcelos        
2º   Arian Guimarães          
3º   Walley Guimarães      
4º   Gabriel Junior
Infantil
1º  Leonardo Barcelos        
2º  João Guerreiro              
3º  Gustavo Borges            
4º  Vinicius Barcelos          
Iiniciante
1º Anderson Junior            
Victor Borges
2º Geovanne Picaski          
3º Gustavo Borges            
4º Luan Piazera                  
Mirim
1º Ian Tavares                    
2º Gabriel Ulzefer              
3º Yago Ramos                  
4º Carlos Augusto              
Junior
1º Ian Tavares                    
2º Carlos Augusto              
3º Ricardo Kjellin                
4º Rogerio Medeiros          
Sênior
1º Fábio Carvalho  
2º Moa Soares                    
3º Rodrigo Couto                
4º Ricardo Tavares            
Feminino
1ª Débora Rebelo              
2ª Fernanda Espíndola                  
3ª Joana de Bona                          
4ª Natali Plachi                  
Pro-Am
1º Caetano Vargas            
2º Daniel Pedreira              
3º Fábio Carvalho  
3º Victor Borges                            
Ranking Final ASI 2012 – Filiados
Espumeiro
1 – Vinicius Barcelos - 2.900 pontos
2 – Kauan Pereira - 656
Infantil
1 – Leonardo Barcelos - 2.900 pontos
2 – Vinicius Barcelos - 2.458
3 – Carlos Santos Jr. - 2.456
4 – Carlos Henrique - 2.385
Iniciante
1 – Anderson Junior - 2.810 pontos
2 – Geovanne Picaski - 2.800
3 – Gabriel Ulzefer - 2.800
Vinicius Barcelos
4 – Hugo Lentz - 1.791
Mirim
1 – Ian Tavares - 3.000 pontos
2 – Gabriel Ulzefer - 2.456
3 – Anderson Junior - 2.366
4 – Carlos Augusto - 2.195
Junior
1 – Ian Tavares - 2.800 pontos
2 – Jean Pierre - 2.656
3 – Carlos Augusto - 2.241
4 – Rogerio Medeiros - 2.070
Sênior
1 – Carybean Heleodoro - 2.900 pontos
2 – Manoel Rene - 1.997
3 – Diego Limão - 1.815
4 – Carlos Santos - 1.810
Feminino
1 – Bruna Lopes - 2.520 pontos
2 – Natali Plachi - 2.070
3 – Ruth Vieira - 2.041
4 – Andreza Barcelos - 1.968
PRO-AM
1 – Victor Borges - 2.460 pontos
2 – João Paulo Abreu - 2.230
3 – Carybean Heleodoro - 1.460
4 – André Luiz - 1.450

Fonte Fecasurf / Fotos Angelo Posenti

1º Surf Clube faz história no Arpex

Berço do surfe brasileiro inova mais uma vez ao promover evento inédito

Um sonho realizado! Assim definiu muito bem Denilson Thyola, vice presidente do Favela Surf Clube (FSC) ao se referir ao 1º Festival Favela Surf Clube, campeonato de surfe exclusivo para moradores de comunidades, que foi finalizado no último domingo, 16 de dezembro, no Arpoador, Rio de Janeiro com boas ondas de cerca de 1 metro. Conhecido como “Berço do surfe brasileiro” o Arpex reviveu seus tempos de pioneirismo ao receber muito bem, meninos e meninas que tem em comum a paixão pelo surfe e o fato de terem seus endereços em locais como Rocinha, Vidigal, Cantagalo ( anfitrião), Terreirão do Recreio, entre outras comunidades.
No domingo o mar reagiu e as séries maiores chegaram a 1 metro, proporcionando boas paredes para os surfistas. Entre os que mandaram bem, Romulo Bula ( 13.10 pontos), do Cantagalo que venceu na Open. Em Segundo ficou Gabriel Viana ( 12,63), seguido por Magno Neves ( 11,16). Na quarta posição Jefferson Cardoso ( 6,17). “Quero agradecer ao FSC por tudo que eles tem feito. Esse ano nós sofremos uma perda e ofereço esse título ao Felipe Bordowski”, disse ele homenageando a jovem surfista local do Arpoador que faleceu recentemente.

Entre as meninas, deu Cantagalo de novo. Valentina Betrano (10,50) venceu com uma boa margem de vantagem sobre a segunda colocada, Diana Serrano ( 5,0), que deixou Maiara Castro ( 4,0) em terceiro e Milena Becker ( 1,90) com a quarta colocação. A categoria Mirim foi vencida por um representante da Rocinha. Lucas Nascimento (10,10) conseguiu imprimir um bom ritmo para levar o troféu para São Conrado. O vice campeão da categoria foi Renan Silvestre (7,50). Em terceiro ficou Alan Martins ( 3,37) e finalizando na quarta colocação Carlos Eduardo ( 3,17).
Na categoria Iniciantes a disputa foi super acirrada, com a diferença entre o primeiro e o segundo colocado sendo de apenas 17 décimos! Alexandre Santos ( Rocinha ) marcou  9,67 pontos,  contra 9,50 de Mancine Carvalho, vice campeão. O terceiro colocado Bernardo Bordovisk computou 4,83 contra 4,56 do quarto colocado Gabriel Sales.

Após as finais, a Orquestra de Percussão do Favela Surf Clube emocionou a praia ao se apresentar em frente ao palanque., mostrando muita competência e alegria. Para o predsidente do FSC,  Alexandre Pretão,  a sensação foi de missão cumprida. “Só nós mesmos, que moramos em comunidade e sabemos de todas as dificuldades, poderíamos fazer um evento desse. Agradeço muito a Nike e a toda a minha equipe por ter acreditado em nosso projeto e por nos ajudar a realizar nosso sonho”, concluiu.
Resultados:
Open:
1-    Romulo Bula ( 13,10)
2-    Gabriel Viana ( 12,63)
3-    Magno Neves ( 11,16)
4-    Jefferson Cardoso ( 6,17)
Feminino:
1-    Valentina Bertrano ( 10,50)
2-    Diana Serrano ( 5,0)
3-    Maiara Castro ( 4,0)
4-    Milena Becker ( 1,90)
Mirim:
1-    Lucas Nascimento ( 10,10)
2-    Renan Silvestre ( 7,50)
3-    Alan Martins ( 3,37)
4-    Carlos Eduardo ( 3,17)
Inciantes:
Alexandre dos Santos ( 9,67)
Mancine Carvalho ( 9,50)
Bernardo Bordovisk ( 4,83)
Gabriel Sales ( 4,56)

Por Gerson Filho

Joca e Saulo fazem a "mala" em Ubatuba

O mar subiu e as ondas ficaram ótimas no último domingo (16.12), para o encerramento do Brasil Surf Master na Praia de Itamambuca, em Ubatuba, no litoral norte de São Paulo. Os grandes ídolos das décadas de 70 a 90 deram um show e o potiguar Joca Junior conquistou pela segunda vez o título brasileiro Master, dos surfistas com 40 anos ou mais de idade. O primeiro foi em 2005 nas mesmas ondas de Itamambuca, quando o limite era 35 anos. Na final Grand Master, Saulo Lyra garantiu a invencibilidade de Santa Catarina na categoria dos que já completaram 45 anos, levando o terceiro título brasileiro para o estado. E na Kahuna, dos que passaram dos 50 anos, deu São Paulo no alto do pódio com Antonio Augusto, mais conhecido por Sapo. "É muito bom ser bicampeão brasileiro Master, graças a Deus consegui", disse Joca Junior, logo que saiu do mar após a vitória sobre o baiano Jojó de Olivença (vice-campeão), o ubatubense Tadeu Pereira (terceiro lugar) e o catarinense Roni Ronaldo (quarto), que neste ano faturou o título Master amador da Confederação Brasileira de Surf (CBS). Joca começou bem a final com nota 9, manobrando forte de backside as direitas de Itamambuca e liderou toda a bateria.
Pódio Grand Master
Na última onda, ainda ampliou a vantagem, trocando o 7,5 da sua segunda nota por um 8,07 que fechou o placar da vitória em 17,07 pontos. O título na principal categoria do Brasil Surf Master valeu um prêmio de 6 mil reais, além de uma prancha Skol amarelinha que todos os doze finalistas receberam. O ubatubense Tadeu Pereira também teve um bom início com nota 8,33, mas faltou uma segunda onda boa pra somar e Jojó de Olivença terminou como vice-campeão. O baiano totalizou 13,73 pontos contra 13,50 do Tadeu e 12,33 de Roni Ronaldo, que acertou alguns aéreos nas esquerdas de Itamambuca. "Eu sempre quis surfar ali no canto de Itamambuca, mas o mar mudou nos outros dias, as ondas vieram mais para o meio da praia e fiquei um pouco perdido no posicionamento no mar, quase até perdendo algumas baterias", conta Joca Junior. "Hoje (domingo) não, as ondas estavam ali no cantinho e foi lá que fui buscar a vitória. Já comecei com um 9 que me deu mais confiança e deu altas ondas para a direita. Eu queria uma esquerda para dar o aéreo, não veio, mas estou muito feliz pela vitória com o meu backside que funcionou bem aqui".

O primeiro bicampeão brasileiro da história da categoria Master na Associação Brasileira de Surf Profissional (ABRASP), volta para o Rio Grande do Norte com mais um troféu de campeão para sua extensa galeria de vitórias e deixou uma sugestão para o próximo ano: "Espero que no ano que vem não tenha só uma etapa, mas um circuito pequeno mesmo. Não precisa ser uma premiação alta, porque já é muito bom estar reencontrando os amigos, a galera que iniciou essa explosão que o surfe brasileiro está vivendo agora no Circuito Mundial, com a molecada quebrando no WCT. E tudo isso porque essa galera das antigas ajudou a consolidar o esporte lá atrás, então tem que reconhecer isso, quem sabe fazendo um circuito com três etapas".
Joca Junior
Na Grand Master, os surfistas com mais de 45 anos mostraram um ótimo nível técnico e nas semifinais o carioca Sergio Penna ganhou a única nota 10 do Brasil Surf Master surfando uma onda incrivelmente bem em Itamambuca. Porém, na grande final o surfista de Balneário Camboriú, Saulo Lyra, foi preciso na escolha das ondas. Ele só surfou duas nos 25 minutos da bateria e manteve a supremacia de Santa Catarina na categoria, repetindo o título conquistado por David Husadel em 2005 em Ubatuba e por Carlos Kxot em 2010 em Saquarema (RJ). "Ontem (sábado) eu fiz duas baterias bem boas aqui e hoje de manhã acordei, orei bastante e eu tava com a sensação de que algo bom iria acontecer pra mim", confessou Saulo Lyra. "Eu queria muito fazer essa final pra colocar uma prancha amarela dessas de prêmio no teto do carro na volta pra Santa Catarina, então o slogan era: prancha amarela no teto, prancha amarela no teto. E ter vencido esse evento, além de uma benção é uma honra, pois os maiores nomes do surfe brasileiro estão aqui".

Saulo Lyra também falou sobre a bateria decisiva: "Eu sabia que contra esses caras não adiantava eu ficar pegando qualquer ondinha, era preciso esperar a da série e fazer boa nota. Tanto que eu fiquei sentado na prancha esperando uns 10 minutos para abrir a bateria, fiz uma nota boa (9,0), voltei pro fundo, sentei, esperei, esperei, consegui um 8,33 na segunda onda e depois fiquei esperando trocar essa nota. Mas, no final dei uma marcadinha no Pedro (Muller), que precisava de 7 e pouco pra vencer. A nota era alta, mas se tratando de um adversário desse nível até um 9 ele poderia fazer, como já tinha feito um 9,67, então merecia um cuidado".
Podio Master
A vitória de Saulo Lyra confirmou a invencibilidade dos catarinenses na história da categoria Grand Master na ABRASP. "Eu atribuo isso ao excelente trabalho da Fecasurf (Federação Catarinense de Surf), que tem um circuito muito forte, consistente, há muitos anos, tanto que o Master está neste nível competitivo que está. Lá a gente não quer perder de jeito nenhum para não ter que pagar rodada extra pros amigos, então fazer molecagem é ótimo e fazer molecagem aos 50 não tem preço. Voltar pra casa com o título de campeão brasileiro Grand Master 2012, caramba, é uma sensação ótima".

O carioca Pedro Muller, atual presidente da ABRASP, surfou uma das melhores ondas do domingo em Itamambuca, mas faltou outra pra somar com o 9,67 recebido nessa. Ele terminou em segundo lugar com 16,17 pontos, contra 17,33 do campeão Saulo Lyra. O nota 10, Sergio Penna, também do Rio de Janeiro, ficou em terceiro lugar com 14,43 e o quarto foi o cearense Cardoso Junior, que não achou boas ondas e só fez 8,87 pontos. A premiação da Grand Master é igual a da Master e Saulo Lyra faturou o prêmio máximo de 6 mil reais.
Antonio Augusto (SP)
A primeira final do Brasil Surf Master a entrar no mar foi a da categoria Kahuna. A disputa do título, que valia uma passagem aérea para a Costa Rica oferecida pela Nivana Turismo, foi acirrada e dois surfistas cometeram "interferência" na disputa por ondas com os adversários. Como penalidade, Gaúcho e Leonardo Viana perderam metade da segunda nota computada e ficaram de fora da briga pela vitória.

O paulista Antonio Augusto largou na frente com notas 7,33 e 8,17 em duas boas ondas, mas Lula Menezes quase consegue a virada no final. O único carioca na decisão da Kahuna precisava de 8,90 pontos e surfou uma bela onda, arriscando as manobras para vencer. No entanto, a nota saiu 8,57 e o título ficou mesmo para Antonio Augusto. O campeão da categoria para surfistas que já passaram dos 50 anos de idade totalizou 15,50 pontos, contra 14,84 do Lula Menezes, 5,90 do Gaúcho e 4,90 do Leonardo Viana. "Demorou, mas subi no pódio né?", disse Antonio Augusto, mais conhecido como Sapo. "Surfo há 40 anos, venho aqui pra Ubatuba desde 1973 e competição é assim mesmo. O negócio é não desistir nunca e surfar sempre. O Lula (Menezes) ainda pegou uma onda boa no finalzinho, faltou pouco pra ele virar o resultado, mas eu consegui uma boa vantagem no início com um 7,33 e um 8,17, que deu pra garantir a vitória. Agora vou conhecer a Costa Rica, acho que vai ser bom porque dizem que dá altas onda lá, então eu vou".
Saulo Lyra
O Brasil Surf Master foi um evento viabilizado através da Lei Paulista de Incentivo ao Esporte da Secretaria de Esporte, Lazer e Juventude do Estado de São Paulo, apresentado pela Skol Praia, com patrocínio da Oakley e apoio do Aquário de Ubatuba, L23 e Nivana Turismo, contando com apoio de mídia da ESPN Brasil, Revista Fluir e Waves.com.br. O evento decidiu os títulos brasileiros da categoria Master da Associação Brasileira de Surf Profissional, em uma realização conjunta com a Federação Paulista de Surf, Associação Ubatuba de Surf e Prefeitura Municipal de Ubatuba.

Por João Carvalho / Fotos Renato Boulos

18 de dezembro de 2012

"De Braços Abertos" agitou o Rio de Janeiro

Esporte e cidadania fizeram parte do fim de semana dos moradores das comunidades de Manguinhos e do Jacarezinho, no último domingo (16.12). Cerca de dois mil atletas estiveram presentes na terceira etapa do projeto "DE BRAÇOS ABERTOS", que teve como ponto alto, a corrida de rua. Neste domingo, 16/12, moradores e visitantes, entre eles vários de outras comunidades, como Chapéu Mangueira, Rocinha, Vidigal e Maré, puderam ver e conhecer locais antes dominados pelo tráfico de drogas por uma outra perspectiva: a do esporte. "Mais uma missão cumprida! Nós estamos muito felizes com o carinho da população local e com a presença dos atletas de fora. Era isso que nós queríamos e que precisávamos, mostrar que tem jeito, que a gente é capaz de, unindo esforços, mudar este quadro.
Já estamos preparando uma surpresa dentro do DE BRAÇOS ABERTOS , então a população do Rio pode se preparar", revelou o Tenente-Coronel René Alonso, Comandante Geral do BOPE, órgão parceiro da X3M Sports Business na organização do projeto. A prova teve duas distâncias, 10km e 5 km e passou por terrenos bem diferenciados, como asfalto, terra, lama e algumas subidas e descidas de nível moderado. Quem levou a melhor na categoria Masculino da competição de 10 km, foi Clodoaldo Azevedo, que terminou a prova com o tempo de 31min32 seg. O atleta já havia vencido a primeira edição do Projeto, na comunidade da Rocinha. O atleta de Raiz da Serra, no Rio de Janeiro, foi seguido por Bruno Njaine, que completou o percurso em 37min16 seg. Na terceira colocação ficou Rafael Sodré, com o tempo de 37min29 seg. "A prova não estava nada fácil, por isso tive que dar o meu melhor. Tenho praticado muito e vou continuar, porque o ano ainda não acabou. Se estou vencendo é sinal que meu treinamento esta dando certo. Espero me manter assim", comemorou Clodoaldo Azevedo, vencedor da categoria Geral Masculino, 10 km.

Entre as mulheres, o lugar mais alto do pódio ficou para Francilene de Sousa. A experiente atleta terminou os 10 quilômetros em 42min17seg. Na sequência vieram Juliana Oliveira e Julcieni dos Santos, com os tempos de 52min59seg e 55min, respectivamente. "Foi um sufoco, não esperava ser a primeira. Estou muito feliz por conseguir esta vitória e por  ter conhecido as comunidades. Espero que este evento incentive os moradores a praticar mais esportes. Antes eu tinha um certo receio de vir aqui, agora não", observa Francilene Araujo.
A categoria Comunidade, exclusiva para moradores, tinha um prêmio especial para a distância de 10 km. Os primeiros atletas a cruzar a linha chegada nas categorias Masculino e Feminino ganhariam um ano de material esportivo da NIKE , além de treinos da equipe G-Luz TOP TEAM. A vencedora entre as mulheres foi Fabiana do Nascimento. Ela concluiu o percurso de 10 km em 43min31seg. Completaram o pódio Viviane Gomes Bernardo e Sandra Glória da Silva.  "Não tenho palavras para descrever a minha felicidade. Hoje foi um dia muito especial. Nossa comunidade precisa de ações assim. Para completar o dia, vou acompanhar minha filha na corrida infantil", disse Fabiana Nascimento.

Entre os homens, o mais veloz foi Paulo Sérgio Ferreira. Local de Manguinhos, o atleta se destacou e venceu com sobra. O tempo de conclusão da prova foi de 40min33seg. Na segunda colocação ficou Gilberto Gomes do Nascimento, que terminou a prova em 47min17seg .  Fechando o pódio, Eufrazio Ferreira, como o tempo de 47min37seg. "Correr aqui foi um sonho que realizei. Fiquei muito emocionado no final da prova, só não chorei porque estava muito focado. Agora quero só me dedicar aos treinos e melhorar meus tempos, por isso o patrocínio da NIKE vai ser fundamental", planejou Paulo Sérgio.
Além das provas de 10 km, aconteceram as corridas de 5 km e mini, para crianças de 1 a 12 anos. O projeto DE BRAÇOS ABERTOS já havia oferecido, na semana anterior a corrida, cursos de capacitação profissional na área de eventos esportivos e os alunos puderam colocar em prática tudo o que aprenderam, neste domingo.  Concursos e Fotografia e Grafite também fizeram parte da festa.

Tempos:
Categoria Geral Masculino - 10km
1º Clodoaldo Azevedo - 31:32
2º Bruno Njaine - 37:16
3º Rafael Sodre - 37:29
Geral Feminina
1ª Francilene Araujo - 42:17
2ª Juliana Oliveira - 52:59
3ª Julcieni dos Santos - 55min
Geral Masculina - 5 KM
1º Cleiton Machado - 17:06
2º Ricardo Gomes - 17:27
Ronald da Silva - 17:51
Geral Feminina - 5KM
1ª Viviane Lyra - 20:28
2ª Andressa de Mesquita - 21:26
3ª Iris Ribeiro - 23:09
Categoria Comunidade Masculino- 10KM
1º Paulo Sérgio Ferreira - 40:33
2º Gilberto Gomes - 47:17
3º Eufrazio Ferreira - 47:37
Categoria Comunidade Feminio- 10KM

1ª Fabiana do Nascimento - 43:31
2ª Viviane Gomes Bernardo - 1:19:40
3ª Sandra Glória da Silva - 1:44:04

Por Camila Coimbra / Fotos Thiago Diz e Guilherme Taboada

17 de dezembro de 2012

Copa Surfe & Natação Social

A Organização Surfe do Brasil - Clube O' SURFE - realizará no domingo dia 23 de Dezembro a COPA O'SURFE Natação Surf Social. O evento será em formato de Biathlon nas atividades Natação no Mar e Surf com participação exclusiva de alunos e ex-alunos da escola. No final do evento, festivo e com o espírito de Natal, serão premiados os melhores alunos do ano de 2012 e os melhores atletas participantes da competição em cada categoria.
Durante o café da manhã que precede o evento, haverá uma palestra ambiental do Ciclo Local (http://www.ciclolocal.com.br/), representado por Bruno Cico (palestrante) na qual será destacada a importância do cidadão do futuro que a O'SURFE está formando, em relação aos cuidados com o futuro dos nossos oceanos.

As premiações do evento serão constituídas de doações de empresas e pessoas físicas que acreditam no trabalho sócio-esportivo e educativo do Clube O' SURFE, formador de campeões dentro e fora d'água.

Por Ulisberto Lelot

16 de dezembro de 2012

Pororoca: a onda mágica

No primeiro sábado deste mês de dezembro o Brasil pôde assistir a uma supermatéria exibida no Programa Caldeirão do Huck da TV Globo onde Luciano Huck junto com os amigos e galãs de novela Marcello Novaes, Rodrigo Santoro, Marcelo Serrado e o mundialmente famoso surfista de ondas grandes Carlos Burle, viveram o que eles próprios definiram como uma das mais excitantes e mágicas aventuras de suas vidas. Sob a coordenação do Presidente da ABRASPO-Associação Brasileira de Surf na Pororoca, Noélio Sobrinho, o grupo viveu toda a emoção de surfar um dos fenômenos mais intrigantes e fascinantes da natureza exuberante da Amazônia brasileira. Durante quatro dias essa turma sentiu na pele o que é ser um verdadeiro caçador de pororoca. A viagem para o Estado do Amapá, no extremo norte do país, os treinos prévios no Rio Araguari para a adaptação a diferente densidade da água (que por ser menor que a do mar faz com que a prancha flutue menos), o ritual Auêra-Auara pedindo as bênçãos dos espíritos da floresta para que tudo corresse bem, as horas de pura contemplação a espera da onda e o principal de tudo, o surf fantástico e sem comparações no fenômeno com direito a disputa vencida pelo galã internacional Rodrigo Santoro.
Para Noélio Sobrinho, o mais importante nessa reportagem de quase 30min. que foi exibida em mais de 160 países através da Globo Internacional, foi a oportunidade de mostrar para o Brasil e o mundo a atmosfera de intenso contato com a natureza que se tem quando se surfa na selva e principalmente, que surfar a pororoca é mais fácil do que muitos podem imaginar. “Quando fomos procurados por Carlos Burle para organizar a logística dessa operação ficamos muito felizes, pois, se encaixou como uma luva nas pretensões da ABRASPO de popularizar a pororoca. Nos últimos anos o fenômeno quase foi transformado em um mito inatingível e na verdade não é bem assim. Como todos puderam ver na bela e divertida matéria produzida pelo Caldeirão do Huck, não é preciso ser nenhum especialista em ondas para viver a alegria e a emoção de surfar a pororoca”, declarou Noélio.

 A ABRASPO convida você para surfar a pororoca
Quem assistiu a reportagem certamente se impressionou com a logística da operação: 2 iates, 2 helicópteros, 6 lanchas voadeiras, 2 jet skis e uma equipe de nada menos que 40 pessoas entre pilotos, Corpo de Bombeiros do Estado do Amapá, Agentes do IBAMA, cozinheiras, pessoal de apoio etc. E detalhe, todo o aparato de barcos, jet skis e helicópteros foi deslocado de Belém do Pará em uma verdadeira operação de guerra.
Naturalmente, aqueles que quiserem se aventurar nas ondas do Rio Araguari, no Amapá, como foi mostrado na reportagem do Caldeirão, ou no Arquipélago do Marajó, no Pará, precisarão de uma estrutura que possibilite a empreitada e que no mínimo deverá ter um barco mãe para se chegar no local do surf, uma voadeira para o lançamento dos surfistas e outra para o resgate.

Contudo, o que pouca gente sabe é que também dá pra surfar a pororoca de carro. Isso mesmo! Por exemplo, você pode surfar no município de São Domingos do Capim, a cidade conhecida como a Capital nacional da pororoca, onde as primeiras ondas de maré foram surfadas e que fica a apenas 140km da Capital, Belém. Ou no Rio Mearim, no município de Arari, que fica a apenas 169km da Capital maranhense. Esses dois lugares dispensam qualquer tipo de logística e você pode parar seu carro como se estivesse em uma praia qualquer, se lançar no rio e surfar as ondas mais longas de sua vida.
Para isso a ABRASPO, em parceria com o Ministério do Turismo e os Governos dos Estados do Amapá, Pará e Maranhão, está traçando um plano para a realização de megaeventos, os maiores já realizados nos municípios onde ocorrem o fenômeno, e que terão repercussão internacional, com o intuito de atrair turistas não só do Brasil, como também de outras partes do mundo.

Pororoca Tipo Exportação
Para isso algumas ações já começaram a ser desenvolvidas onde a principal delas terá como parceiro a China em um projeto totalmente inédito. No mês de novembro a maior TV chinesa, a Estatal CCTV, enviou ao Brasil uma equipe de nove técnicos para analisar e mapear as pororocas de São Domingos do Capim e do Marajó, ambas no estado do Pará, para que em abril seja feita a maior transmissão ao vivo já realizada do fenômeno. O ambicioso plano é instalar sete pontos de transmissão em cada locação e enviar o sinal on line para toda a Ásia.
É sabido que a China já explora o fenômeno da pororoca que ocorre por lá há mais de 100 anos. O Dragão Negro, ou Black Dragon, como vem sendo chamado pelos surfistas que a visitaram recentemente, é um produto turístico consolidado no país. E o objetivo da ABRASPO junto com o Ministério do Turismo é aproveitar toda essa experiência para implantar um projeto piloto de estímulo ao turismo na pororoca, tanto por brasileiros, quanto por estrangeiros.

“2013 será o ano da pororoca brasileira para o mundo. Serão mais de 100 profissionais da imprensa nacional e internacional mostrando para o Brasil e o mundo um dos maiores tesouros naturais do planeta. Auêra-Auara”, finalizou Noélio Sobrinho.

Link para a matéria do Caldeirão do Huck:
Por George Noronha / Fotos Raimundo Paccó

15 de dezembro de 2012

Tadeu Pereira faz novos recordes no Brasil Surf Master

Os últimos campeões brasileiros de surfe profissional de 2012 serão conhecidos no domingo, quando ocorre a final do Brasil Surf Master em Ubatuba, no litoral norte de São Paulo. Apesar de pequenas no sábado, as ondas entravam com boa formação em Itamambuca para os ídolos da história do esporte fazerem grandes apresentações no segundo dia do evento apresentado pela Skol Praia. As marcas do potiguar Joca Junior na sexta-feira foram superadas já na categoria Grand Master (45 anos ou mais de idade). Mas, o ubatubense Tadeu Pereira bateu todos os recordes no último confronto do dia, com a nota 9,67 e os 17,67 pontos que totalizou por volta das 18:45 horas em Ubatuba.
Tadeu Pereira
Tadeu foi o único paulista a se classificar para as semifinais na principal categoria do Brasil Surf Master, dos atletas com 40 anos ou mais. Ele superou os 17,50 pontos do carioca Pedro Muller e a nota 9,5 do pernambucano Claudio Marroquim em suas estreias na Grand Master, que foi iniciada no sábado. Tadeu derrotou o próprio Pedro Muller, que vai participar das semifinais em duas categorias, com ambos tirando o paulista Piu Pereira e o baiano Dalmo Meirelles da disputa do título em Ubatuba. "Fiquei na expectativa de competir mais cedo, mas o tempo foi passando, foi passando e fui guardando todas as energias para essa bateria, que foi a última do dia", falou Tadeu Pereira. "Eu estava bem concentrado, observei bem as ondas durante o dia e graças a Deus consegui pegar duas ali no critério excelente pra passar em primeiro lugar na bateria. É até uma surpresa pra mim eu ser o único paulista nesta categoria, porque estamos na nossa terra e tem um monte de surfistas bons aqui. Então, espero representar bem o estado de São Paulo e Ubatuba para tentar conquistar este título aqui amanhã".

Seus adversários na segunda semifinal são o potiguar Joca Junior, recordista absoluto do primeiro dia e que surfou bem de novo no sábado, o catarinense Carlos Santos, que também segue na briga do título na Grand Master, além do niteroiense Ricardo Tatuí, que se classificou com a marcação de uma "interferência" para Ricardo Toledo que decidiu a segunda vaga na bateria dominada pelo baiano Jojó de Olivença, que há muitos anos mora no litoral paulista, em Guarujá. Jojó tirou notas 8,00 e 8,77 e ainda jogou fora um 7,60, pois apenas duas são computadas. Ele vai disputar as duas primeiras vagas para a final com Pedro Muller, o niteroiense Alexandre Herdy e o catarinense Roni Ronaldo, que neste ano já faturou o título amador Master da Confederação Brasileira de Surf (CBS). Os dois bicampeões brasileiros da década de 90 da ABRASP estavam passando, com Ricardinho tendo a maior nota da bateria (8,5) até ali, mas Tatuí poderia mudar o resultado. Eles disputaram uma onda, o niteroiense entrou nela e logo caiu para não se chocar com o ubatubense, que passou surfando uma direita. A comissão técnica analisou o vídeo e a maioria assinalou a penalidade para Ricardo Toledo, que perdeu metade da sua segunda nota e terminou em terceiro lugar na bateria.
Lula Menezes
"O mar está difícil, mas eu dei sorte de achar umas ondinhas abrindo para mostrar o meu surfe", falou Lula Menezes, que somou notas 8,00 e 7,63 na vitória sobre o também carioca Joca Secco e o paulista Leonardo Viana, que passou em segundo lugar. "Mas, o verdadeiro estímulo é essa confraternização com a galera das antigas. Lógico que todo mundo está aqui querendo ganhar, mas acho que o contexto geral é resgatar a amizade com a galera que não se vê há um tempão, então isso é o mais importante acho que pra todos que estão aqui".

Depois da categoria Kahuna, estreou a Grand Master com o carioca Pedro Muller, campeão brasileiro de 1989 e atual presidente da ABRASP (Associação Brasileira de Surf Profissional), subindo de 17,00 para 17,50 o recorde de pontos do Brasil Surf Master. Ele ganhou notas 8,67 e 8,83 das duas melhores ondas que surfou nas direitas de Itamambuca. "O mar está pequeno, mas tem uma ondinha que forma um pouco e eu estou com uma prancha muito boa, uma 5´9´´ de isopor do Joca Secco (shaper) que é ideal pra essa condição de mar", disse Pedro Muller. "Ela andou muito bem, mas também dei sorte de achar duas ondas com parede. Eu adoro este lugar, adoro competir, ainda mais com tantos amigos assim, gente que eu não via um tempo e foi aqui que eu venci minha última etapa na carreira profissional, então a energia é boa".
Claudio Marroquino
Duas baterias depois de Pedro Muller estabelecer um novo recorde de pontos, o pernambucano Claudio Marroquim surfou a melhor onda do campeonato, antes de Tadeu Pereira bater todas as marcas do Brasil Surf Master no confronto que fechou o sábado na Praia de Itamambuca. Porém, mesmo com a nota 9,5 recebida, Marroquim perdeu a bateria para o catarinense Saulo Lyra, um dos destaques do dia. Depois, o pernambucano acabou eliminado nas quartas de final, mas registrou seu nome na lista das melhores ondas surfadas em Itamambuca.

Saulo Lyra somou notas 8,67 e 7,67 para ganhar por 16,34 a 16,17 pontos essa bateria. Depois competiu bem de novo nas quartas de final, conseguindo três notas na casa dos 7 pontos logo nas primeiras ondas - 7,00 / 7,77 / 7,87. O surfista de Balneário Camboriú foi um dos três catarinenses classificados para as semifinais na Grand Master. Os outros são David Husadel, que mora em Florianópolis, e Carlos Santos, de Imbituba, que já foi campeão mundial Master amador da ISA (Internation of Surfing Association). "As ondinhas estão pequenas, mas estão perfeitas, abrindo bem e eu venho brincando ao longo do campeonato com o dito popular: diga-me com quem andas que eu te direi quem és", contou Saulo Lyra. "Isso quer dizer duas coisas. Primeiro, Deus no coração forte e Ele vem me abençoando bastante. Segundo, eu treino alguns dos melhores atletas de Santa Catarina, amadores e profissionais. Estou com eles três vezes por semana no Centro de Treinamento lá no Balneário (Camboriú) e estar surfando lado a lado com eles, faz com que me mantenha no ´rip´. Apesar dos 50 anos, o coração é de um menino".
Saulo Lyra
Bicampeão brasileiro Master amador em 2000 e 2001, Saulo já aparece entre os principais candidatos ao título do Brasil Surf Master neste domingo. "Só peço a Deus que continue me abençoando com um pouco de sorte para que venham as ondas pra mim. Mas, independente do resultado, o astral desse campeonato está muito legal. A quantidade de sorrisos e abraços que eu recebi aqui já encheu meu coração, então já valeu ter vindo. E eu espero defender Santa Catarina e Balneário Camboriú na final, pois quero escrever meu nome nessa história".

Nenhum paulista avançou para o último dia na categoria Grand Master. Além dos três catarinenses, três cariocas passaram para as semifinais, Pedro Muller, Rodolfo Lima e Sergio Penna. O cearense Cardoso Junior e o paranaense Rodrigo Munhoz fecham a lista dos concorrentes ao título brasileiro entre os surfistas com 45 anos ou mais de idade. Os paulistas que chegaram mais perto da classificação foram o bicampeão brasileiro Tinguinha Lima e Antonio Augusto, que terminaram em terceiro lugar nas suas baterias e em nono no campeonato

Por João Carvalho / Foto Renato Boulos

Parkinson é o melhor do mundial e do Pipe Masters

O australiano Joel Parkinson, 31 anos, é o novo campeão mundial da ASP. O seu primeiro título na carreira foi confirmado quando o seu compatriota, Josh Kerr, 28, derrotou Kelly Slater, 40, na semifinal. E para fechar com chave de ouro a conquista do caneco de número 1 do mundo, Parko venceu o Billabong Pipe Masters na última sexta-feira (14/12) de ondas de 4-6 pés em Pipeline e no Backdoor, na ilha de Oahu, no Havaí. "Este é o lugar onde eu queria estar no final do ano", vibrou Parkinson, no pódio. "Trabalhei por isso durante toda a minha vida e nem consigo descrever o que estou sentindo agora. Eu tive vários vice-campeonatos, vivi bons e maus momentos, fui ao inferno e voltei. Eu amo o Havaí, estou muito feliz por botar a Austrália no topo do mundo de novo e quero agradecer a todos que me apoiaram".
Joel Parkinson no meio da galera com o seu primeiro título mundial / Foto Cestari
Parkinson completou a sua 12ª temporada no WCT, já venceu onze etapas da divisão de elite do ASP World Tour e o Billabong Pipe Masters foi a primeira em cinco finais neste ano. O australiano foi vice-campeão mundial quatro vezes, em 2002, 2004, 2009 e 2011, mas agora finalmente festejou o seu primeiro título para consolidar a carreira como um dos melhores surfistas de todos os tempos. "Um dia você acorda se sentindo bem e no dia seguinte um perdedor", conta Parkinson. "Esta manhã eu acordei me sentindo um campeão. Como o Andy (Irons) sempre dizia: ´Eu tenho isso, hein?´ Eu dedico este título para o meu pai, que sempre me levava para os campeonatos desde quando eu tinha 10 anos de idade, para a minha esposa, minha mãe, meus filhos, isso é tudo pra nós".

Após festejar o título mundial, Joel Parkinson voltou ao mar para derrotar o compatriota Josh Kerr na final, coroando a conquista com vitória no Billabong Pipe Masters em memória a Andy Irons. Mesmo vencendo só uma etapa no ano, o australiano fez uma das temporadas mais impressionantes da história do ASP World Tour, apresentando um índice de 73,4% de aproveitamento dos pontos nos oito resultados computados no ranking. Resultado no ASP WCT 2012: 5º lugar no Quiksilver Pro Gold Coast; 3º lugar no Rip Curl Pro Bells Beach; 2º lugar no Billabong Rio Pro no Brasil; 9º lugar no Volcom Fiji Pro; 2º lugar no Billabong Pro Tahiti; 2º lugar no Hurley Pro Trestles; 3º lugar no Quiksilver Pro France; 3º lugar no Rip Curl Pro Portugal; 5º lugar no O´Neill Coldwater Classic.
Kelly Slater / Foto Cestari-ASP
Kelly Slater chegou a assumir a ponta do ranking na sexta-feira, quando derrotou o brasileiro Miguel Pupo na última repescagem para as quartas de final, com um novo e definitivo recorde de 19,27 pontos. Nas quartas de final, tirou sua primeira nota 10 no campeonato para superar por pouco o havaiano Shane Dorian com o segundo maior placar do Billabong Pipe Masters, 18,73 a 18,20 pontos. Porém, na semifinal não achou nada de ondas e Josh Kerr levou a melhor porque começou bem com um tubaço no Backdoor que valeu nota 9,20. "Veio tudo de uma vez só, título mundial, Pipe Master, é surreal isso", continuou Parkinson. "Achei que ia ser aquela pressão toda como anos atrás. Eu sabia que não tinha nada que eu pudesse fazer. Eu tinha que fazer a minha parte e ele (Slater) a parte dele, que tinha a bateria com o local do pico, Shane Dorian, e eu sabia que o (Josh) Kerr era um perigo para ele. Quando o Kerr pegou aquele tubo no início, senti um negócio como se fosse vomitar e não consegui controlar minhas emoções naqueles momentos finais. Foi tudo muito louco".

Apesar da derrota na semifinal e de não conseguir o 12º título mundial em 2012, Slater foi reflexivo e gracioso em honrar Joel Parkinson no palco, para a multidão que lotou Pipeline na sexta-feira. "Eu perdi a etapa do Brasil porque tive um corte no meu calcanhar e não conseguia realmente surfar", lembrou Kelly Slater, sobre sua ausência no Billabong Rio Pro. "Pensei apenas em descansar e ficar focado nas próximas etapas. Venci em Fiji, mas o pior foi em Teahupoo. Eu fiz dois ou três erros consecutivos contra o Ricardo (dos Santos), que tirou um 9,8 nos últimos segundos para me vencer. Depois ganhei em Trestles e na França, mas tudo começou a desmoronar em Portugal, onde não fui bem e nem em Santa Cruz (EUA). Por alguma razão, foi tudo na direção do Parko. Ele está no circuito por 10, 11 anos, sempre na caça do título mundial desde o começo, é um surfista incrível, um cara que faz tudo parecer fácil, então parabéns a ele pelo título".
Parkinson se superou no Havaí na conquista dos dois títulos / Foto Cestari - ASP
Os brasileiros não conseguiram aproveitar as duas chances de classificação para as quartas de final e terminaram em nono lugar no Billabong Pipe Masters. Eles até surfaram bons tubos no último dia, mas Gabriel Medina perdeu por pouco para o australiano Yadin Nicol no placar encerrado em 13 a 12 pontos, enquanto Miguel Pupo não teve qualquer chance contra um inspirado Kelly Slater, que surfou dois tubos incríveis para fazer o recorde de pontos neste ano no templo sagrado do esporte na ilha de Oahu. Com o encerramento da temporada 2012, cinco brasileiros se classificaram para o WCT do ano que vem. Como Gabriel Medina não conseguiu passar para as quartas de final em Pipeline, Adriano de Souza permaneceu no seleto grupo dos top-5 da ASP e ele em sétimo lugar. O também paulista Miguel Pupo foi o 17.o e o catarinense Alejo Muniz o 18.o no ranking que garantia até o 22.o colocado na divisão de elite do ASP Tour. A novidade no time verde-amarelo é o jovem ubatubense Filipe Toledo, que foi um dos dez indicados pelo ranking unificado.

O carioca Raoni Monteiro também continua no WCT, pois recebeu um dos dois wildcards (convites) que a ASP reserva para os atletas que se contundiram na temporada completarem os top-34 do ASP Tour. O cearense Heitor Alves e o potiguar Jadson André não conseguiram confirmar suas permanências em nenhuma das duas listas classificatórias e saíram da elite. Já o catarinense Willian Cardoso terminou pelo segundo ano consecutivo como segundo "alternate" para substituir alguma ausência nas etapas. O primeiro é o norte-americano Patrick Gudauskas.
Medina e Josh / Foto Cestari
Final do Billabong Pipe Masters:
Campeão: Joel Parkinson (AUS) com 17,17 pontos (9,17+8,00) - US$ 75.000 e 10.000 pontos
Vice-campeão: Josh Kerr (AUS) com 14,83 (notas 7,83+7,00) - US$ 30.000 e 8.000 pontos

Por João Carvalho